Consultor Jurídico

Artigos

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Arrocho nos subsídios

Não se pode desmoralizar um Poder da República

Por 

Como tem noticiado amplamente os órgãos de imprensa, os magistrados da União — juízes do Trabalho e federais comuns — paralisam suas atividades por dois dias, em 7 e 8 de novembro, para protestar contra a desvalorização de suas carreiras, que sofreram perdas remuneratórias de 28,86% desde 2005, quando foi implantado o subsídio em parcela única. Tampouco participarão da “Semana Nacional de Conciliação”, programada pelo Conselho Nacional de Justiça para os dias 7 a 14 de novembro. As conciliações serão retomadas após o dia 14 de novembro; e, de todo modo, os juízes estarão presentes nas unidades judiciárias, durante os dias 7 e 8, para atendimento ao grande público nos casos de emergência.

Sobre esse movimento que mais uma vez se deflagra, repetindo (e intensificando) aquele havido em 30 de novembro de 2011, mais uma vez é preciso prestar esclarecimentos à população. Para isso, este artigo.

Os juízes têm o direito constitucional à irredutibilidade de subsídios, exatamente para a garantia da independência do Poder Judiciário (artigo 95, inciso III, da Constituição). Essa irredutibilidade, porém, vem sendo garantida apenas formalmente. Na prática, amargam já trinta por cento de perdas estimadas em seu poder de compra. Em várias unidades jurisdicionais, se não em sua maioria, juízes titulares e substitutos já vêm recebendo apenas o terceiro ou quarto maior vencimento, sendo superado por servidores que funcionalmente se subordinam aos primeiros e não detêm as mesmas responsabilidades funcionais. Esse estado de coisas compromete, no limite, o próprio sentido de hierarquia.

A Constituição também assegura aos juízes, e a todos os servidores, o direito de ter anualmente revisados os seus vencimentos, como se lê textualmente na parte final do artigo 37, inciso X, da Constituição Federal. Tampouco este direito tem sido atendido, conquanto se trata de dever constitucional da União.

É certo, ademais, que a mobilização segue padrões éticos muito claros. Os juízes do Trabalho não vão simplesmente “parar”, no sentido etimológico da palavra. Redesignarão audiências, é verdade; mas o farão para breve, de modo a causar mínimo prejuízo. Na sequência, voltarão a conciliar, como historicamente fazem desde a década de quarenta, com os maiores índices de conciliabilidade dentre todos os ramos do Poder Judiciário.

Entendemos, enfim, que o recurso à paralisação e à chamada “semana sem conciliação” é a consumação de um derradeiro ato de resistência legítima, ínsita à própria natureza humana (artigo 8º, n. 1, "d", do Pacto Internacional de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais das Nações Unidas), quando outros instrumentos não se revelam mais viáveis. A Constituição só o nega às carreiras militares (artigo 142, parágrafo 3º, inciso IV, da CF); e a norma constitucional restritiva há de ser interpretada restritivamente. Na mesma esteira, a Convenção 151 da Organização Internacional do Trabalho garante aos servidores públicos em geral “os direitos civis e políticos essenciais ao exercício normal da liberdade sindical, sujeitos apenas às obrigações decorrentes de seu regime jurídico e da natureza de suas funções”, o que evidentemente inclui o máximo direito de resistência no campo profissional.

Com tais protestos, os juízes querem sinalizar ao Poder Executivo, ao CNJ — idealizador e patrocinador das semanas nacionais da conciliação — e ao Supremo Tribunal Federal que não se pode mais transigir com metas e campanhas que exijam redobrado esforço dos magistrados, quando os seus reclamos mais comezinhos, ligados a garantias constitucionais explícitas, são ignorados. Não se pode mais seguir com uma atitude colaboracionista, quando o Poder Judiciário é posto de joelhos e sequer a proposta orçamentária do presidente do STF, que previa reposição inflacionária de cerca de 21% do valor dos subsídios (menos, portanto, que o efetivo desgaste monetário do período), é respeitada. Afinal, outra vez o Executivo encaminhou ao Congresso Nacional a sua própria proposta, ignorando a vontade institucional de um poder autônomo. E, não bastasse, seguem sem solução os mandados de injunção impetrados pelas associações nacionais para a revisão dos subsídios, que há meses tramitam pelo STF sem pautamento.

A quem mais poderíamos recorrer?

Sempre fizemos valer os direitos do povo. O que agora pedimos é que o povo nos compreenda, por um átimo que seja, e nos permita reivindicar nossos próprios direitos. Não restaram outros caminhos.

Guilherme Guimarães Feliciano é juiz titular da 1ª Vara do Trabalho de Taubaté (SP) e presidente da Associação dos Magistrados da Justiça do Trabalho da 15ª Região.

Revista Consultor Jurídico, 7 de novembro de 2012, 19h18

Comentários de leitores

22 comentários

Dr. Pintar...

Azimute (Consultor)

Excelente análise, ainda que sucinta.
E contrapondo o Dr. Gustavo, nem Executivo nem Legislativo justificam suas remunerações.
Me parece imoral que a própria Justiça use meios comparativos, para fazer justiça doméstica.
Enquanto isso, milhões de brasileiros estão sofrendo a espera de supor que os TRES PODERES se comportem, e concedam mais esperança ao povo TODO, e não somente os arrolados em manobras fisiologistas...

Nada a ver

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Ora, prezado Gustavo P (Outros), não sou eu quem precisa dar justificativa para todos os problemas do universo. Há anos digo que o PT vem distribuindo cargos e vencimentos de forma totalmente populista, visando transformar o máximo possível de cidadãos brasileiros em "cumpanherada", garantindo assim voto nas eleições. Esse tema, no entanto, nada tem a ver com a questão dos vencimentos dos juízes, apesar da "dor de cotovelo" criada com a farta remuneração paga em outras áreas estatais.

Pintando o 7

Gustavo P (Outros)

Novamente vc cai em ridícula contradição, caro Pintar...
Se os juízes estão amargando completa desvalorização em sua carreira (sic), por não defender o "direito do povo", como vc explica que os comissionados de Brasilia e os militares terao aumento na casa dos 30%, bem como os proprios servidores do judiciario, que ja ganham mais, pasmem, que os juizes com que trabalham?? Como vc explica, prezadíssimo Pintar, que analistas da Camara e do senado ganhem mais que ministros do STF??
É pq esses ai defendem os interesses do povo, é isso??
Repito de novo: você não tem outros argumentos um pouquinho melhor que esses, ou seu odio aos magistrados o limita tanto assim, e vc sempre acaba caindo no lugar comum??
Por favor, pare de subestimar a inteligência alheia com sofismas asquerosos.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 15/11/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.