Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Febre na internet

Família Ourfali tenta impedir acesso a vídeo no YouTube

A família Ourfali, do garoto que ficou famoso após seu vídeo pessoal virar febre no YouTube, abriu um processo contra o Google para impedir o acesso ao conteúdo. Uma decisão de primeira instância da Justiça paulista negou a liminar, mas determinou que o Google se manifeste sobre a possibilidade técnica de atender ao pedido do autor. O conteúdo foi criado para o bar-mitzvá do adolescente, cerimônia que marca a maioridade do homem judeu, aos 13 anos. As informações são do portal UOL.

“É para mim duvidosa a possibilidade técnica de retirada da internet de todos os caminhos de acesso que a essa altura se estabeleceram ao vídeo em questão, sendo certo que disseminação descontrolada de conteúdo é característica da internet”, diz a decisão publicada no dia 26 de setembro no “Diário Oficial do Estado de São Paulo”, em que não consta o nome do juiz.

Em uma decisão anterior do mesmo fórum, publicada oficialmente no dia 21 de setembro, o juiz pedia que fosse esclarecido o conteúdo do vídeo que estaria causando “sérios transtornos à vida do autor”.

Processo 583.00.2012.192672-8/000000-000

Assista ao vídeo:

Revista Consultor Jurídico, 10 de outubro de 2012, 22h10

Comentários de leitores

1 comentário

Prendam de novo!

Gilberto Strapazon - Escritor. Analista de Sistemas. (Consultor)

Além de ter virado mais um fiasco na internet, é interessante observar que estão pedindo até indenização. Por causa de um vídeo que eles mesmos colocaram para acesso publico no Google. O problema, além da questionável demonstração explícita de tentar jogar a culpa nos outros pelos próprios atos e ainda por cima, querer cobrar por isto e faturar uma grana fácil é que pode acontecer a infeliz coincidência do caso cair nas mãos daquele questionado juiz (que deveria se aposentar ou fazer uma ampla reeducação e atualização social e tecnológica) que mandou prender o presidente do Google por desobedecer uma ordem absurda e questionável da primeira a última linha (sentença abusiva e pura demonstração de abuso de poder na minha opinião... ops, posso ir preso por falar de algo feudal?). Fechem o Youtube e prejudiquem milhões por causa de um. Prendam o presidente da companhia de energia elétrica porque algum espertalhão levou um choque ao enfiar o nariz na tomada (citando Woody Allen). Imagino a cena seguinte: caso favorecidos pelos descalabros resultantes de poder processar (e faturar) alguém pelos seus próprios erros, começarão a surgir processos de todo tipo para faturar em cima de: "mudou de idéia, processe os demais e ganhe um dindim...". O mínimo que esta família deveria receber, é uma admoestação bem dura pela imbecilidade e evidente ato de má-fé por atrapalhar o judiciário e tentar faturar nas costas dos outros. Se tivessem ficado quietos e simplesmente retirado o vídeo do ar sem fazer alarde, o mesmo sumiria rapidamente. Mas propositadamente chamaram a atenção para si tentando se passar por vítimas e com isto ganharam uma publicidade merecida: a de quem tenta se aproveitar dos outros.

Comentários encerrados em 18/10/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.