Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Justificação necessária

Decisão que recebe inicial de ação de improbidade deve ser fundamentada

O magistrado precisa fundamentar, ainda que de forma sucinta, o recebimento de petição inicial de ação de improbidade administrativa. O entendimento é da 1ª Turma do Superior Tribunal de Justiça, que anulou, por ausência de fundamentação, decisão que havia recebido ação de improbidade.

Consta do processo que um juiz do Rio Grande do Sul, ao receber a ação, limitou-se a dizer: “De acordo com os documentos, recebo a inicial. Cite-se.”

A ação foi proposta pelo Ministério Público do estado contra a Companhia Riograndense de Valorização de Resíduos (CRVR) e o ex-prefeito do município de Jacutinga, Dejanir Luiz Salcher, em razão de supostas irregularidades em processo de licitação.

Em sua defesa, a CRVR alegou que foi contratada sem licitação por causa de situação emergencial e negou a ocorrência de dano ao erário, já que prestou o serviço adequadamente e foi remunerada pelo preço de mercado.

A empresa recorreu para tentar anular o recebimento da ação, mas o tribunal de Justiça gaúcho manteve a decisão do juiz. Para os desembargadores, a fundamentação só é necessária quando se decide pela rejeição da petição inicial. “Para recebimento da inicial, basta a verificação dos elementos mínimos necessários ao ajuizamento da ação”, diz o acórdão.

No STJ, a decisão de segundo grau foi reformada. O relator, ministro Benedito Gonçalves, baseou seu voto no artigo 93 da Constituição Federal: “Todos os julgamentos dos órgãos do Poder Judiciário serão públicos, e fundamentadas todas as decisões, sob pena de nulidade.”

Segundo ele, o recebimento da inicial da ação de improbidade discutida no recurso precisaria ter apreciado, ainda que sucintamente, os argumentos apresentados pela CRVR em sua defesa prévia. Com informações da Assessoria de Imprensa do STJ.

REsp 1.423.599

Revista Consultor Jurídico, 21 de maio de 2014, 14h04

Comentários de leitores

1 comentário

Abusos da lei de improbidade

mfontam (Advogado Sócio de Escritório - Administrativa)

Ainda é muito pouco contra os abusos que estão sendo cometidos pelo MP através da Lei de Improbidade Administrativa, regras vagas que tem servido para enquadrar qualquer coisa. Disse o Ministro Gilmar Mendes que a história da Lei de Improbidade é uma história de improbidades no abuso de acusar. Infelizmente, o STJ tem sido muito tímido em coibir os abusos do MP. No caso, o mínimo que se poderia exigir é que a decisão fosse fundamentada. Impressionante que ainda teve um ministro que disse que a decisão não precisaria ser fundamentada, felizmente vencido. Uma sucessão de acusações genéricas e incertas, a Lei de Improbidade Administrativa tem se prestado ao "assassinato de reputações" e a uma justiça sensacionalista e de linchamentos morais. A justiça dos tribunais superiores deveria impor limites aos abusos que ocorrem em nome da Lei de Improbidade Adminstrativa.

Comentários encerrados em 29/05/2014.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.