Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Interesse público

Reportagem não enseja indenização a filho de Lula

A 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça negou recurso especial a Fábio Luís Lula da Silva, o Lulinha, filho do ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva. Ele buscava reverter a decisão que julgou improcedente pedido de dano moral em virtude de notícia publicada pelo jornalista Cláudio Humberto em seu site. Lulinha alegou que a reportagem era ofensiva e o expôs ao desprezo público por indicar a cidade em que nasceu e onde ainda tem família radicada.

A maioria dos ministros da Turma seguiu o voto do relator, Villas Bôas Cueva, mantendo o acórdão do Tribunal de Justiça do Distrito Federal. O tribunal local avaliou que a reportagem, que narrava a suposta compra de uma mansão pelo autor, não extrapolou os limites do exercício do direito de informar sobre assunto de interesse público nem teve a intenção de caluniar ou difamar o autor da ação.

Direito de informar
Em seu voto, o ministro Villas Bôas Cueva avaliou que o exame do caso revela colisão entre dois direitos fundamentais, consagrados tanto na Constituição Federal quanto na legislação infraconstitucional: a livre manifestação do pensamento e a proteção dos direitos da personalidade, como a imagem e a honra.

Segundo o relator, o tribunal de origem, soberano na análise fática da causa, concluiu que “a matéria publicada era de cunho meramente investigativo, revestindo-se, ainda, de interesse público, sem nenhum sensacionalismo ou intromissão na privacidade do autor, não gerando, portanto, direito à indenização”.

Para o ministro, também foi delineado na sentença e no acórdão da corte local que o apelido “Lulinha” não possui carga difamatória e que a notícia veiculada por Cláudio Humberto se baseou em reportagens anteriormente publicadas por outros veículos de comunicação.

O ministro Cueva concluiu que a modificação das conclusões a que chegou o TJ-DF em relação à ausência de conteúdo ofensivo, como pretendido pelo recorrente, “ensejaria incursão no acervo fático da causa, o que, como consabido, é vedado ante a letra da Súmula 7 desta Corte Superior”. Com informações da Assessoria de Imprensa do STJ.

Revista Consultor Jurídico, 13 de novembro de 2012, 14h36

Comentários de leitores

3 comentários

O reverso da moeda!!!

Observadordejuris (Defensor Público Estadual)

Só que o Lulinha transformou-se em capitalista não da maneira usual, que é a do trabalho duro e metódico.

Ronaldinho das finanças

Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório)

E a maior prova de que LULINHA foi alvo de afronta moral,pode ser aferida, a qualquer momento, pela Receita Federal,assim como fazem com o mortal que se esquece de declarar um aluguel recebido ou que tenha incluído um recibo médico de um gasto inexistente, bastando, para tal, a verificação do patrimônio de que dispunha o alimentador de girafas no zoológico de S Paulo, antes e depois da 'canonização', feita pelo seu próprio genitor, o erigindo ao patamar do 'Ronaldinho', só que das finanças.

Pilantras!

Eduardo.Oliveira (Advogado Autônomo)

Criticam a "privataria" mas são os primeiros a se tornarem capitalistas e beneficiários do sistema.
A tal da Erenice até empresária (sócia oculta) do setor de telecomunicações tentou ser.
Escória!

Comentários encerrados em 21/11/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.