Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Solução de conflitos

Reduzir demanda do Judiciário não vai prejudicar advocacia, afirma OAB

Por 

Após participar da primeira reunião do grupo de trabalho para debater a Estratégia de Não Judicialização (Enajud), o representante da Ordem dos Advogados do Brasil no grupo, Aldemar de Miranda Motta Júnior, afirmou que a iniciativa não trará prejuízos à advocacia nem aos consumidores. De acordo com ele, o que irá alterar é o modo como advogado atua, que passará a desempenhar uma função consultiva.

"Você jamais irá conseguir tirar do advogado a figura do conselheiro. O advogado é a primeira porta onde o cidadão bate. O advogado tem que ser capacitado e inserido nos novos tempos. A OAB está trabalhando no desenvolvimento dessas novas práticas de não contencioso. Com a desjudicialização de conflitos o advogado irá trabalhar de forma preventiva, que é a base da advocacia moderna", afirma.

Segundo Motta Júnior, que é presidente da Comissão Especial de Mediação, Conciliação e Arbitragem da OAB, as soluções alternativas de conflitos trazem benefícios ao advogado. "Além da satisfação do cliente, que é o nosso objetivo sempre, o advogado receberá mais rápido os honorários porque a solução é mais rápida", diz.

O Enajud foi lançado no início de julho pela Secretaria da Reforma do Judiciário, do Ministério da Justiça. O objetivo é reduzir o volume de ações que entra na Justiça anualmente. A ideia é, sempre que possível, substituir a disputa judicial, que pode se arrastar por anos, pelo diálogo e a negociação para solução de conflitos.

A proposta tem contado com o apoio de instituições públicas e privadas. Na última semana foram feitas as primeiras reuniões dos grupos de trabalho formados por representantes de instituições financeiras, empresas de telecomunicação e do setor varejista para debater a Enajud.

Também foi formado um grupo de trabalho formando por instituições como OAB, Conselho Nacional de Justiça, Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), Defensoria Pública da União (DPU), Advocacia Geral da União (AGU), Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), e tribunais de Justiça do Rio de Janeiro e de São Paulo.

Para a secretária de Reforma do Judiciário, Kelly Oliveira de Araújo, a proposta tem sido bem recebida por todos os envolvidos. "Para nossa surpresa não houve nenhuma resistência. Inclusive nós não esperávamos a adesão por parte das empresas varejistas nessa estratégia logo no primeiro momento. Há uma receptividade muito grande e o que observamos nessas reuniões é que já existe uma expertise por parte das empresas e dos órgãos públicos. Agora nosso desafio é trabalhar a difusão dessas boas práticas", afirma.

Responsáveis por representar o INSS, maior litigante do país segundo dados do CNJ, Tatiana Mesquita Nunes e Bruno Bianco Leal afirmaram que o Enajud irá auxiliar para que o órgão melhore as concessões administrativas e evite que os problemas cheguem ao Judiciário.

De acordo com eles, apesar do alto número de ações judiciais que tem o INSS como parte, a maioria das concessões são resolvidas administrativamente. "De acordo com nossos dados, 91% das concessões são administrativas. Além disso, temos um índice de resolutividade que mostra que 57% dos processos administrativos que chegam são resolvidos no mesmo dia", afirma Bruno Leal.

Tatiana Nunes aponta que há muitos casos que são levados diretamente ao Judiciário, sem nenhuma tentativa de resolução direta com o INSS. Para ela, nesses casos, é preciso que o Judiciário rejeite a ação para que o caso possa ser resolvido de maneira administrativa e o Enajud irá auxiliar nisso.

"Muitos tribunais já rejeitam a ação quando não há uma tentativa na esfera administrativa. Porém ainda há tribunais que aceitam essas ações. Precisamos mostrar para o Judiciário que o INSS tem mudado sua postura e que hoje tem um alto índice de solução de conflitos sem necessitar da Justiça", diz Tatiana.

Carlos Henrique Mendes Gralato, representante do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro no Enajud, elogiou a iniciativa da Secretária de Reforma do Judiciário e afirmou que isso irá fortalecer programas já existentes, como o Núcleo Permanente de Métodos Consensuais de Solução de Conflitos (Nupenec), criado em 2012. Ele espera que com o Enajud a resistência das empresas à solucão alternativa de conflitos diminua.

Além disso, Gralato observa que as empresas devem mudar algumas práticas. "É preciso mudar a filosofia nas empresas para que elas deixem de praticar aquilo que já está sedimentado na jurisprudência do tribunal. Muitas empresas continuam com essas práticas e já sabendo das condenações fazem mutirões apenas com o objetivo de reduzir o dano moral", afirma.

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 28 de julho de 2014, 9h39

Comentários de leitores

7 comentários

É mole?

João da Silva Sauro (Outros)

A quem busca iludir o representante ao afirmar que o "advogado receberá mais rápido os honorários porque a solução é mais rápida"?
O grosso da advocacia cobra honorários antecipados, porque sabe que não pode depender de honorários judicialmente fixados para sobreviver. Se a prestação de serviços é contínua, os valores continuarão sendo fixados com base em outros parâmetros.
No fim, a solução demandará muito mais tempo do que o modo judicial, com negociações e reuniões intermináveis buscando a tal da 'conciliação', que em 70% das vezes acabará em execução judicial, caso se sonhe com seu cumprimento. Anotem.

Advogado indispensabilidade a Justiça

Diego Francisco Noleto Nunes (Advogado Autônomo - Administrativa)

Vejo que os representantes buscam de toda forma possível retirar o advogado da busca pelo justo. A verdade e querem os cidadãos desguarnecidos de quem tem conhecimento técnico das leis,escritos com sangue e suor, vejam a quem representam os interlocutores : grandes varejistas, o maior litigante do país ... Preciso dizer algo mais?

Pessimísmo

preocupante (Delegado de Polícia Estadual)

Sem querer ser pessimista, mas realista, essa estratégia não funciona num país como o nosso. Não por outro motivo, mas pelo tipo de ação e pensamento que permeia a cabeça das pessoas envolvidas no processo, exceto a dos jurisdicionados que, em regra, quando procuram o judiciário já se encontram no limite da desesperança. Contando que mesmo no judiciário a vida do jurisdicionado se torna uma via crucis.
A praxe é que no âmbito administrativo o prejudicado sofre todo tipo de descaso e humilhações. Recorre ao judiciário porque não tem outra alternativa, onde também sofre muito com a demora já conhecida dos trâmites do processo. Isso piorando ainda mais com as decisões equivocadas que quase sempre consideram o reclamante/autor da ação um chato apenas porque procurou a justiça, desconsiderando o fato de que ele só procurou a justiça porque não teve mais alternativa. Por isso as decisões, sobretudo nos pedidos de danos morais, não concedem o pedido do autor, e quando concedem, são em valores insignificantes, sem nenhum efeito pedagógico, mesmo contra grandes empresas, como é o caso das prestadoras de serviços de telefonia. Com isso cria-se um ciclo vicioso cujo resultado é o aumento exponencial das demandas judiciais.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 05/08/2014.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.