Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Liberdade de atuação

Defensoria do Espírito Santo defende autonomia administrativa e financeira

Por 

A Defensoria Pública do Espírito Santo quer ser amiga do Supremo Tribunal Federal no julgamento da Ação Direta de Inconstitucionalidade 5296, movida pela Presidência da República contra a Emenda Constitucional 74/2013, que deu autonomia administrativa e financeira à Defensoria Pública da União.

Para a defensoria, a matéria é importante porque questiona a liberdade de atuação de uma das estruturas fundamentais do sistema de Justiça. “Retroceder quanto à autonomia da Defensoria da União irá interferir diretamente nos trabalhos desenvolvidos pelas Defensorias Públicas do país, especialmente a do Espírito Santo, segundo estado do país com maior índice de violência e de encarceramento”, diz a petição protocolada dia 19/8 no STF. A relatoria da ação é da ministra Rosa Weber.

A Presidência afirma na ação que a proposta de Emenda Constitucional foi uma iniciativa parlamentar e que, portanto, houve vício por suposta reserva de iniciativa privativa do Executivo. Os defensores afirmam na petição que a manutenção dos serviços é prejudicada pela ausência de uma política afirmativa do Executivo estadual em favor da Defensoria Pública. A ministra já admitiu a participação do governo capixaba como amicus curiae no caso.

Para realizar as obrigações constitucionais, que “evidentemente buscam promover uma construção de serviços públicos afirmativos em decorrência da abissal desigualdade da sociedade brasileira”, a Defensoria do Espírito Santo diz que é necessário garantir minimamente “a liberdade valorativa no âmbito administrativo e financeiro, razão pela qual substancialmente correta a matéria de fundo estipulada pela Emenda Constitucional 74/2013”.

Clique aqui para ler a petição.

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 21 de agosto de 2015, 20h49

Comentários de leitores

2 comentários

Importante consultar o contribuinte

Flávio Souza (Outros)

No momento que a população se une no combate a corrupção, penso que a questão do auxílio moradia para autoridades deveria compor o cardápio de reivindicações da população bem como essa questão de autonomia financeira e administrativa, além é claro, da PEC que estabelece o quantum em certo percentual de ministro do STF. No caso da autonomia, poderia ser votado, porém ser condicionado que a folha de pagamento não ultrapassará 60% do orçamento. Quanto ao auxílio moradia é justo, mas para aqueles servidores deslocados temporariamente de seu local de trabalho, ou seja, onde prestaram o concurso público e foram lotados, salvo isso, o benefício não poderá ser concedido sob hipótese alguma. Abs

pelo fim do monopólio de pobre pela Defensoria

daniel (Outros - Administrativa)

O Estado precisa ter outras formas de prestar assistência jurídica, pois a CF não diz que é atividade privativa da Defensoria. Além disso, este aumento do leque de prestadores do serviço daria autonomia ao pobre para escolher.

Comentários encerrados em 29/08/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.