Consultor Jurídico

Artigos

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Divisão de tarefas

Justiça não tem condições de gerenciar a conciliação

Por 

[Artigo originalmente publicado no jornal Hoje em Dia]

Em novembro próximo, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) acertadamente promoverá em todo o país mais uma importante Semana Nacional da Conciliação, convocando os magistrados, advogados, servidores, e todo o Judiciário a divulgar e trabalhar pelo instituto da conciliação, disseminando na população essa ideia como um eficiente meio para solução de conflitos a evitar uma demorada sentença.

De fato, um bom acordo é sempre melhor do que a demanda, ante a incerteza da futura decisão judicial. E cabe registrar, no passado, no Brasil, aquém do Poder Judiciário sempre tivemos a figura do juiz de Paz eleito pela população para a missão específica de conciliar de forma institucional e informal, que desempenhavam muito bem essa tarefa. Porém, no governo militar a Constituição de 1967 extinguiu essa função de conciliador e a eleição.

Após a alteração dos artigos 125 e 331 do CPC na década de 1990, o surgimento da Lei 9.099/95 dos Juizados Especiais e da Lei 9.037 da Arbitragem, os institutos da conciliação, transação, arbitragem e mediação se fortaleceram, ganhando maior espaço no mundo jurídico apesar de setores da OAB, naquela época, terem protestado contra a aprovação da Lei dos Juizados Especiais.

No meu livro As Faces Ocultas da Justiça (Editora Del Rey), publicado há 12 anos, quando a ideia da conciliação era mal vista e criticada, registrei na folha 56 que: “... as Faculdades de Direito não se prepararam para ensinar ou estimular uma prática judiciária conciliatória ... para as técnicas de conciliação e mediação (...). Pela cultura predominante, o mais importante é demandar, ter argumentos e conhecimentos jurídicos para debater teorias, pouco importando com a solução prática do problema...”

De outro lado, se é verdade que o CPC há anos já prevê a conciliação das partes em juízo, tal instituto nem sempre foi devidamente valorizado. Agora, ante a explosão do número de demandas e a avalanche de processos sobre cada juiz, a conciliação está sendo uma das formas encontradas pelo CNJ e por muitos tribunais para aliviar esse grande número e um caminho para findar os processos.

Na condição de defensor da conciliação desde a primeira hora, ouso agora ponderar e trazer a debate uma reflexão sobre este novel trabalho atribuído aos magistrados e ao Judiciário, missão que antes era destinada ao juiz de Paz leigo.

O Judiciário gerencia uma estrutura muito cara e muito técnica, formada por juízes e servidores concursados preparados para decidir conflitos dentro do devido processo legal e já possui a jurisdição do Juizado Especial. A sociedade tem que avaliar se ao Judiciário é cabível mais este peso burocrático de estruturar também a conciliação informal, ou, talvez, tal gerência fosse mais apropriada para a Defensoria Pública (Poder Executivo), OAB, advogados, tribunais arbitrais e, sobretudo, os sindicatos com suas práticas bem reconhecidas e antigas.

Portanto, ponderamos ser mais apropriado ao Executivo e a outros entes da sociedade civil a tarefa de aparelhar grupos de conciliação nos bairros, nas comunidades, junto ao comércio, do que agregar ao Judiciário uma tarefa extra. Não que a conciliação não seja valiosa e necessária, mas porque, ante o alto número de audiências, ela está a desvirtuar a finalidade histórica e Constitucional que é esperada do Judiciário, pela população, as partes e a advocacia.

Ante o CPC e a Lei 9.099/95, um dever do juiz de Direito é tentar incentivar uma eventual conciliação entre as partes durante uma fase do processo, mas, outra, bem diversa — como está ocorrendo — é ver o Poder Judiciário direcionar sua estrutura (de modo não previsto na lei) a criar grupos de conciliação — e gastos — mediante publicidade, mas longe da sua missão e finalidade de 'produzir' decisões jurídicas técnicas, nos processos ajuizados pela população.

Assim, ao se dedicar à promoção informal da conciliação em massa, já começam a questionar se o Judiciário visa impedir a população e os advogados de ingressarem com processos judiciais. Dessa forma, a Justiça — supersaturada — estaria confessando uma inoperância, fraqueza operacional e quase falência da sua estrutura material e de pessoal. Melhor seria se vivêssemos um enfrentamento sem rodeios ou remendos de eventual crise processual, com uma atuação de maior coragem cívica, a superação e buscar soluções reais para tão grave problema institucional.

No Judiciário, trabalham uma magistratura composta por juízes togados, e não por conciliadores profissionais. Por isso, defendemos que esta nobre e virtuosa tarefa de conciliar em massa deva ser gerenciada sobretudo pela sociedade civil, talvez alicerçada em técnicos bem preparados, a Defensoria Pública (Executivo), a OAB, advocacia, juízes de paz, sindicatos e tribunais arbitrais (Lei 9.0397/96). Aliás, nos países mais cultos e democráticos do mundo, como os da Europa, Canadá e EUA, a procura pela arbitragem é uma prática forte e rotineira de sucesso, que, com isso, promove o Judiciário à condição de última opção ante as necessidades da população.

Além disso, o artigo 98 da atual Constituição Federal de 1988 prevê que o juiz de Paz leigo, eleito pela população para um mandato de 4 anos, deve “exercer funções conciliatórias sem caráter jurisdicional previstas em lei ”. Mas, embora o STF tenha julgado legítima tal eleição, já se passaram 25 anos de vida da Constituição e essa importante função do juiz de Paz — profissional da conciliação —, incoerentemente, sequer foi colocada em prática ou incentivada pelo poder público.

Por derradeiro, entendemos que a conciliação é um excelente meio de solução de conflitos, seja antes ou durante o processo, porém, sem que venha desvirtuar a finalidade e a missão do Judiciário, que é decidir tecnicamente, observado o Direito e respeitada a lei, quando assim solicitado pelas partes. Ante os seus parcos recursos orçamentários e a sua reduzida força material e de pessoal, o Judiciário não pode, sozinho, agregar para sempre mais esta gigantesca tarefa, por mais aplaudida que ela seja.

Portanto, que prevaleça a Constituição: juiz de Direito não é um juiz de paz! Aquele está apto à missão de julgar, ao outro é devido a bela tarefa de conciliar.

 é desembargador do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, coordenador da Escola Nacional da Magistratura (AMB), diretor da Escola Judicial da América Latina (EJAL) e ex-presidente da Associação dos Magistrados Mineiros (Amagis).

Revista Consultor Jurídico, 30 de outubro de 2012, 16h15

Comentários de leitores

2 comentários

Ao juiz dr. Edmundo

Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório)

Me desculpe, Excia., mas quem realiza as CONCILIAÇÕES, pré-processuais e/ou em segunda instância, são os advogados credenciados para isso perante o T.J. (pelo menos aqui em S.Paulo), em cumprimento ao Provimento 126 do C.N.J. Portanto, prestando um serviço 'voluntário', nós cuidamos das conciliações para vocês (juízes/desembargadores) quer nos Fóruns de 1ª Instância, quer nos Tribunais, e o que é mais importante, porém mais degradante: DE GRAÇA. Sds.

Lucidez

Edmundo (Juiz Estadual de 1ª. Instância)

Lúcido o artigo do Desembargador Doorgal. Também creio que o Poder Judiciário não é a instituição para conciliações, o que faz fugir o seu espirito de decisão. Aos integrantes do Poder Judiciário foi outorgado o poder de decidir os conflitos que não atenderam a uma mediação/conciliação. Órgãos extrajudiciais deveriam realizar as conciliações/mediações as quais, não obtidas, seriam remetidas, se assim as partes entenderem, ao Judiciário, para decisão. O Poder Judiciário é muito oneroso para desviar seus membros e funcionários para conciliação/mediação, quando tais atos poderiam ser realizados por outras instituições publicas ou privadas. Parabéns ao nobre Desembargador pela lucidez de seu artigo. Estaremos no aguardo de sua recepção por outras instituições.

Comentários encerrados em 07/11/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.