Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Onze por cento

Ex-ministro italiano investigado cita Nelson Jobim

O ministro italiano de Desenvolvimento Econômico no governo de Silvio Berlusconi, Claudio Scajola, está sendo investigado pelo suposto recebimento de comissões ilegais na mediação da venda de 11 navios militares ao governo brasileiro, informou nesta quarta-feira (24/10) o jornal Corriere della Sera. O pagamento de propina teria sido feito também por representantes dos governos da Índia, Panamá, Indonésia e Rússia. No caso do Brasil, o jornal italiano cita o ex-ministro de Defesa Nelson Jobim.

As revelações foram feitas por Lorenzo Borgogni, ex-diretor de Relações Institucionais da empresa Finmecanica, que é controlada pelo Estado italiano, aos juízes de instrução Vincenzo Piscitelli e Henry John Woodcock. Segundo Borgogni, "o canal entre a Itália e o Brasil era o próprio ministro Scajola, já que este, apesar de não ser titular da pasta de Indústria, tinha uma boa relação com o então ministro da Defesa do Brasil, Nelson Jobim".

"Se fechasse a venda dos 11 barcos (cinco fragatas, cinco escoltas e um navio de apoio), por um total de uns 5 bilhões euros, aproximadamente 11% deste valor seria destinado a Scajola e a Jobim, entre outros", publicou o Corriere della Sera.

O ex-presidente da Finmeccanica Pierfrancesco Guarguaglini, que renunciou ao seu cargo em dezembro de 2011 após a publicação de alguns escândalos vinculados a sua gestão, "estava disposto a pagar uma percentagem máxima de 3% do valor da venda".

"Esta percentagem seria paga através de um contrato estipulado com uma agência no Brasil e pago a uma pessoa indicada pelo ministro Jobim", revelou Paolo Pozzessere, outro depoente ouvido no inquérito conduzido pelos juízes. Segundo o jornal, a venda dos navios não foi concluída.

Revista Consultor Jurídico, 24 de outubro de 2012, 21h06

Comentários de leitores

7 comentários

MPJ (Procurador de Justiça de 2ª. Instância)

Observador.. (Economista)

Boa lembrança deste fato absurdo.Esta pessoa, em país sério, teria muito o que explicar.
Aqui foi presenteado com cargos em vez de sanções.

Só no Brasil

MPJ (Procurador de Justiça de 2ª. Instância)

Ele ainda se orgulha de dizer que inventou texto na Constituinte de 1988 sem que tenha passado pela Comissão de Sistematização...

Ridículos...

Johnny1 (Outros)

1-Os petralhas não se cansam de fazer papel de trouxas.
Antes negavam o mensalão.
Agora, querem que "os outros" também sejam condenados a qualquer custo, como se uma coisa "compensasse" a outra.
Puxa, o STF, composto majoritariamente por indicados da dupla Lula/Dilma, é tão cruel... Se a composição atual é ruim, agradeçam aos seus superiores ideológicos.
2-Pefer, vc se intitula "advogado civil". Não sei se o é, mas vá estudar penal antes de falar tanta bobagem. Isso serve pra vc também, "Leitor 1".
3-Ah, esqueci, vc são petralhas, não dá pra querer o impossível.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 01/11/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.