Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Cálculo retroativo

Contagem de prescrição só começa com recebimento da denúncia, diz STF

A contagem de tempo para o Estado punir um criminoso vale a partir de quando a denúncia é recebida, e não mais com base na data em que o crime foi cometido. A regra, fixada pela Lei 12.234/2010, foi considerada constitucional pelo Plenário do Supremo Tribunal Federal na última quarta-feira (10/12), como uma estratégia do legislador para evitar a prescrição.

A Defensoria Pública da União buscava o reconhecimento da prescrição da pretensão punitiva a um militar condenado a um ano de prisão por ter furtado a motocicleta de um colega de farda. Como a denúncia só foi recebida dois anos depois do fato, a Defensoria alegava que o réu não poderia ser mais punido.

Até 2010, o condenado podia usar a pena aplicada como parâmetro para calcular a prescrição entre a data do fato e o recebimento da denúncia. Mas o Superior Tribunal Militar negou o pedido, porque a Lei 12.234/2010 extinguiu essa regra, ao alterar o parágrafo 1º do artigo 110 do Código Penal.

Em Habeas Corpus apresentado ao Supremo, a DPU queria que a corte declarasse a inconstitucionalidade dessa mudança, por entender que a lei “trouxe um alargamento exagerado que fere a razoável duração do processo” e viola os princípios da razoabilidade, da proporcionalidade e da segurança jurídica.

Já o relator do processo, ministro Dias Toffoli (foto), avaliou que a alteração legislativa é constitucional, justa e eficaz, pois “veio a se adequar a essa realidade material do Estado na dificuldade de investigar e apresentar uma denúncia a tempo”, reduzindo a probabilidade de que o responsável pelo crime deixe de ser punido.

Tempo flexível
Toffoli avaliou que “os limites temporais da investigação (...) não podem ser condicionados a um prognóstico de imposição de pena no mínimo legal”. “Para bem cumprir sua finalidade, a investigação poderá demandar o tempo que se fizer necessário para a apuração do fato, suas circunstâncias e autoria, respeitado o prazo de prescrição pela pena máxima em abstrato cominada ao delito”, afirmou em um longo voto de quase 50 páginas.

O ministro disse ainda que o legislador tem “legitimidade democrática para escolher os meios que reputar adequados para a consecução de determinados objetivos, desde que não lhe seja vedado pela Constituição e nem viole a proporcionalidade”.

A decisão foi por maioria de votos, vencido o ministro Marco Aurélio. Ele considerou que o Estado deve oferecer infraestrutura à policia judiciária, ao Ministério Público e ao Judiciário, de forma a viabilizar a eficácia do direito que o cidadão tem de ver o término do processo em um prazo razoável. Com informações da Assessoria de Imprensa do STF.

Clique aqui para ler o relatório e o voto do ministro Toffoli.
HC 122.694

Revista Consultor Jurídico, 11 de dezembro de 2014, 10h56

Comentários de leitores

13 comentários

Parabéns, Min. Toffoli

Adevalle (Administrador)

Mais um passo para acabar com a impunidade. Aliás, enquanto certos ministros não se aposentarem, ela sempre existirá. Para esses, valem mais as ideias virtuais do que a realidade palpável. Prover polícia, o MP e a Justiça com os meios necessários... Talvez no ano 3.000

Bingo

Gusto (Advogado Autônomo - Financeiro)

Finalmente, o Sr. Toffoli deu uma dentro. Corretíssimo o posicionamento, com o fim claro de amenizar os efeitos da maldita impunibilidade que se instalou neste País. Os vagabos criminosos, astuciosamente orientados por seus "juristas" de porta de cadeia, faziam de tudo para protelar a persecução penal com o exato objetivo de alcançar a prescrição. Acabou a esperteza sorrelfa.

Corretor ortográfico

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Obrigado pela tentativa de correção, sr. Prætor (Outros), pois é sempre bom ter um leitor assíduo e atento aos comentários. Porém, devo alertá-lo que não se trata de um erro de gramática, mas de uma alegoria visando dar à expressão uma conotação tipicamente popular com um erro proposital. O sr. não atentou para o fato de que a palavra foi usada entre aspas.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 19/12/2014.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.