Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Tratamento de viciado

Não é preciso ter pedido negado administrativamente para se ajuizar ação

Por 

Com base no inciso XXXV do artigo 5º da Constituição Federal, que diz que a lei não excluirá lesão ou ameaça a direito da apreciação do Poder Judiciário, não é imprescindível, para o ajuizamento da demanda judicial, que o pedido seja indeferido na seara administrativa. Com esse entendimento unânime, a 8ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul reformou decisão que indeferiu pedido de internação psiquiátrica feito pela família de um usuário de drogas que não aceitou se submeter ao tratamento.

O juízo de origem negou o pedido de internação por entender, primeiro, que a inicial não trouxe qualquer indicativo de omissão ou pretensão resistida por parte do poder público municipal, o que configuraria ilegitimidade passiva. Em segundo, porque esta também não informou se houve procura de vaga hospitalar por parte da família do menor, ou mesmo negativa de vaga. Nesta hipótese, a primeira instância justificou o indeferimento por falta de interesse processual.

‘‘Não se pode admitir esse tipo de demanda, quando a parte sequer procura o sistema para pedir o atendimento, sob o argumento de que ‘não se pode exigir esgotamento da via administrativa (que não é o caso, diga-se)’, sob pena de estar reduzindo o papel relevante do Poder Judiciário à equivalência de um mero balcão do SUS’’, diz o despacho, citando dispositivos do Código de Processo Civil.

Apelação aceita
O Ministério Público se insurgiu contra a sentença, argumentando que o prévio esgotamento da via administrativa é desnecessário, pois o adolescente está agressivo, consumindo drogas diariamente e fora do controle materno. Sustentou ser evidente o interesse processual, pois se trata de restrição de direito fundamental de liberdade, consubstanciada na internação compulsória. Portanto, há necessidade de ordem judicial que autorize a medida, conforme artigo 6º da Lei 10.216/2001 — que dispõe sobre tratamento e internação por doenças mentais.

O relator da Apelação, desembargador Ricardo Moreira Lins Pastl, disse que não se pode cogitar da ausência de interesse de agir na ação proposta contra a municipalidade. Afinal, não é necessário que a parte autora comprove o prévio indeferimento administrativo da avaliação médica psiquiátrica e devido tratamento. Segundo o julgador, também deve-se levar em conta a natureza do direito, que diz respeito à saúde e à incapacidade do autor.

‘‘Assim sendo, e não se enquadrando a causa nas previsões do art. 515, § 3°, do CPC, até mesmo porque a parte requerida ainda não foi citada, desconstituo a sentença, para que tenha regular andamento o feito’’, escreveu no acórdão, lavrado na sessão do dia 22 de maio.

Clique aqui para ler o acórdão. 

 é correspondente da revista Consultor Jurídico no Rio Grande do Sul.

Revista Consultor Jurídico, 31 de maio de 2014, 4h00

Comentários de leitores

1 comentário

Desinternação.

Renato Atala (Advogado Assalariado - Civil)

A Lei 10.216/01, foi elaborada para reafirmar os direitos dos portadores de transtornos mentais. Ocorre que a internação ainda é possível e mais fácil do que se imagina, segundo os termos da referida. A internação pode ser voluntária, involuntária e compulsória, sendo a compulsóra a medida mais drastica a ser tomada. Para a internação involuntária bastaria laudo médico circunstanciado demonstrando os motivos da internação, e autorização por médico devidamente registrado no CRM do Estado da instituição que for receber o internando e, comunicado ao MPE em até 72 horas da internação ou desisternação. Não precisaria nada mais, além da insuficiência do tratamento extra-hospitalares consentâneo as necessidades do internando. Ou seja, a medida judicial já é por demais tardia, por isso deve ser célere e, na minha opinião, obedecer ao rito dos procedimentos especiais da jurisdição voluntária, mais precisamente do capítulo da interdição e da curatela, tendo em vista a semelhança de capacidade processual apresentada pelos interditandos e os internandos. E também por não haver norma processual para a internação, devendo o magistrado conduzir o feito por analogia, aplicando o procedimento mais adequado...

Comentários encerrados em 08/06/2014.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.