Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Atividades paralisadas

Novo “apagão” de servidores do Judiciário federal chega a dez estados

Servidores do Judiciário Federal de ao menos dez estados fizeram paralisações nesta quinta-feira (29/5) para cobrar reajuste e mudanças na política salarial, de acordo com a federação que representa a categoria. Levantamento da entidade aponta que o chamado “Apagão do Judiciário Federal” ocorreu no Rio de Janeiro, em Santa Catarina, em Mato Grosso do Sul, em Alagoas, no Maranhão, no Piauí, no Pará, no Acre, no Amapá e em Rondônia.

Segundo a Federação Nacional dos Trabalhadores do Judiciário Federal (Fenajufe), servidores de quatro estados do país já estão em greve: São Paulo, Rio Grande do Sul, Mato Grosso e Bahia. O movimento afeta serviços oferecidos pela Justiça Federal, pela Justiça do Trabalho, pela Justiça Militar e pela Justiça Eleitoral, ainda conforme a federação.

Os trabalhadores cobram reajuste de ao menos 41,12%, para recompor valores com base em índice de inflação desde 2006 e que seja definida uma data-base. A Fenajufe diz que, após uma mesa de discussão formada para discutir as propostas, o Supremo Tribunal Federal já decidiu incluir termos da pauta em um substitutivo a projeto de lei em tramitação na Câmara dos Deputados.

Revista Consultor Jurídico, 29 de maio de 2014, 19h01

Comentários de leitores

7 comentários

Ao Alex Cardoso (Assessor Técnico)

Eduardo.Oliveira (Advogado Autônomo)

Agravo de petição?
Não! A homologação de cálculos ocorreu em janeiro de 2013, o prazo para agravo de petição passou a fluir em 12/2013;, na primeira quinzena ele (AP) foi interposto. O autos subiram para o TRT este mês, em 2014.
E mais: na sentença (de 2007) houve embargos de declaração questionando o ponto agora rediscutido nos cálculos. O juízo e o tribunal (este, em 2009) afirmaram que os embargos (no ponto) eram inadmissíveis pois a decisão havia resolvido a questão. E havia mesmo, com base em Súmula do TST. Agora, na homologação dos cálculos, o juízo sentenciante (o mesmo que havia dito que a questão estava resolvida) resolveu modificar tudo em desfavor do reclamante... E tente encostar o umbigo no balcão para pedir uma providência processual pendente de ação de servidor...
Vale quanto pesa ao contribuinte, Sr. Alex?
Por muito, muitíssimo menos (em desrespeito e em valores/contraprestação envolvidos) estas mesmas pessoas cancelam produtos e serviços de seus fornecedores...

Apagão ou Apagado?

J. Cordeiro (Advogado Autônomo - Civil)

Esta paralisação veio comprovar uma tese que defendo há tempos: se o Judiciário, de todas as esferas, for fechado numa 6ª feira e a mídia não disser nada só dias depois se perceberá que além do sempre não fazer nada ele resolveu, oficialmente, parar. Agora foi o "apagão" de quem sempre esteve apagado, desde o simples magistrado à Corte Maior. É o típico caso de quem não faz nada e reclama aumento de salário...

Em resposta ao O.E.O (Outros)

Alex Cardoso (Assessor Técnico)

Realmente deva existir processos tramitando na Justiça do Trabalho há mais de oito anos, vez que com os variados recursos ordinários, agravo de petição, recursos de revista, embargos, recursos extraordinários, agravos e agravos de instrumento, acrescente ai mais anos nessa sua conta.
Sobre as despesas com o funcionalismo do PJU, reafirmo, que estão realmente abaixo de teto que o ministério do planejamento define para o custeio. A grande questão é que o governo contingencia tais valores no orçamento para compor o superavit primária e depois repassar para o pagamento dos juros da dívida pública, e que no orçamento geral da união previsto para o ano de 2014 está destinado para o judiciário o percentual de 1,17% enquanto para o pagamento dos juros e amortização da dívida o montante é de 42,04%, sem falar que os contratos firmados para construção dos estádios da copa tiveram um reajuste de 10% neste ano, dai percebe-se onde o dinheiro público está sendo "torrado".
Em relação a produtividade, desde 2009 o CNJ vem estabelecendo metas, vem acontecendo as semanas nacionais de conciliação, a implantação do PJe, etc. E tudo isso não seria possível sem o comprometimento do corpo de servidores. O que queremos, em contrapartida do governo é sermos valorizados, termos uma data base, que o governo respeite a constituição, já houve uma época que ganhávamos menos que um salário mínimo e o governo fazia uma complementação para não recebermos abaixo do mínimo; para chegarmos ao patamar que chegamos hoje foi necessário muita luta, muitas greves, atos, paralisações, etc.
Por último digo que o grande problema são as perdas salariais acumuladas durante 7 anos, e a solução está com o governo que se recusa a sequer a negociar com a categoria, esse é o motivo do apagão.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 06/06/2014.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.