Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Esperando o Senado

Especialistas falam sobre pontos mais polêmicos do novo CPC

Por 

O novo Código do Processo Civil deve ser votado nesta terça-feira (16/12) pelo Senado Federal. Segundo especialistas ouvidos pela revista eletrônica Consultor Jurídico, o novo código pode atingir pontos importantes, como a figura jurídica dos embargos infringentes, o texto que define se a penhora online de devedores pode ou não ser feito diretamente pelo juiz de primeira instância ou, ainda, o fim da figura da separação judicial.

Segundo o professor Antônio Cláudio Costa Machado (foto), os embargos infringentes como técnica processual — ou seja, um dispositivo que possibilita a reavaliação de uma decisão que foi decidida por maioria  — são considerados um ganho. Sua extinção, diz, pode ser considerado um retrocesso.

Machado argumenta que, no Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, apenas 2% das decisões chegam nessa situação. “No entanto, quando ocorre, há reversão de 50% dos casos”, afirma o advogado. “Esse negócio é muito bom, porque aperfeiçoa a decisão do tribunal.”

Segundo o professor, também é preocupante a permissão que o novo texto dá ao juiz para fazer a penhora de bens sem dar ciência prévia às partes. “Com essa possibilidade, os juízes serão deuses”, afirma.  Machado diz que mesmo a possibilidade de eliminar a parte “sem dar ciência prévia” do texto poderia criar novos entendimentos jurisprudenciais.

O advogado José Miguel Garcia Medina (foto) concorda com a preocupação do colega. Segundo ele, há consequências ainda mais graves. Medina — que participou da comissão de juristas que construiram o novo projeto do CPC—argumentou, ainda no início do ano, sobre a dificuldade de se compatibilizar o inciso XXXV do artigo 5° da Constituição — segundo o qual a lei não excluirá da apreciação do Poder Judiciário lesão ou ameaça a direito — com uma parte do projeto do novo CPC que impede execuções de bloqueios financeiros. “E se, para realizar concretamente um direito fundamental ameaçado de lesão, a única medida executiva adequada for o bloqueio de ativos financeiros?”, questiona.

O advogado Costa Machado aponta que o projeto pretende eliminar a figura da separação judicial, segundo interpretação que juízes fazem da Emenda Constitucional 66/2010 — que prevê a dissolução do casamento pelo divórcio. No entanto, diz o advogado, a norma não acaba com a separação judicial, apenas permite o divórcio sem ela. A nova interpretação, prevista no projeto de CPC, precisa ser feita no Código Civil, não no Código de Processo Civil, avalia Machado.

José Miguel Garcia Medina, no entanto, afirma que alguns pontos do projeto deverão apenas ratificar, de fato, aquilo que é já estabelecido pela jurisprudência do processo civil, o que ele acha importante.

*Notícia alterada às 18h46 de 16 de dezembro para acréscimos e correções de informações.

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 16 de dezembro de 2014, 18h07

Comentários de leitores

3 comentários

Codigo viciado

CAJORGE (Advogado Autônomo - Criminal)

Aprovado por um Congresso Nacional corrupto e incompetente. Qual sua credibilidade??? Vira a fortalecer o forte e os corruptos.

Calma!

Renan da silva fernandes (Servidor da Secretaria de Segurança Pública)

Para o texto ter uma credibilidade maior deveria ter ouvido outros "especialistas" fora da advocacia.

Outras omissões do novo CPC

Bruno Kussler Marques (Advogado Autônomo - Internet e Tecnologia)

O "novíssimo" CPC também não faz uma menção sequer ao processo judicial eletrônico ou muito menos fala da necessidade da celeridade em casos que digam respeitos a antecipação de tutelas em questões relativas a acontecimentos em ambientes eletrônicos. Seria um código aceitável se estivesse sendo promulgado do jeito que foi feito em 1988, para 2014 ele já nasce terrivelmente e anacronicamente defasado, um exemplo disso é que o "novo" CPC fala de telegrama, coisa que praticamente já caiu em desuso.

Comentários encerrados em 24/12/2014.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.