Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

De castigo

Veja a lista das 23 empresas proibidas de fazer contratos com a Petrobras

Em meio à série de denúncias nascidas na operação “lava jato”, a Petrobras decidiu impedir que 23 empresas sejam contratadas e participem de novas licitações da companhia. No grupo de bloqueadas aparecem grandes empreiteiras, como Andrade Gutierrez, Camargo Corrêa, Galvão Engenharia, Mendes Junior, Odebrecht e Queiroz Galvão.

Todas foram apontadas como participantes de um cartel em depoimentos prestados à Justiça Federal no Paraná. A citação foi feita nas falas do ex-diretor de abastecimento da estatal Paulo Roberto Costa (foto), do doleiro Alberto Youssef e dos empresários Julio Gerin de Almeida Camargo (Grupo Toyo) e Augusto Ribeiro de Mendonça Neto (Grupo Setal). Dirigentes de algumas das empresas apontadas já viraram réus em ações penais.

A decisão foi tomada pela Diretoria Executiva em reunião promovida na última segunda-feira (29/12). Em comunicado aos investidores, a Petrobras diz que a adoção de medidas cautelares “tem por finalidade resguardar a companhia e suas parceiras de danos de difícil reparação financeira e de prejuízos à sua imagem”. Afirma ainda que “respeitará o direito ao contraditório e à ampla defesa” e que tem “compromisso pela ética e transparência nos seus negócios”.

A medida atinge as seguintes empresas:

1) Alusa
2) Andrade Gutierrez
3) Camargo Corrêa
4) Carioca Engenharia
5) Construcap
6) Egesa
7) Engevix
8) Fidens
9) Galvão Engenharia
10) GDK
11) IESA
12) Jaraguá Equipamentos
13) Mendes Junior
14) MPE
15) OAS
16) Odebrecht
17) Promon
18) Queiroz Galvão
19) Setal
20) Skanska
21) TECHINT
22) Tomé Engenharia
23) UTC

Fio da meada
A chamada operação “lava jato” foi deflagrada em março de 2014, focada a princípio em suposto esquema de lavagem de dinheiro e evasão de divisas que seria comandado por Alberto Youssef em Londrina (PR). A Polícia Federal apontou relação entre o doleiro e o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa, fazendo com que negócios na estatal virassem o centro da história.

Costa disse em depoimento que empresas fraudavam contratos e repassavam dinheiro para partidos. A afirmação levou a uma nova fase da operação, que prendeu representantes de empreiteiras em novembro. As ações decorrentes da operação — envolvendo réus sem prerrogativa de foro — são conduzidas pelo juiz Sergio Fernando Moro.

Clique aqui para ler o anúncio ao mercado.

Revista Consultor Jurídico, 30 de dezembro de 2014, 10h59

Comentários de leitores

3 comentários

Mas é só? __ e a administração? 02

Citoyen (Advogado Sócio de Escritório - Empresarial)

SERÁ QUE OS COLEGAS SABIAM QUE TANTO A PETROBRÁS COMO A VALE JÁ DERAM AVAL AO TESOURO NACIONAL, que, em outros tempos de inflação desenfreada, NÃO TINHA CREDIBILIDADE perante INSTITUIÇÕES e GOVERNOS ESTRANGEIROS? __ NÓS, brasileiros, conseguimos recuperar tudo isso, que é passado, mas, agora, com os caminhos da PETROBRÁS, e de outras, que a MÍDIA já mencionou, parece que estamos no caminho contrário, isto é, o TESOURO TERÁ QUE DAR, seja como ACIONISTA CONTROLADOR, seja como TESOURO da REPÚBLICA, garantia à PETROBRÁS. SERÁ QUE É O PRINCÍPIO do U´A MÃO LAVA A OUTRA? Será que vamos trilhar, agora, este caminho? __ Mas, volto ao assunto: QUEM, se for sério no SETOR PRIVADO, vai querer aceitar cargo no CONSELHO de ADMINISTRAÇÃO de uma estatal? __ DE AGORA EM DIANTE. TODOS OS MEMBROS DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DE ESTATAL SERÃO, DE AGORA EM DIANTE, POLÍTICOS? ISSO NÃO ERA ASSIM, NO PASSADO. UM dos participantes da DIGNA FAMÍLIA GUERDAU parece que foi envolvido na AÇÃO NOS ESTADOS UNIDOS, por ser membro do CONSELHO de ADMINISTRAÇÃO. REALMENTE, SERÁ DIFICIL PARA ELE SAIR DESSA, A MENOS QUE TENHA PROFERIDO VOTO CONTRÁRIO, NAS ASSEMBLÉIAS, OU DELAS NÃO TENHA PARTICIPADO, O QUE ESPERO. PORTANTO, MINHA PERGUNTA É: QUEM PODERÁ, de agora em diante, CONFIAR QUE NÃO SERÁ ENVOLVIDO NAS TRAMAS DE UM ACIONISTA CONTROLADOR, COMO A UNIÃO, "administrada" pela ELITE GOVERNAMENTAL, de AGORA EM DIANTE? SÃO QUESTÕES QUE EU GOSTARIA DE VER RESPONDIDAS, quando nada por ESPECIALISTAS EM DIREITO SOCIETÁRIO.

Mas é só? __ e a administração?

Citoyen (Advogado Sócio de Escritório - Empresarial)

SIM, nem discuto que a medida é providencial. MAS a pergunta que me faço e não consigo responder é: E O QUE SE PASSA COM A DIRETORIA E O CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO ATUAL E ANTERIORES? __ Tendo trabalhado para uma ESTATAL, anos atrás, SEI MUITO BEM QUE OS CARGOS de CONSELHO de ADMINISTRAÇÃO eram RESERVADOS aos MINISTROS e ELEVADOS CARGOS da ELITE GOVERNAMENTAL, ATÉ PARA COMPLEMENTAR REMUNERAÇÃO. É lógico, no BRASIL não há quem tenha servido POR IDEALISMO ao GOVERNO. Portanto, entrando num MINISTÉRIO, como MINISTRO ou SECRETÁRIO GERAL, o próximo passo era um cargo num CONSELHO de ESTATAL. DALI saía um COMPLEMENTO MENSAL de REMUNERAÇÃO. OCORRE, porém, que a LEI das SOCIEDADES ANÔNIMAS tem dispositivos que tornam os MEMBROS dos CONSELHOS RESPONSÁVEIS pelos ATOS DA ADMINISTRAÇÃO da COMPANHIA. E, no caso de ESTATAIS, o assunto era MAIS GRAVE, porque o CONSELHO era composto por AQUELES QUE, COMO MINISTROS, FALAVAM PELO TESOURO E, PORTANTO, PELA UNIÃO E, PORTANTO, PELO ACIONISTA MAJORITÁRIO, e, aí, no caso, ACIONISTA CONTROLADOR, tal como DEFINIDO no ART. 116 da LEI das S. A. . Ora, como integrante empregado de Estatal, NUNCA, JAMAIS vi um MEMBRO do CONSELHO de ADMINISTRAÇÃO de ESTATAL VOTAR EM DESACORDO COM O GOVERNO. A UNIÃO ERA representada pela PROCURADORIA da FAZENDA e, mais recentemente, não sei quem a representava E, PORTANTO, não OUSO dizer. MAS COMO FICAM ESTES? FICARAM NA EMPRESA? __ NÃO ME QUEIRAM MAL, MAS OS ESQUEMAS NAS ESTATAIS FUNCIONAVAM, e todos sabemos, na BASE do 1) OU VOCÊ ME DÁ O QUE EU QUERO ou 2) VOCÊ SERÁ AFASTADO. Minha pergunta é: QUEM PODERIA SER AFASTADO SE TINHA UMA FOLHA COM MAIS DE CINCO, DEZ MIL EMPREGADOS, DEPENDENDO dos CONTRATOS com ESTATAIS? E, POR ACASO, SERÁ QUE ALGUEM VAI ME DIZER? E OS ADMINISTRADORES?

Dinheiro público desviado, na Forbes...

Mig77 (Publicitário)

Na Revista Forbes aparecem alguns dos bilionários (as) brasileiros que são sócios(as) de algumas das empresas citadas.Espera-se, com louvor e admiração, que empresários de sucesso estejam na lista de bilionários.Ver nomes de herdeiros(as) de quem desde os tempos da ditadura formaram impérios com dinheiro público desviado é nojento.Ou a Petrobrás foi o 1º caso ? Srs promotores públicos federais sérios, listem as empresas públicas e comecem em ordem alfabética.Os senhores acharão desvios de muito dinheiro em todas !!!É só trabalhar !!!

Comentários encerrados em 07/01/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.