Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

"Lava jato"

Justiça nega mais seis pedidos de liberdade para presos em operação

A Justiça Federal negou pedidos de liberdade para 11 investigados da operação "lava jato" entre sábado e este domingo (16/11). A desembargadora Maria de Fátima Freitas Laberrère, do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, indeferiu Habeas Corpus para cinco pessoas no sábado e mais seis neste domingo. 

Neste domingo, a desembargadora negou Habeas Corpus a José Aldemário Pinheiro Filho, presidente da OAS, e a Mateus Coutinho de Sá Oliveira e Alexandre Portela Barbosa, ligados à mesma empresa. Foram expedidos mandados de prisão temporária para os três. 

A desembargadora indeferiu, ainda, pedidos de liberdade para Carlos Eduardo Strauch Albero, Milton Prado Júnior e Gerson de Mello Almada, da Engevix. Para os dois primeiros foi expedido mandado de prisão temporária. Para Almada, mandado de prisão preventiva.

No sábado, a desembargadora negou pedidos da defesa de Eduardo Emerlino Leite, diretor da Camargo Corrêa; e de Dalton dos Santos Avancini e João Ricardo Auler, vinculados à mesma construtura.

Avancini e Auler tiveram decretada a prisão temporária. No caso de Leite, cujo mandado foi para prisão preventiva, além de pedir Habeas Corpus, os advogados alegaram questões de saúde para pedir ainda o cumprimento de prisão domiciliar, já que ele seria portador de hipertensão arterial. Também no sábado foram negados os pedidos de Agenor Franklin Magalhães Medeiros e José Ricardo Nogueira Breghirolli, ligados à OAS. Com informações da Agência Brasil.

Revista Consultor Jurídico, 16 de novembro de 2014, 14h11

Comentários de leitores

2 comentários

Tudo indica prisão correta.

PAULO FRANCIS (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

A prisão temporária, ao que notícia os jornais, está correta e talvez seja revogada após os 5 dias.
Na verdade, muitos destes diretores estão cedendo a delação premiada e certamente terão pena diminuída.
Agora vem a segunda fase, que é a dos políticos envolvidos, e cujo inquérito uma vez terminado, certamente será encaminhado ao |Procurador Geral da
República. Creio o que o elo entre propina e os partidos estão evidenciados. Tem que sobrar para alguém, senão vira pizza e aí o povo não vai engolir.

nao sei...

Palpiteiro da web (Investigador)

Não sei se há carência de provas para colocar essa gente definitivamente atrás das grades, mas como se ve, sao prisoes cautelares e, em poucos dias, todos estarao nas ruas.

Comentários encerrados em 24/11/2014.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.