Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Justiça estadual

União não responde por erro médico em hospital do SUS

O Tribunal Regional Federal da 1ª Região manteve decisão de primeira instância que isentou a União de eventual responsabilidade por suposto erro cometido por um médico da Sociedade Beneficente Santa Casa de Misericórdia de Cuiabá, em Mato Grosso, e determinou que o caso deve ser julgado pela Justiça comum.

Após figurar como ré em ação de indenização apresentada por um paciente, a Santa Casa propôs “denunciação da lide” ao Sistema Único de Saúde (SUS) — situação jurídica em que o denunciado, conforme prevê o artigo 70 do Código de Processo Civil, pede a responsabilização de um terceiro pelo eventual prejuízo da perda da causa.

“Não possui a União Federal legitimidade para figurar no polo passivo de ações em que particular visa pagamento de indenização por danos materiais e morais em decorrência de erro médico, ainda que cometido em hospital conveniado ao SUS”, destacou a relatora do recurso, juíza federal convocada Hind Ghassan Kayath, da 6ª Turma.

A decisão está baseada em julgados do Superior Tribunal de Justiça e do próprio TRF-1. Em 2008, o desembargador federal Souza Prudente já havia decidido, monocraticamente, no mesmo sentido. Ao apreciar o primeiro recurso da Santa Casa que chegou ao tribunal, o juiz invocou o artigo 109 da Constituição, que designa aos juízes federais o julgamento de causas em que a União for interessada na condição de autora, ré, assistente ou oponente.

“No caso concreto [...] não há como assentar o interesse da União, salvo na hipótese de assistência simples, que deve ser espontânea”, assinalou Souza Prudente. Com isso, uma eventual responsabilização do poder público ao pagamento de indenização recairia “sobre a Unidade da Federação [Mato Grosso], em face da descentralização da gestão e execução do Sistema Único de Saúde”, afirmou.

Na ação que corre em primeira instância, a paciente pede indenização de R$ 200 mil, por danos morais e estético, e lucros cessantes no valor de R$ 142 mil, podendo ser substituídos por pensão vitalícia de R$ 1.044 mensais a título de danos materiais.

O alegado erro médico teria ocorrido em 2004, quando a vítima começou a tratar um problema na hipófise, diagnosticado durante consulta que descartou a suspeita de gravidez. Após a intervenção cirúrgica, a paciente voltou a sentir fortes dores de cabeça e precisou submeter-se a nova cirurgia, ocasião em que contraiu meningite no hospital. A doença resultou em graves sequelas principalmente no paladar, no olfato, na visão, no equilíbrio, na memória, na autoestima e na fertilidade. Com informações da Assessoria de Imprensa do TRF-1.

Processo 0037634-84.2008.4.01.0000

Revista Consultor Jurídico, 19 de março de 2013, 17h14

Comentários de leitores

1 comentário

União não responde por erro médico em hospital do SUS

PLÍNIO FIRMINO (Advogado Autônomo - Civil)

Achei pífia a argumentação que excluí da lide a União.
1º) O paciente pagou a Santa Casa? Não.
2º) Foi diagnosticado pelo SUS? Sim.
3º) A Santa Casa foi apenas intermediária do serviço ofertado pelo SUS? Sim. Conclusão, fora outros questionamentos vai pagar por pseudo erro que não cometeu e que é de responsabilidade da União. Essa indenização causa dano à Santa Casa local, e prejudica diretamente Cuiabanos (mais necessitados) que a procuram. Deverá apresentar REsp. ao STJ.

Comentários encerrados em 27/03/2013.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.