Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Excludente de ilicitude

Risco de morrer não configura estado de necessidade para usar escudo humano

Para configuração do estado de necessidade — quando uma pessoa age para fugir de uma ameaça —, é preciso que todos os envolvidos na situação estejam expostos a um perigo atual e inevitável. Com esse entendimento, a 4ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Minas Gerais confirmou a condenação de um traficante a 18 anos de prisão. O homem foi considerado culpado pela morte de uma mulher, usada por ele como escudo humano para não ser atingido por tiros de revólver disparados por outro traficante.

O Tribunal do Júri de Barbacena sentenciou o homem a 18 anos de prisão, a serem cumpridos, inicialmente, em regime fechado. Em recurso ao TJ-MG, a defesa sustentou que o traficante agiu acobertado pela “excludente de ilicitude do estado de necessidade”, ou seja, a ação foi legítima pois visava proteger sua própria vida.

Segundo o relator da matéria, desembargador Amauri Pinto Ferreira, “a vítima não era até então submetida a risco algum. Não tinha conhecimento das desavenças existentes entre os agentes e muito menos poderia prever que o réu entraria em seu local de trabalho e a surpreenderia”. Com informações da assessoria de imprensa do TJ-MG.

Processo 0283777-68.2012.8.13.0056

Revista Consultor Jurídico, 31 de maio de 2014, 6h52

Comentários de leitores

2 comentários

espanto

Ribas do Rio Pardo (Delegado de Polícia Estadual)

to espantado, não condenaram a mulher por morrer e prejudicar o pobre traficante!!!!

Flertando com a falta de ética.

Eduardo Schmuck (Engenheiro)

A tese da defesa equipara um criminoso covarde a uma pessoa exposta "a um perigo atual e inevitável" que envolve a todos os atores do fato. Deve ser da mesma turma que culpa a moça que anda de saia curta por ter sido estuprada. Esse vale tudo para cumprir seu mister de defender faz o advogado flertar com a falta de ética.

Comentários encerrados em 08/06/2014.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.