Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Opinião de especialistas

Consulta sobre medidas socioeducativas vai até dia 31

O Conselho Nacional de Justiça quer elaborar uma proposta de normatização do sistema de medidas socioeducativas voltadas aos adolescentes em conflito com a lei. Uma consulta pública sobre o assunto, inclusive, já está sendo feita e o prazo para colaborações vai até terça-feira (31/1). A ideia de criar a regulamentação surgiu depois que o órgão realizou inspeções do Programa Justiça ao Jovem nos estados do país.

Durante essas visitas, foi constatada grande variedade de formas de acompanhar a execução das medidas socioeducativas pela Justiça. Isso dificulta o sucesso do monitoramento, explica o CNJ. Juízes, promotores de Justiça, defensores públicos, advogados, gestores e técnicos são convidados a enviar as sugestões, que vão de servir de base para o aprimoramento dos procedimentos  judiciais de atendimento aos jovens internados.

Os pedidos também vão reforçar as medidas estabelecidas no Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo (Sinase), criado pela Lei 12.594, de 2012, que foi sancionada em 19 de janeiro, depois de cinco anos de discussão. A partir do Sinase, governo federal, estados e municípios deverão desenvolver um planejamento conjunto com o objetivo de afastar crianças e adolescentes de atitudes infracionais.

O Sinase entra em vigor dentro de 90 dias contados da publicação da lei no Diário Oficial da União e vai impactar a vida de aproximadamente 36 mil jovens, atualmente vinculados a unidades socioeducativas, de acordo com dados do Cadastro Nacional de Adolescentes em Conflito com a Lei. 

A nova legislação envolve iniciativas nos diferentes campos das políticas públicas e sociais. São 90 artigos que integram ações de saúde, Justiça, educação e planejamento. A norma regulamenta, por exemplo, doações e ações referentes aos fundos dos direitos das crianças e adolescentes; assegura a visita íntima dos jovens; assim como o direito de ver os filhos, independente da idade.

O juiz auxiliar do CNJ Reinaldo Cintra, um dos coordenadores do Programa Justiça ao Jovem, conta que faltava uma lei específica sobre o tema. “Estávamos nos adiantando, criando procedimentos que pudessem suprir as muitas lacunas encontradas nessas situações, como o projeto individual de atendimento”, conta. Com informações da Assessoria de Imprensa do CNJ.

Revista Consultor Jurídico, 26 de janeiro de 2012, 11h35

Comentários de leitores

3 comentários

Quem precisa de medidas socioeducativas?

FELIPE CAMARGO (Assessor Técnico)

Não é de se estranhar muito o fato de haver tantos adolescentes infratores num país em que um adulto que se diz advogado defende que uma "bala de calibre 765" seria "uma boa medida socioeducativa". Refiro-me ao "doutor" "FERNANDO JOSÉ GONÇALVES (Advogado Sócio de Escritório)", que fez o infeliz comentário no dia 27/01/2012 às 12:07.

RESSOCIALIZAR ?

Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório)

UMA BOA MEDIDA SÓCIOEDUCATIVA PARA 'INFRATORES CONTUMAZES' SERIA UMA 'BALA' DE CALIBRE 765. NÃO EDUCARIA O 'DEFUNTO' MAS TODOS OS DEMAIS, VIVOS, QUE TIVESSEM A INTENÇÃO DE IMITÁ-LO NA VIDA DO CRIME. NÃO EXISTE MEDIDA NENHUMA QUE TRAGA QUALQUER BENEFÍCIO PARA RESSOCIALIZAR O PRESIDIÁRIO E TAMPOUCO CADEIA SE PRESTA A ISSO, EM QUALQUER PAÍS DO MUNDO. PRISÃO É A CONTRAPRESTAÇÃO DA SOCIEDADE PARA COM O BANDIDO QUE A AGREDIU. NADA MAIS DO QUE ISSO. SE SOLTO O SUJEITO NÃO SE EMENDA, O QUE SE DIRÁ ENQUANTO ESTIVER PRESO. O CONTRÁRIO É MERO DISCURSO POBRE DE MINISTRO DO STF.

condescendência

Florencio (Advogado Autônomo)

Essas medidas do CNJ são apenas de natureza burocrática. Nada será alterado. A legislação, inclusive o ECA, é muito condescendente com o jovem infrator. Quem, diariamente, trabalha com esses jovens sabe que as autoridades em seus gabinetes não têm noção do que acontece nesses estabelecimentos conhecidos como socio-educativos. Não socializam, nem educam ninguém porque não existe disciplina nesses locais. Se nas escolas públicas os educadores são alvo das maiores agressões, imaginem em um ambiente como esses! Eles se sentem inseguros 24 horas por dia! Há! Há!

Comentários encerrados em 03/02/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.