Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Local não sabido

Mil inquéritos de homicídio somem em Alagoas

Levantamento do Ministério Público Estado em Alagoas mostra que um quarto dos inquéritos instaurados em 1990 e 2007 para apurar homicídios dolosos sumiram. Dos 4.180 abertos no período, mil estão perdidos e nunca terão solução. O MP alagoano indicou o sumiço após o mutirão montado pela Estratégia Nacional de Justiça e Segurança Pública (Enasp) do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), que levantou os dados. As informações são do portal Terra.

A proposta do mutirão era concluir todos os inquéritos de homicídios dolosos pendentes entre 1990 e 2007. O prazo era o dia 7 de maio. "A Polícia Civil não conseguiu nos informar onde estão e qual o destino que tomaram estes mil e poucos inquéritos. Eles são muito antigos e ficaram dormitando nas gavetas das delegacias", disse a promotora de Justiça Karla Padilha, que participou do mutirão. Segundo ela, 80% dos 2,5 mil casos de assassinato não tinham informações suficientes para que fosse iniciada uma investigação. "Esta situação retrata a falência do sistema de investigação no País inteiro", resumiu Karla Padilha.

Luci Mônica, delegada do setor de estatística da Polícia Civil, negou o sumiço dos inquéritos. Disse que eles podem ter sido encaminhados ao Judiciário. O relatório foi entregue ao chefe do Ministério Público alagoano, Eduardo Tavares Mendes, para que a Polícia Civil tome providências.

Segundo o inqueritômetro, sistema do CNMP que mostra o andamento de inquéritos sobre homicídios instaurados no País antes de dezembro de 2007, Alagoas teve o pior desempenho do Nordeste na conclusão dos inquéritos: resolveu 14,9% deles. Apenas o Acre conseguiu atingir os 100%. Roraima vem em 2º lugar, com 99,6%. Piauí e Maranhão tiveram os melhores desempenhos do Nordeste, com 98,1% e 97,7%, respectivamente. São Paulo conseguiu resolver menos da metade dos inquéritos: 46,7%. O Rio de Janeiro, por sua vez, concluiu 29%. O pior do Brasil foi Minas Gerais, que deu solução a 1,9%.

Revista Consultor Jurídico, 13 de maio de 2012, 13h04

Comentários de leitores

5 comentários

Números

alvarojr (Advogado Autônomo - Consumidor)

Um dado interessante é que se o Rio de Janeiro conclui apenas 29% dos inquéritos policiais iniciados, por outro lado tem em números absolutos o primeiro lugar no país em inquéritos concluídos, 13.661.
De todo modo, números muito bons ou muito ruins, sejam proporcionais ou absolutos, devem ser analisados mais a fundo.

Minas Gerais

alvarojr (Advogado Autônomo - Consumidor)

Por ser do Estado de Minas Gerais, o que mais me chamou a atenção na notícia foi o último parágrafo que se refere ao tal "inqueritômetro" do CNMP.
Minas Gerais, mesmo aparentemente sem o problema de sumiço de inquéritos, consegue ser menos eficiente que Alagoas em concluí-los.
Por que o índice de conclusão de Estados como Acre, Roraima, Piauí e Maranhão destoa tanto de outros como São Paulo, Rio de Janeiro e é claro... Minas Gerais?
O que há naqueles quatro Estados que falta nestes três últimos? Ou o que há de errado nos três que não há nos quatro?
Se bem que o índice de Minas Gerais é tão ruim que deve haver algum problema crônico e peculiar na Polícia Civil daqui que provavelmente não há no resto do país.

Perfeita colocação!

Pek Cop (Outros)

É Dr. Marcos Pintar desta vez o sr. foi sábio em suas palavras! Seu ponto de vista foi perfeito em relação a este descaso que as autoridades tratam do homicídio, que ao ver de qq pessôa normal o pior crime que uma pessôa é sentenciada...a morte! pek

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 21/05/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.