Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Direitos Humanos

Pais que permitem mutilação genital
serão processados no Reino Unido

Pais que permitirem a mutilação genital em suas filhas serão processados, afirmou o primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, nesta terça-feira (22/7), durante conferência promovida pelo governo britânico e pela Unicef em Londres para debater a prática, que, na maioria dos casos envolve a remoção do clitóris, e o casamento infantil. As informações são do jornal Guardian.

O anúncio acontece um dia após um levantamento revelar que mais de 137 mil mulheres no Reino Unido e no País de Gales já foram submetidas ao procedimento. Segundo dados da City University e do grupo de defesa dos direitos humanos Equality Now, o número de vítimas cresceu consideravelmente nos últimos dez anos, com o aumento da chegada de pessoas vindas de países em guerra.

Segundo o estudo, o grupo mais afetado é formado por imigrantes com idades entre 15 e 49 anos (103 mil). O número de vítimas vindas do Chifre da África — região onde é comum a prática da forma mais extrema de mutilação — aumentou em 32 mil, ainda de acordo com o levantamento.

A medida faz parte de um pacote que visa acabar com a mutilação “definitivamente”. Cameron também lançará um programa de prevenção, com orçamento de 1,4 milhão de libras. Além disso, médicos, professores e assistentes sociais serão obrigados a denunciar a prática.

“Estamos tentando alcançar um objetivo simples e nobre, que é banir a mutilação genital e o casamento infantil forçado”, afirmou o primeiro-ministro. “O contexto é muito simples. É sobre igualdade. Sou pai de três crianças, duas meninas e um garoto. O que eu quero é que minhas filhas cresçam com todas as oportunidades que o meu menino tem”, acrescentou.

Revista Consultor Jurídico, 22 de julho de 2014, 14h36

Comentários de leitores

2 comentários

Bravo, Mr. Cameron!

Simone Andrea (Procurador do Município)

É a única medida correta num Estado civilizado. A violência contra as mulheres é barbárie indefensável e nada mais. "Relativismo cultural": se países como o Reino Unido, a França, o Brasil, aderissem a esse sofisma de má-fé, diriam "não" aos direitos humanos e estariam rasgando suas cartas de direitos internas, e abrindo mão de sua soberania.

Será que a Pena Capital...

Ian Manau (Outros)

... aos que consentirem nessa prática de mutilação genital, resolveria o problema?

Comentários encerrados em 30/07/2014.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.