Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Faca no pescoço

Julgamento do mensalão não perderá foco, diz Britto

O presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Carlos Ayres Britto, descartou nesta sexta-feira (25/5) a possibilidade de pressão sobre os ministros no julgamento do mensalão. “Ainda está para aparecer alguém que ponha uma faca no pescoço dos ministros do STF”, disse Ayres Britto. A expectativa em torno do julgamento não significará a perda do foco, da objetividade e da tecnicalidade, afirmou.

Sobre a formatação do julgamento, o presidente do STF explicou que a ação, devido ao número de réus (38), de testemunhas (mais de 600), de sustentações orais e de imputações, não é um processo usual. “Isso exige uma logística de julgamento também diferenciada, que deve ser definida pelo próprio relator, ministro Joaquim Barbosa”, afirmou.

Ayres Britto reiterou o fato de que a ação, para ser pautada, precisa ser liberada para julgamento pelo revisor, ministro Ricardo Lewandowski. Disso depende também o cronograma do julgamento. “Se não for possível encerrarmos em agosto, avançaremos em setembro, mesmo concomitantemente ao processo eleitoral”, adiantou. Com informações da Assessoria de imprensa do STF.

AP 470

Revista Consultor Jurídico, 26 de maio de 2012, 6h53

Comentários de leitores

3 comentários

Os tempos são outros

Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório)

Não estamos mais no tempo em que 'uma faca no pescoço' coagia e/ou convencia alguém. Hoje a faca é muito mais flexível, não fere e nem se encosta no pescoço, até por questão de higiene.

Saiu no estadao

Leitor1 (Outros)

http://www.estadao.com.br/noticias/nacional,jobim-nega-pressao-de-lula-sobre-stf-para-adiar-julgamento-do-mensalao,878353,0.htm

E apareceu...

José R (Advogado Autônomo)

Se estava para aparecer, então já apareceu: trata-se dele, do lula, segundo informa um membro do stf, por ele coagido... A conferir na revsta veja desta semana

Comentários encerrados em 03/06/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.