Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Dúvida irrazoável

Recibos médicos são suficientes para justificar dedução de IR, decide TRF-1

A Receita Federal deve aceitar como válidos recibos emitidos por profissionais de saúde. Assim entendeu a 7ª Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região que, de forma unânime, confirmou sentença que reconheceu a validade dos recibos apresentados por um contribuinte para comprovar as deduções referentes às despesas com fisioterapia em sua declaração de Imposto de Renda. 

Na apelação, a Fazenda Nacional sustentou que a legislação em vigor exige que o contribuinte, quando intimado pelo Fisco, comprove que as deduções pleiteadas na declaração preencham todos os requisitos exigidos, sob pena de serem consideradas indevidas, e o valor pretendido como dedução seja apurado e lançado em procedimento de ofício. Alega também que a Lei 9.250/1995 reforça que a possibilidade de dedução limita-se a pagamentos comprovados. “Essa norma, no entanto, não dá aos tais comprovantes, ainda que revestidos de todas as formalidades, valor probante absoluto”, pondera.

Além disso, a Fazenda disse ser equivocado o entendimento de que os recibos são os únicos documentos necessários e hábeis para a comprovação do pagamento e lisura das deduções. “Havendo motivado questionamento da autoridade fiscal, torna-se necessária a comprovação da efetiva prestação do serviço e do pagamento correspondente, não bastando gozar as deduções com despesas médicas a disponibilidade de simples recibos ou declarações”, diz.

O relator, desembargador Reynaldo Fonseca, rejeitou os argumentos da Fazenda Nacional. "Além dos recibos de pagamento das sessões de fisioterapia, o autor apresentou à Receita Federal declarações firmadas pelas fisioterapeutas, com firma reconhecida em cartório, atestando a efetiva prestação dos serviços. Não vislumbro outras provas que poderiam ser exigidas do contribuinte”, afirmou. 

"O contribuinte possui 64 anos e é médico. Assim, é natural que reserve parte de sua renda para os cuidados da sua saúde. Além do mais, o valor gasto com a terapia não é elevado considerando a média dos custos com saúde no país”, acrescentou o desembargador. Ele enfatizou que as próprias fisioterapeutas ratificaram, por declaração, os serviços prestados ao contribuinte, “o que permite à Receita Federal a fiscalização do recolhimento do imposto de renda sobre os honorários recebidos”. Com informações da Assessoria de Imprensa do TRF-1.

Processo 0038067-78.2014.4.01.0000

Revista Consultor Jurídico, 9 de novembro de 2014, 7h35

Comentários de leitores

2 comentários

O inacreditável é . . .

Ricardo, aposentado (Outros)

O inacreditável é o contribuinte, em impugnação ao lançamento na via administrativa, ter como resposta que o recibo prova que ele pagou mas não que o tratamento ou consulta o tenha como destinatário,
E o pior, sem dar ao contribuinte qualquer benefício da dúvida, como baixar o processo em diligência etc e tal.
Coisas do Brasil . . .

Prof. Dr. lomonaco

Prof. Dr. Jose Antonio Lomonaco (Advogado Sócio de Escritório)

Uma boa maneira de acabar com processos desta natureza é impor á Fazenda multa de 100 vezes o valor glossado, em favor do contribuinte, porque fazem estas glossas por algum motivo que nao se sabe qual. Estao cansados de saber, mas continuam fazendo.

Comentários encerrados em 17/11/2014.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.