Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Incêndio no apartamento

Morre desembargador José Ricardo Areosa, do TRT-RJ

Desembargador José Ricardo Damião de Araujo Areosa [TRT-RJ]O desembargador do Tribunal Regional do Trabalho do Rio de Janeiro José Ricardo Damião de Araujo Areosa (foto) e sua mulher, Cristiane Teixeira Pinto, morreram na noite deste domingo (3/3), durante incêndio no apartamento do casal, no Leblon, no Rio de Janeiro. O incêndio, de causas ainda desconhecidas, destruiu o apartamento 401, que fica no último andar do edifício Tanger, na Rua General Venâncio Flores. As informações são do portal G1.

Segundo relatos, para fugir das chamas, o casal se jogou de uma das janelas do apartamento. Na queda, o desembargador morreu na hora. Sua esposa chegou a ser socorrida com vida, mas não resistiu aos ferimentos, morrendo no hospital. Testemunhas dizem ter havido atraso na chegada dos bombeiros e, quando eles chegaram, perderam mais tempo porque não havia água no hidrante em frente ao prédio.

O Corpo de Bombeiros informou, por meio de nota, que o atendimento levou apenas seis minutos, a partir do momento em que a solicitação foi feita. Segundo eles, o acionamento ocorreu às 23h24 e os agentes chegaram ao local às 23h30, mas tiveram dificuldade para acessar o apartamento pela porta blindada, com quatro trancas. Os bombeiros destacaram, também, que o hidrante presente na rua estava inoperante, o que dificultou o trabalho, mas não impediu o combate às chamas, já que foi utilizada água do prédio vizinho.

A Companhia Estadual de Águas e Esgotos (Cedae) enviou uma equipe ao local e informou que o hidrante possui água suficiente para apagar o incêndio. A concessionária disse, ainda, que os agentes dos bombeiros é que não teriam sabido operá-lo.

José Ricardo Damião de Araújo Areosa tinha 57 anos e foi nomeado juiz do Trabalho Substituto do Regional em 1990, assumindo a titularidade da 2ª Junta de Conciliação e Julgamento de Duque de Caxias três anos depois. Foi promovido a desembargador do Trabalho em 13 de outubro de 2005 e fazia parte da 10ª Turma e da Seção Especializada em Dissídios Coletivos (Sedic) do Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região. Com informações da Assessoria de Imprensa do TRT-1.

Revista Consultor Jurídico, 4 de março de 2013, 11h52

Comentários de leitores

5 comentários

igualdade

senso de justiça (Advogado Autônomo - Dano Moral)

Lamentável o fato ocorrido. Entretanto vemos o mesmo ocorrer com outros brasileiros, que não tem título, mas trabalham, votam, pagam imposto de renda, etc. Quando é que a constituição será aplicada no tocante a todos são iguais perante a lei?

A morte do desembargador

cristina (Outros)

Espero que a policia se digne a investigar a omissao de socorro que eu sofri tambem, afinal de contas, tambem pago o salario deles, da policia e do desembargador com todo o respeito a falta de sorte dele.

Socorro ao desembargador jose areosa

cristina (Outros)

Engracado. Como ele era desembargador a policia logo vai investigar o furo de socorro dos Bombeiros; pois quando eu passei super mal enquanto em visita ao Rio, ano passado, e a policia chamou os bombeiros a meu pedido eles nao vieram. Ate hoje, nao me responderam o porque de nao aparecerem em 40 minutos de espera. Isso e uma prova de que no Brasil as pessoas sao discriminadas pelas proprias autoridades que cobram a nao discriminacao. Isso prova que a nossa Constituicao na vale de nada. Eta paisinho hipocrita. E por isso que virei cidada do mundo; nao respeito mais as insituicoes furadas desse pais, e vou torcer para o Brasil perder a Copa e revelar a sua verdadeira faceta de pais nao serio e amador no que faz.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 12/03/2013.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.