Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Custo zero

TJ de São Paulo anuncia fim da taxa de desarquivamento de processos

Por 

Acessar processos que estão nos arquivos do Judiciário paulista já não vai custar nada ao interessado. O Tribunal de Justiça de São Paulo divulgou nesta segunda-feira (24/8) o fim da taxa de desarquivamento, depois que a cobrança foi considerada inconstitucional. O comunicado, publicado no Diário da Justiça Eletrônico, diz que o serviço será gratuito “até que haja lei regulamentando a matéria”.

O Provimento 2.195, assinado em 2014 pelo Conselho Superior da Magistratura, havia fixado taxa de R$ 24,40 quando partes ou advogados querem ver processos que estão no Arquivo Geral, e de R$ 13,30, para os autos engavetados em unidades judiciais.

Embora uma lei estadual tenha delegado ao conselho o papel de estipular esses valores, o Órgão Especial do TJ-SP considerou que a fixação em si dos valores só poderia ser feita por norma legislativa, e não administrativa. A corte atendeu pedido da Associação dos Advogados de São Paulo, representada pelo escritório Dias de Souza Advogados Associados.

O presidente do TJ-SP, desembargador José Renato Nalini, já apresentou proposta à Assembleia Legislativa do estado para tentar restabelecer a medida. O texto pretende mudar a Lei Estadual 11.608/2003, sobre taxas nos serviços de natureza forense, para adicionar um dispositivo estipulando expressamente quanto deverá ser desembolsado, com base na Ufesp (unidade fiscal do estado). 

O deputado estadual Davi Zaia (PPS), no entanto, assinou emenda contrária ao projeto de lei. Para ele, não faz sentido obrigar que advogados e partes paguem se, com os processos eletrônicos, as informações agora podem ficar disponíveis no sistema sem nenhum custo para o estado. Zaia afirma ainda que a Constituição garante o direito à jurisdição.

Leia o comunicado divulgado pelo TJ-SP:

COMUNICADO 433/2015 (Protocolo 2013/178069)
A Presidência do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo comunica aos Senhores Magistrados, Membros do Ministério Público, das Procuradorias, da Defensoria Pública, Senhores Advogados, Dirigentes das Unidades Judiciais, Servidores e ao público em geral que, tendo em vista o v. acórdão proferido nos autos do Mandado de Segurança Coletivo nº 2218723-64.2014.8.26.0000, impetrado pela AASP – ASSOCIAÇÃO DOS ADVOGADOS DE SÃO PAULO, até que haja lei regulamentando a matéria, não incidirá a cobrança da taxa no desarquivamento de processos.

* Texto atualizado às 16h do dia 24/8/2015.

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 24 de agosto de 2015, 14h59

Comentários de leitores

7 comentários

E as custas para inventário? Onde está a OAB/SP?

Leopoldo Luz (Advogado Autônomo - Civil)

Outra excrescência são as custas para inventário judicial, do art. 4º, parágrafo 7º da lei 11.608/2013.
Enquanto as faixas do monte-mor foram fixadas em reais, as custas foram fixadas em UFESP (atuais).
Isso significa um aumento automático, mensal e acumulado desde a publicação da lei, de:
- 82% (IPC - FIPE),
- 94% (INPC),
- 100% (IGP-M)!
A OAB/SP não se mexerá quanto a isso?

Parabéns aasp

José Augusto Horta (Advogado Sócio de Escritório - Empresarial)

Parabéns para AASP!! Esta sim, o melhor órgão de classe e não apenas um trampolim politico e de "status".
Como disse outro comentário: "anuidade paga sem remorso." E digo mais: paga com orgulho e satisfação de prestigio e reconhecimento ao advogado.
Eu daria o titulo a este comentário de FORA OAB!!!!! Mas ...

Boa notícia!

ABSipos (Advogado Autônomo)

Que isso influencie outros Tribunais de Justiça a instituírem taxas e custas dentro da estrita legalidade, bem como estabeleçam valores razoáveis para tanto. Considero os valores do TJSP razoáveis, apesar da inconstitucionalidade apresentada.

Exemplo negativo é do TJRJ, onde um mero desarquivamento custa cerca de R$ 80,00. Na verdade ainda não vi Tribunal de Justiça onde custa tanto para se ingressar com ação judicial quanto o TJRJ. Um verdadeiro absurdo.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 01/09/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.