Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Solução pacífica

Juiz marca audiência sobre ocupação próxima ao Itaquerão

O juiz Celso Maziteli Neto, da 3ª Vara Cível do Foro Regional de Itaquera, em São Paulo, marcou para o dia 23 de maio audiência de conciliação para discutir a situação da ocupação conhecida como Copa do Povo, a quatro quilômetros do estádio Itaquerão, que abriga cerca de 2,5 mil famílias. Devem participar representantes da empresa Inpar Projeto 47 SPE Ltda, dona do terreno, e do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto.

O juiz afirmou que, quando há possibilidade de solução pacífica, “há o evidente interesse público a impor a realização de tentativa de composição amigável, o que se dá com amparo legal (artigo 125, IV, do Código de Processo Civil)”.

O juiz tomou a decisão após analisar recurso do MTST contra liminar que autoriza a ação de reintegração de posse, concedida pelo próprio Maziteli Neto. “Analisarei eventual expedição de mandado de reintegração de posse nesta oportunidade, se não tiver até lá havido a já determinada desocupação da área, bem como não sobrevir acordo em relação ao objeto deste litígio”, disse.

A ocupação foi um dos temas discutidos no encontro de representantes do MTST com a presidenta Dilma Rousseff (PT) e o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), na tarde desta quinta-feira (8/5). A reunião aconteceu antes da visita da presidenta ao Itaquerão, que receberá a abertura da Copa do Mundo.

Haddad também defendeu a busca de uma solução pacífica para a situação. “Estamos em diálogo com o movimento e também com o proprietário. O que nós queremos é que as pessoas possam apresentar as suas reivindicações pacificamente”, disse.

Mais cedo, o movimento tinha mostrado disposição de resistir a um eventual despejo.“Não queremos outro massacre do Pinheirinho. Nem que a imagem da Copa do Mundo no Brasil seja definitivamente marcada por um conflito violento e massacre de trabalhadores sem-teto”, afirmou, em nota, o MTST. Com informações da Agência Brasil.

Revista Consultor Jurídico, 9 de maio de 2014, 16h32

Comentários de leitores

1 comentário

Estamos perdendo a batalha...

Marco 65 (Industrial)

E pior que perder, é perder para anarquistas...
Anarquistas que lideram movimentos iludindo gente humilde, sem instrução e sem acesso às informações do que se passa no mundo político.
Lula foi um deles... iniciou sua carreira, já dando prejuízo ao Estado e ao contribuinte, quando por falta de atenção ao trabalho perdeu um dedo. Em seguida, foi sempre a pedra do sapato da Volkswagem lá em São Bernardo do Campo. Greves e mais greves sempre com refrões de ordem que nada tinha a ver com salários; REFORMA AGRÁRIA!!!
A idéia plantada na cabeça do cidadão trabalhador, de que teria direito a uma terra (sem pagar nada), com financiamento do governo para produzir(sem ter que devolver o dinheiro), era a verdadeira apologia a anarquia que se iniciava...
Quando Lula virou Presidente, poucos notaram que sua eleição se deu em razão da massa trabalhadora nordestina e nortista que, sem acesso à informação, achava que Lula seria o protetor deles todos...
Eleito sem um plano de governo sequer, apenas com um Slogan do tipo " FOME ZERO", tratou de incrementar o BOLSA FAMILIA, que na verdade se transformou no BOLSA VADIAGEM.
FHC transformou o Brasil sem controle no Brasil sem inflação e com planos futuros... Lula aproveitou a deixa e reinou em cima de planos de seu antecessor.
Agora, com o País novamente entrando em crise profunda, ele (lula) vai deixar que a Presidente Dilma se arrebente, pagando pelos erros cometidos em seu desgoverno... E, em 2018, quando essa onda de crise passar, o PT vai voltar a reinar e Lula será aclamado o MÁGICO DO NADA...
Portanto, invasões do MTST hoje, são necessárias aos anseios do PT para 2018...
Só não contaram para os coitados dos iludidos pelo Bolsa Vadiagem....

Comentários encerrados em 17/05/2014.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.