Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Ajuste da atuação

INSS cria grupo de trabalho para acompanhar jurisprudência

O Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), autarquia federal responsável ela Previdência Social, quer ajustar sua atuação com o Judiciário. No fim do mês passado, o órgão anunciou a criação de um grupo de trabalho para acompanhar decisões judiciais, coordenar a elaboração de teses de defesa e adequar os atos normativos do INSS à jurisprudência firmada em sentido contrário.

De acordo com a Portaria Conjunta 98, do dia 29 de outubro, o INSS também deve encaminhar ao Departamento de Contencioso temas jurídicos em que haja posicionamento jurisprudencial contrário à administração. O objetivo é que esses temas sejam estudados e sejam editadas súmulas para orientar a atuação dos procuradores do INSS nos tribunais.

A portaria é assinada em conjunto pela Advocacia-Geral da União e pela Procuradoria-Geral Federal, responsável pela atuação jurídica das autarquias federais. De acordo com o texto, o grupo de trabalho será composto por procuradores integrantes da Procuradoria do INSS, do Departamento de Contencioso do órgão e que atuam em matéria previdenciária nas instâncias locais.

Pelo que diz a nova portaria, o grupo de trabalho é permanente. O próprio documento aponta como um dos motivos para a criação do grupo o fato de o Conselho Nacional de Justiça apontar o INSS como “o maior demandado do país”. O órgão previdenciário faz menção ao relatório dos 100 maiores litigantes do país, feito pelo CNJ e publicado em 2012. A pesquisa se refere a dezembro de 2011, quando o INSS respondia por 22% de todas as ações em trâmite na Justiça brasileira.

A primeira composição do grupo de trabalho será: Carlos Alberto Piazza (coordenador);  Bruno José de Souza Azevedo; Carlos Gustavo Moimaz Marques; Dimitri Brandi de Abreu; Erick Manezes Sande; Evandro Nakadi Calijuri; Gustavo Kensho Nakajum; Karina Teixeira de Azevedo; Lucas Mateus Gonçalves Louzada; Maria Carolina Rosa; Pablo de Castro Miozzo; Paula de Castro Diniz; e Wolney da Cunha Soares Júnior

Revista Consultor Jurídico, 10 de novembro de 2014, 16h02

Comentários de leitores

2 comentários

ha, ha, ha! 2

Adv. Rodrigo Bolzani (Advogado Sócio de Escritório - Previdenciária)

Acredite quem quiser. 2

ha, ha, ha!

WLStorer (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Acredite quem quiser.

Comentários encerrados em 18/11/2014.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.