Consultor Jurídico

Artigos

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Descrédito e Vergonha

CPI não deve escamotear os fatos para encobrir pessoas envolvidas

Por 

O escândalo que irrompeu nas atividades da CPI da Petrobras em consequência da denúncia da revista Veja, concorre para um retrospecto da importância daquele órgão na sindicância de assuntos de sua competência e sujeitos à fiscalização do Congresso.

A montagem daquele circo, permitindo que os inquiridos soubessem de antemão quais os temas sobre o que iriam depor, extrapola os limites da razoabilidade, devido aos artifícios constrangedores postos em prática.

Os poderes investigatórios da CPI são os mesmos conferidos aos magistrados no curso da instrução penal, observadas as mesmas restrições constitucionais impostas ao Judiciário. A oitiva de testemunhas, incluindo a possibilidade de sua condução coercitiva, é uma das formas de obtenção de um resultado produtivo de interesse da sociedade.

Sempre que ocorrer infringência aos princípios de probidade em que se assenta o Estado de Direito, a soberania popular será fatalmente golpeada na norma pela qual “todo poder emana do povo, que o exerce por meio de seus representantes eleitos ou diretamente, nos termos desta Constituição” (art. 1º, parag. único).

Daí o respeito que a CPI deve ter aos direitos maiores e à fundamentação e publicidade de seus atos.

No cumprimento dessa atuação pública, não deverá escamotear os fatos apurados com o propósito de encobrir procedimentos traiçoeiros, por mais poderosas que sejam as pessoas envolvidas.

À CPI compete, por força do artigo 58 da Lei Maior, entre outras finalidades, convocar autoridades e “... Ministros de Estado para prestar informações sobre assuntos inerentes a suas atribuições”.

Essas informações deverão estar embasadas em fatos concretos, vedado qualquer subterfúgio que importe em estratagema destinado a impedir que a Comissão atinja a sua finalidade.

A pantomima instaurada na CPI da Petrobras tinha por escopo apurar, entre outros, o desregramento que imperava no seu Conselho de Administração, que à época da aquisição da refinaria de Pasadena era presidido por Dilma Rousseff.

As provas até agora conhecidas, num país sério importariam na adoção de medidas enérgicas e imediatas contra os atores dessa velhacaria. Dela participaram senadores que não se envergonham de enodoar os seus mandatos e que, diante da gravidade dos fatos, contentam-se em emitir notas falazes, na tentativa inglória de se livrarem da patifaria cometida.

A esta altura, ficou patente que na chamada “Câmara Alta” rastejam indivíduos da pior espécie que se prestam a qualquer interpretação enganosa, confiados na impunidade do prestígio adquirido, que os torna imunes à incriminação a que estarão sujeitos.

A Petrobras, que resultou de uma campanha histórica desenvolvida pelo povo, que confiava no seu futuro, não merecia estar manchada por expedientes solertes, como o ocorrido no Senado Federal.

A cada dia que passa, aumenta o desalento dos eleitores, em razão dos excessos divulgados pelos meios de comunicação. Mas, por outro lado, míngua a esperança de que os infratores sejam reprimidos, na medida em que se avizinha o pleito de outubro.

Este poderá proporcionar um abatimento ainda maior se permanecerem no poder aqueles que compactuam da desonra institucionalizada com que estamos convivendo.

 é advogado e conselheiro nato da OAB.

Revista Consultor Jurídico, 8 de agosto de 2014, 8h32

Comentários de leitores

4 comentários

A PaTrulha e os tempos difíceis que se avizinham...

Eududu (Advogado Autônomo)

As CPIs estão desmoralizadas há muito tempo, só vai cara de pau lá depor e não acontece nada.
Vejo apenas que esse clima de disputa eleitoral está demais por aqui na Conjur. Estão misturando tudo. Depois do texto sobre as "motivações não tão secretas da aposentaria do Joaquim Barbosa" e respectivos comentários, então, nem se fala. Parece que todo mundo ou é ou tem que ser um militante partidário.
Hoje, logo no primeiro comentário já "atravessaram o samba" para falar do Aécio Neves e o tal aeroporto na fazenda do tio. Mas o assunto do texto é a CPI da Petrobrás e o "gabarito" que foi entregue aos depoentes! Quer falar de aeroporto, tudo bem, mas o assunto aqui é outro.
Parece aquela PaTrulha chata e inoportuna de sempre.

Nada de novo

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Nenhuma novidade. Toda a atuação do Estado brasileiro é voltada a acobertar aliados e perseguir desafetos. É assim na atividade de juízes, membros do Ministério Público, delegados, e todos os demais. A República brasileira é uma farsa, pois aqui ainda predomina a regra do "amigo do rei".

E em alguma outra cpi foi diferente ?

Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório)

Á bem da verdade, é preciso que se diga, e de plano, que as CPIs, no Brasil, nunca serviram para nada, exceto o "acobertamento" e/ou "amaciamento" das questões por ela tratadas, com um único escopo de que não saíssem do "âmbito" nem do "controle" das mesmas comissões, ou, na pior das hipóteses, quando vislumbrado que isso não seria possível, então para "ensaboar" as questões a fim de que escorregassem melhor nas mãos do Judiciário, dele também escapulindo, sem maiores incursões sobre o mérito e muito menos em apontar eventuais culpados. É claro que elas existem também em outras paragens menos corruptas do nosso planeta e, aí sim, têm a finalidade que lhe é (ou deveria ser) peculiar: APURAR OS FATOS E IDENTIFICAR OS CULPADOS. Longe disso, contudo, estão as nossas C.P.I.s tupiniquins, até porque os seus membros, que hoje INDAGAM aos "convidados depoentes", amanhã certamente estarão na berlinda, na condição de "INDAGADOS", (a menos que morram antes, já que não largarão o osso enquanto vivos), considerando que da totalidade dos congressistas 102% estão altamente comprometidos com a ilicitude (os 2% que sobejaram são os serviçais daquela Casa: manobristas, garçons, ascensoristas e até mesmo o cão pastor alemão, que fica na garagem do Congresso, e que, a boca pequena, comenta-se seja testemunha ocular de negociatas tenebrosas entabuladas ali mesmo, no páteo. Por isso escolheram essa raça, ABSOLUTAMENTE FIEL AO(S) DONO(S).

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 16/08/2014.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.