Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Trabalho externo

José Dirceu recebe autorização para trabalhar fora da Papuda, em Brasília

Por 

Após o Supremo Tribunal Federal atender ao pedido para que José Dirceu possa trabalhar fora do presídio da Papuda durante o dia, na tarde desta terça-feira (1/07) a juíza Leila Cury, da Vara de Execuções Penais do Distrito Federal, autorizou o trabalho externo ao ex-ministro da Casa Civil.

Ele deve ser transferido da Papuda para o Centro de Progressão Penitenciária (CPP), onde os presos em regime semiaberto tem permissão para trabalhar, a qualquer momento. Ao determinar a transferência, a juíza cumpriu decisão do Supremo Tribunal Federal, que autorizou o benefício para Dirceu e outros condenados em regime semiaberto na Ação Penal 470, o processo do mensalão.

Dirceu vai prestar serviços no escritório do advogado José Gerardo Grossi, em Brasília. Ele vai atuar como auxiliar de biblioteca, fazendo pesquisa de jurisprudência de processos e na parte administrativa com salário de R$ 2,1 mil. A jornada é das 8h às 18h, com uma hora de almoço.

Negativa
Ainda na relatoria da Ação Penal 470, o processo do mensalão, o ministro Joaquim Barbosa negou o pedido formulado por Dirceu. Ele entendeu que o ex-ministro não poderia trabalhar fora da prisão por não ter cumprido um sexto da pena de 7 anos e 11 meses de prisão a que foi condenado, no regime semiaberto.

Acontece que o próprio procurador-geral de República, Rodrigo Janot, manifestou-se em sentido contrário ao de Barbosa: disse que o requisito de um cumprimento de um sexto da pena não é necessário, conforme decidido pelo Superior Tribunal de Justiça.

Em pedido de revogoção da decisão que cassou o benefício de trabalho fora da prisão para Dirceu e o ex-tesoureiro Delúbio Soares, Rodrigo Janot apontou não haver previsão legal que exija o cumprimento mínimo de pena para presos no regime semiaberto que desejam trabalhar.

A exigência indicada por Barbosa foi derrubada pela maioria do Plenário do Supremo. Agora relator da AP 470, o ministro Luís Roberto Barroso apontou que "a exigência objetiva de cumprimento de 1/6 da pena não se enquadra aos presos em regime semiaberto com o fim de trabalho externo".

Ele defendeu, também, que o trabalho externo possa ocorrer em empresas privadas. O voto de Barroso foi acompanhado os ministros Marco Aurélio, Teori Zavascki, Gilmar Mandes, Dias Toffoli, Ricardo Lewandowski, Carmen Lúcia e Rosa Weber. Apenas o ministro Celso de Mello pediu vênia para exigir que fosse cumprido, pelo menos, 1/6 da pena.

Desagravo
José Dirceu já havia recebido convite do advogado Gerardo Grossi para trabalhar em seu escritório, em Brasília. Mas como seu pedido foi negado, não pôde assumir. Na decisão monocrática que indeferiu o pedido, o então presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Joaquim Barbosa afirmou que a oferta era uma "action de complaisance entre copains" — ou ação entre companheiros, em tradução livre.

O posicionamento do ministro causou indignação entre os advogados. A OAB-DF organizou um ato de desagravo contra Barbosa e avaliou que Grossi foi injustamente criticado pelo ministro ao oferecer emprego em seu escritório. Em resposta ao ministro, Grossi disse ter se sentido lisonjeado pela ofensa feita no idioma francês.

“Não tenho como retrucar à agressão na língua de Proust. São muitos incipientes os meus conhecimentos do francês. Um deles, por certo apropriado, além de não ter uso recomendável em solenidades como esta, na França, tem duplo sentido: os atores de teatro o utilizam antes de começar o espetáculo para desejarem uns aos outros, uma boa sorte”, disse em referência à palavra merde.

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 1 de julho de 2014, 20h03

Comentários de leitores

2 comentários

Vergonha para a classe

Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório)

Me sinto enojado de ver que um advogado, correndo pelo acostamento, se sente orgulhoso de "empregar" em seu escritório um mensaleiro. Os iguais sempre se mereceram.

foi dada a largada do estado de ZONA total !

hammer eduardo (Consultor)

Apesar do palavrorio bonito tipico de quando se quer passar o outro para tras , podemos dar como oficial a largada do estado "esculhambativo de direito" atraves desta medida com direcionamento suspeito no quesito celeridade. Obvio que o grande "trabalho de ressocialização" que este elemento vai fazer se limitará a ficar o dia inteiro trepado no telefone e no computador mantendo viva a sua linha direta com os podres poderes que emanam do petralhismo calhorda , nada mais , nada menos.
O "ministru" libertario barroso vai cumprindo a risca o seu juramento de fé perante a petralhada , alias foi tão rapido no gatilho que nem esperou bem o Barbosão sair , show de açodamento da melhor capacidade. O procurador da republica tambem esta "seduzido" pelo esquema e nada podemos dele esperar , fecha-se assim o circulo vicioso do pudê pelo pudê em Brasilia.
O bacana agora vai ser plantar as equipes de reportagem na porta do tal escritorio em Brasilia para observar a peregrinação das ratazanas de variadas matizes que la comparecerão para a cerimonia oficial do beija mão , Don Corleone do filme de Coppola ficaria ruborizado de vergonha .A unica duvida que tenho , alias nem é duvioda mais , é CERTEZA da melhor qualidade , se refere apenas aos "demais" esquecidos pelo Brasil afora guardados atras do sistema carcerario aguardando algo da Justiça???????? certamente não contarão com tamanha celeridade em suas revisões de pena como estamos vendo agora desta maneira imunda e descarada , o pior é aturar a "trupe circense" dos adoradores do neo-ministro ex- dodoi que puxa peninha por onde passa. A cada dia nosso STF vai tomando a sua verdadeira face de tribunal de excessão para esta quadrilha imunda de pessoas idem.

Comentários encerrados em 09/07/2014.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.