Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Sem filas

OAB-SP quer implantar voto por computador

Por 

Passada mais uma eleição feita em cédulas de papel na seccional paulista da Ordem dos Advogados do Brasil de São Paulo, o presidente da entidade, Luiz Flávio D’Urso, afirmou que irá instalar, nesta sexta-feira (30/11), uma comissão de estudos para implantação do voto por computador. As votações na última quinta-feira (29/11) fizeram com que o eleitor enfrentasse filas de até 40 minutos e tiveram demora na apuração — que até a tarde de sexta-feira ainda não estava concluída. 

“Não quero mais este sacrifício da votação manual que passamos agora", afirma o presidente da entidade. Segundo D'Urso, o anúncio foi feito somente depois das votações "para não haver exploração como se esta fosse uma medida eleitoral”.

Ele justifica a medida afirmando o números de eleitores em São Paulo cresceu muito — atualmente, são mais de 240 mil advogados inscritos — e que a cidade, por ser uma metrópole, possui diversos problemas que dificultam a votação presencial, como falta de infraestrutura em locais de votação e o trânsito.

A nova fórmula que D'Urso propões permitirá que o advogado vote de seu computador, utilizando a certificação digital que hoje é usada para o peticionamento eletrônico. “A medida evitará o deslocamento, o trânsito, o calor e tudo a que está sujeito o nosso eleitor. Além disso, irá agilizar a apuração”, afirma.

De acordo com dados da própria OAB-SP, somente no município de São Paulo, 87 mil advogados ainda não possuem certificação digital, ítem que será obrigatório para realizar a votação por computador, caso seja implementada.

A certificação tem sido exigida por tribunais de todo o país nos processos eletrônicos. Em São Paulo, a partir da próxima segunda-feira (3/12) o Fórum João Mendes todas as ações somente poderão ser distribuídas por peticionamento eletrônico, o que torna imprescindível a aquisição de certificado digital.

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 30 de novembro de 2012, 16h14

Comentários de leitores

3 comentários

Abstenção recorde!

Elza Maria (Jornalista)

Dos mais de 327400 inscritos, pouco mais de 240000 são eleitores. Então, cerca de 87000 ou já morreu ou está de licença. Mas o curioso na afirmação do presidente D’Urso é a constatação do grau de abstenção ou inadimplemento. Basta comparar os números dos votos apurados e o de eleitores. De acordo com o site da OABSP, até agora foram computados 138676 votos. Faltam apenas 16% das urnas do interior a serem apuradas. Então, o índice de abstenção deve ficar em torno de 80000 eleitores, entre os que de fato se abstiveram e os impedidos de votar (inadimplentes), o que significa 1/3 (um terço da categoria), contingente suficiente para decidir qualquer eleição, se tivessem votado.

Essa proposta eu a fiz em 2006

Sérgio Niemeyer (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

Em 2006 essa foi a principal proposta que fiz quando integrei chapa de oposição que concorreu às eleições para renovação de 1/3 (um terço) do Conselho da AASP (Associação dos Advogados de São Paulo). Depois estendi essa proposta para a OAB, quando fui candidato ao Conselho Federal pela chapa 3 em 2009. Portanto, a ideia não é nova. Tem origem. E deve ser acalentada por quem quer que esteja no comando da entidade. Afinal, quem ganha com isso é a classe dos advogados. E como tenho dito, nenhum dirigente deve colocar seus interesses ou opiniões à frente dos da classe. Nós, advogados, estamos acostumados a agir por mandato, como representantes dos interesses de outrem. Não é diferente quando se é galgado a um posto eletivo, pois aí, em vez de representar os interesses de um particular (o cliente), representa-se os interesses comuns de toda uma classe de profissionais, de modo que, se a opinião do representante difere da dos integrantes da classe, deve defender as destes, não a própria. O voto seguro pela Internet é plenamente possível e viável. Há meios de garantir a segurança e fidedignidade do resultado, além de ser mais transparente, em tempo real, e permitir a todos os participantes do pleito conferir o código fonte. Além disso, permite que a votação seja feita, por exemplo, ao longo de toda uma semana, em vez de em um único dia. Boa iniciativa. Já era tempo.
.
(a) Sérgio Niemeyer
Advogado – Mestre em Direito pela USP – sergioniemeyer@adv.oabsp.org.br

Absurdo!

Alexandre Bueno de Paiva (Advogado Autônomo - Empresarial)

Primeiramente 03 idiotíces de quem coordena as eleições, são elas:
1. Eleições em dia de semana. Estão achando que advogados são vagabundos? Pelo menos eu não sou.
2. Em São Paulo, os locais de votação foram colocados no centro e Av. Vergueiro. Com isso, além de dificultar o deslocamento dos advogados, CAUSARAM UM VERDADEIRO NÓ NO TRANSITO DE SÃO PAULO.
3. Depois que o advogado conseguia enfim chegar ao local de votação, ficava pelo menos 30 minutos para votar. Perdeu-se metade do seu dia.
Isso é trabalhar pelo Advogado?
Bando de incopetentes.

Comentários encerrados em 08/12/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.