Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Prerrogativa da advocacia

CNJ suspende exigência de comunicação prévia para sustentações no TJ-SP

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) suspendeu, liminarmente, a exigência de comunicação prévia para advogados que desejam sustentar oralmente suas razões em sessões de julgamento da Turma de Uniformização de Jurisprudência do Tribunal de Justiça de São Paulo. O prazo de cinco minutos para sustentação oral foi mantido.

O pedido de procedimento de controle administrativo foi feito pelo advogado Dirceu Augusto da Câmara Vale para impugnar dispositivos da resolução 589/2012 do TJ-SP. Ele afirma que o artigo 18, parágrafo único, e o artigo 22 prejudicam o exercício de prerrogativas profissionais da advocacia.

O artigo 18, em seu parágrafo único,  prevê que, não havendo requerimento fundamentado de sustentação oral nas 48 horas subsequentes à distribuição do pedido de uniformização na Secretaria da Turma de Uniformização, o julgamento poderá ser feito por meio eletrônico.  Já o artigo 22 afirma que é facultado às partes, por seus advogados, apresentar sustentação oral, desde que requerida na forma e prazo do parágrafo único do artigo 18, por cinco minutos, a critério do Presidente.

Decisão
A relatora no julgamento no CNJ foi a conselheira Gisela Gondin Ramos, que decidiu suspender os efeitos do disposto no artigo 18, parágrafo único, da Resolução 589, para garantir aos advogados o direito de requererem sustentação oral, independentemente de fundamentação, até o início da sessão de julgamento.

Gisela argumentou que o Estatuto da Advocacia, garante ao advogado a prerrogativa de fazer uso da palavra perante órgãos jurisdicionais e administrativos. “Além de não estabelecer qualquer diferenciação com relação à matéria em discussão, tampouco carrega a norma limitação de natureza temporal ao momento do exercício de tal prerrogativa. Merece repúdio qualquer determinação que limite o exercício da prerrogativa do causídico de requerer que lhe seja franqueada a palavra”, completou.

Para ela, a maneira de conciliar a necessidade de manter ordem nos trabalhos da sessão de julgamento e a prerrogativa da advocacia é estabelecer como termo final para a inscrição o início da sessão de julgamento, disposição já apontada em outro julgamento (PCA 0000284-81.2013.2.00.0000)).

Ela ainda lembrou que o Projeto de Lei do Senado Federal 166, de 2010, que institui o novo Código de Processo Civil, já aprovado pela Câmara dos Deputados, tem a mesma solução adotada nos precedentes do CNJ. O artigo 950, parágrafo 2º, do projeto prevê que “o procurador que desejar proferir sustentação oral poderá requerer, até o início da sessão, que seja feito o julgamento em primeiro lugar, sem prejuízo das preferências legais”.

Quanto ao pedido de sustação dos efeitos do artigo 22 do Regimento Interno da Turma de Uniformização do TJ-SP, Gisela negou a solicitação por causa das peculiaridades do microssistema jurídico-processual dos Juizados Especiais, mas o mérito será analisado. “As singularidades inerentes ao rito processual próprio do Juizado Especial, especialmente no exercício de jurisdição subjetiva, exigem a prudência de instalação do contraditório antes de qualquer juízo acerca do tema, a ser tratado, adequadamente, na análise do meritum causae”, apontou.

O TJ-SP foi intimado para que, em 15 dias, preste as informações necessárias. Também foi solicitada a inclusão do assunto na pauta da próxima sessão de julgamentos do Conselho Nacional de Justiça. 

PCA 0004205-14.2014.2.00.0000

Revista Consultor Jurídico, 21 de julho de 2014, 14h40

Comentários de leitores

3 comentários

Desvio de foco

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Denovo procurando cabelo em ovo, sr. Gustavo P (Outros). Quando o sr. vai nos prestigiar com algum comentário versando sobre o tema da reportagem?

Campanha para erradicação do analfabetismo

Gustavo P (Outros)

De novo ou denovo

A forma de escrita correta é de novo. A palavra denovo está errada, não existe. Nunca deverá ser escrita uma só palavra, mas sim duas palavras separadas, formando a locução adverbial de novo, que significa novamente, mais uma vez, outra vez.

Exemplos:

Professora, você pode explicar a matéria de novo, por favor?
Meu filho, não acredito que você fez isso de novo!
A praia estava maravilhosa hoje. Amanhã quero ir de novo.
Chamamos de locução adverbial duas ou mais palavras que juntas atuam como um advérbio, alterando o sentido do verbo. Neste caso a locução é composta pela preposição de e pelo adjetivo ou substantivo comum novo. A preposição de indica, nesta expressão, o modo ou a circunstância em que ocorre a ação. Existem outras expressões onde a preposição de estabelece essa mesma relação de modo, como por exemplo em: de rompante, de costas, de supetão, de todo,…

Fique sabendo mais!
Existem várias locuções no português que devem ser escritas de modo separado, que são facilmente confundidas pelos falantes, como: de novo, por isso, de repente, com certeza, a partir de, …

Até quando?

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Denovo violação às prerrogativas da advocacia. Denovo omissão da OAB/SP. Denovo advogado tendo que lutar sozinho para poder exerce a profissão.

Comentários encerrados em 29/07/2014.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.