Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Novo comando

Defensor público-geral do Rio assume cargo na próxima segunda-feira

A Defensoria Pública do Rio de Janeiro estará sob novo comando a partir da próxima segunda-feira (5/1). Neste dia, o governador Luiz Fernando Pezão empossará o defensor André Luís Castro, que assumirá a instituição pelos próximos dois anos. Ele foi o primeiro colocado na lista tríplice votada pela categoria, em eleição que ocorreu em novembro. A posse será às 16h, na sede da Defensoria, no Centro do Rio. 

Castro afirmou que investirá na gestão. De acordo com ele, uma das principais conquistas sociais nos estados democráticos é a constitucionalização do direito de acesso à Justiça. Para aperfeiçoar a atuação da Defensoria Pública do Rio na prestação de assistência jurídica integral e gratuita àqueles que não podem pagar honorários de advogado e custas judiciais, ele explicou ser indispensável modernização e melhora da estrutura de atendimento a população, especialmente no interior. Ele disse que também pretende trabalhar para ampliar as formas extrajudiciais de solução de conflitos.  

O novo  defensor público-geral do Rio ingressou na instituição em 1998 após ser aprovado em primeiro lugar em concurso. Com 41 anos, destacou-se pela atuação no Núcleo de Defesa do Consumidor da Defensoria, onde promoveu ações individuais e coletivas, assim promoveu soluções pela via extrajudicial. Atualmente, ele ocupa o cargo de Diretor de Relações Institucionais da Associação Nacional dos Defensores Públicos, entidade que presidiu por dois mandatos, entre 2009 e 2013. Com informações da assessoria de imprensa da Defensoria Pública do Rio de Janeiro

Revista Consultor Jurídico, 30 de dezembro de 2014, 9h26

Comentários de leitores

2 comentários

Defensor Público Geral

Mauro Castro & Advogados Associados (Advogado Associado a Escritório)

Parabéns Dr. André Luís.

pobre não vota e nem comprovam a pobreza

analucia (Bacharel - Família)

pobre não vota e nem comprovam a pobreza, ou seja, exploram os pobres em benefício próprio.

Comentários encerrados em 07/01/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.