Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Na própria carne

Juiz dos EUA multa a si mesmo por deixar celular tocar durante audiência

Por 

O juiz Rocky Coss, de Ohio (EUA), é muito rigoroso quanto às regras do tribunal. Especialmente a que proíbe o uso de telefone celular na sala de audiências. Há, inclusive, uma placa na porta de sua sala de julgamentos, que proíbe o uso de celulares.

Recentemente, em meio a uma audiência, um som de gaita de fole invadiu a sala — a música era Scotland The Brave. Todos os presentes, ao notarem que se tratava do toque de um telefone, já esperavam a bronca do juiz. Até notarem que o celular era do próprio julgador. Ele pediu desculpas e fez o que faz com todo mundo: aplicou uma multa de US$ 25 — a si mesmo — por desacato ao juízo. "Não vejo como eu posso condenar outra pessoa por desacato e multá-la por interromper os procedimentos, se eu fizer a mesma coisa e não me multar", disse à emissora de TV WCPO.

O caso lembra o de outro juiz americano, Raymond Voyet, que, em 2013 também se multou em US$ 25. Conhecido por suas reações raivosas quando celulares tocam nas sessões, o juiz de Michigan também se deu uma dose do próprio veneno.

Veja a reportagem da TV WCPO sobre o juiz Rocky Coss:

 é correspondente da revista Consultor Jurídico nos Estados Unidos.

Revista Consultor Jurídico, 21 de agosto de 2015, 13h34

Comentários de leitores

8 comentários

Muito agradecido

_Eduardo_ (Outro)

Claro. Eh isso mesmo. Marquei duas consultas, uma com professor de português outra com um psicólogo. O primeiro me fará uma lavagem mental linguística/semântica para eu interpretar diferente do senhor, afinal, quem interpreta diferente está seguramente errado; o segundo me ajudará a me curar dos traumas mais profundos que me fazem ter verdadeiros devaneios interpretativos.

_Eduardo_ (Outro),

Sérgio Niemeyer (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

A tomar pelo teor do seu comentário posso inferir que ou não sabe o que é um xingamento, ou anda muito cheio de melindres. Em qualquer caso, é patologia que tem cura. No primeiro, basta consultar um bom dicionário e tomar lições de interpretação de texto. No segundo, bem, aí, não me leve a mal, mas talvez seja o caso de baixa autoestima, e a cura é um pouco mais demorada. Mas nada que um bom e confortável divã no consultório de bom profissional terapeuta não resolva. Sem ofensas. Como eu disse, não me leve a mal. O humor faz parte da livre manifestação do pensamento. E rir faz bem à saúde. Está provado cientificamente. Aliás, seu comentário me fez bem. Me fez rir. Obrigado por isso. Sem ironia. É sério. Por outro lado, diferentemente dos EUA, aqui o nenhum juiz tem poder de criar e aplicar multas não previstas em lei. Então, o comentário que fiz foi apenas um chiste de emparelhamento para o caso de haver lei, dado o modo como a maioria dos juízes se comporta. E isso é fato. E contra fato não há argumento. Basta fazer uma enquete para confirmar.

(a) Sérgio Niemeyer
Advogado – Mestre em Direito pela USP – sergioniemeyer@adv.oabsp.org.br

deve ser piada

_Eduardo_ (Outro)

deve ser piada os comentarios. Utilizam uma reportagem sobre um fato nos EUA para fazer ilações sobre como seria no Brasil e xingar gratuitamente juízes.
Mas já que abriram as porteiras entao me respondam o que seria de um juiz aqui no brasil se aplicasse uma multa a alguem num caso desses. Seria certamente execrado. Interessante que o dos EUA é aplaudido, mas nao tenho duvidas que para o mesmo fato, se fosse aqui, seria levado ate o CNJ.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 29/08/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.