Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Laicidade e religião

Sarney critica retirada de menção a Deus de cédula

O presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), criticou nesta terça-feira (13/11) a ação do Ministério Público Federal para retirar das cédulas de real a expressão "Deus seja louvado". Responsável por incluir a frase nas cédulas da moeda brasileira quando foi presidente da República, em 1986, Sarney disse que a ação é uma "falta do que fazer" do Ministério Público, noticiou o jornal Folha de S.Paulo.

"Precisamos cada vez mais ter a consciência da nossa gratidão a Deus por tudo o que ele fez por todos nós humanos e pela criação do universo. De maneira que não podemos jamais perder o dado espiritual", afirmou. Sarney disse que tem "pena" do homem "que na face da terra não acredita em Deus".

O Ministério Público entrou com a ação civil pública nesta segunda-feira (12/11) com o pedido para a retirada da expressão. O objetivo é fazer com que novas cédulas de real passem a ser impressas sem a frase "Deus seja louvado". Feito pela Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão, o pedido diz que a existência da frase nas notas fere os princípios de laicidade do Estado e de liberdade religiosa. A Procuradoria pede que a União comece a imprimir as cédulas sem a frase em até 120 dias. Pede ainda que haja uma multa simbólica de R$ 1 por dia de descumprimento.

Revista Consultor Jurídico, 13 de novembro de 2012, 19h54

Comentários de leitores

17 comentários

Questão de Isonomia!!

ADRIANO Guevara (Advogado Assalariado - Consumidor)

Quero chamar a atenção dos que querem continuar leigos mesmo depois de formados nas universidades que se esquecem(propositalmente) de muitas coisas do nosso Direito Constitucional, quando são ou se associam a uma determinada crença ou instituição religiosa,etc.. Me parece que essas pessoas acham que só elas vivem no País,esquecem do Estado Democrático de Direito,e da Isonomia Constitucional.Os religiosos não aceitam de forma alguma viver em um Estado Laico,parece que eles querem enfiar os seu deuses guela abaixo usando o Estado para reger suas doutrinas o nosso congresso tbm quer,e outros poderes tbm!! o que me chama mais a atenção é que o nosso congresso,é um dos mais corrupto do mundo e no entanto é mais religioso, mais de 90% acredita em deus e são religosos praticantes é um paradoxo os Srs. não acham? esta correta o pedido do MP estão de parabéns! eo Sr. Sarney cale a boca em vez de falar asneiras pois é a única coisa que vc sabe e tbm roubar o dinheiro Pùblico junto com os seus familiares e amigos no congresso! a sua sorte é que deus não existe e inferno tbm!!senão vc e muitos no congresso já estariam lá quando brevemente acontecerem suas mortes.mas, a morte Srs existe e esse é o preço que pagamos!

Sábias e oportunas palavras. de Sarney!

Shen Rochus Mingli (Advogado Assalariado)

Valeu! Deus te abençoe senador Sarney por essas palavras. Fiquei indignado com essa iniciativa do MPF. A verdadeira desgraça de um ser humano é não acreditar em Deus, ou não Tê-lo em sua vida. Não sou evangélico, nem fanático, defendo o Estado laico, que a Igreja não se meta em assuntos de Estado, mas louvo a Deus. Amar a Deus sobre todas as coisas.

Atenção MP!!!! Não desvia a sua finalidade precípua!!!

Márcio Zamboni Cremácio (Consultor)

É irônica esta ação do MP... com tanto conhecimento jurídico que seus membros têm, deveriam ter notado que no preâmbulo da Constituição Federal também é feita a referência a Deus.... e Graças devemos dar a Deus...
Ainda nos bancos da faculdade achava um absurdo quando alguns professores falavam que se um membro do MP visse uma câmera ou um flash já ficava todo entusiasmado... mas com este tipo de atitude só temos que lamentar...
Com tantos outros problemas que nosso país enfrenta empenhar esforços no sentido de retirar a expressão "Deus seja louvado" é atentar contra o interesse público.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 21/11/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.