Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Exame de Ordem

Baianos tiveram o melhor desempenho na OAB

Por 

A Bahia foi o estado que teve o melhor desempenho no V Exame de Ordem Unificado da Ordem dos Advogados do Brasil. Pouco mais de 30% dos estudantes e bacharéis em Direito baianos que se submeteram ao teste para se tornarem advogados obtiveram êxito. A média nacional de aprovação foi de 24,5%. Os dados estão sendo divulgados nesta segunda-feira (16/1) pelo Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil.

Participaram do exame 5.053 bacharéis e estudantes formados em faculdades da Bahia. Destes, 1.548 foram aprovados nas duas fases das provas e receberão a carteira da OAB. Em todo o país, 106.086 candidatos fizeram o exame e 26.010 foram aprovados.

Em segundo lugar no ranking geral ficou o estado de Santa Catarina, que obteve um índice de 29% de aprovação dos 3.696 candidatos que fizeram as provas. O Rio Grande do Sul, com 28,7% de aprovados, ficou em terceiro lugar entre os estados que mais aprovaram. Em quarto lugar ficou o Rio de Janeiro, com 28,2% de aprovação entre os 9.606 candidatos. Em quinto, Minas Gerais com aprovação de 27,6% e 11.312 candidatos a advogados.

Campeão no número de candidatos inscritos que fizeram as provas, com 23.081 bacharéis, o estado de São Paulo ocupou o 19º lugar em aprovação dentre as 27 seccionais, com índice de 20,7% dos candidatos. Ainda de acordo com os dados do desempenho do mais recente Exame de Ordem, as universidades públicas se destacaram entre as 20 melhores instituições de ensino do Direito no país.

Foram avaliadas todas as faculdades que tiveram ao menos 20 candidatos inscritos do Exame. As 20 melhores tiveram índice de aprovação superior a 65%. Destas, 95% ganharam o selo de qualidade de ensino no último OAB Recomenda.

De acordo com o presidente nacional da OAB, Ophir Cavalcante Junior, apesar de o índice de aprovação estar ainda longe do ideal, houve um significativo avanço em relação ao desempenho dos exames unificados de anos anteriores. Isto se deve, segundo ele, não apenas a uma acentuada melhora na formulação, organização e aplicação das provas em todo o país, como também ao crescente interesse dos próprios estudantes, que vêm superando as dificuldades resultantes da baixa qualidade que ainda é observada na maioria dos cursos.

“O Exame de Ordem é termômetro para aferir a qualidade do ensino jurídico brasileiro, e como tal serve de referência para a comunidade acadêmica, não apenas a jurídica, no sentido de oferecer subsídios para melhor qualificar os futuros profissionais de Direito”, afirmou Ophir.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Clique aqui para conferir o desempenho de todas as universidades no levantamento feito pelo Conselho Federal da OAB.

Clique aqui para conferir o desempenho por estado.

 

 é correspondente da revista Consultor Jurídico em Brasília.

Revista Consultor Jurídico, 16 de janeiro de 2012, 15h08

Comentários de leitores

3 comentários

A Bahia é assim...

Adilson Sobrinho (Bacharel - Civil)

Olá pessoal, o destaque é reflexo do comprometimento dos estudantes com o Direito. É uma pena que o Judiciário Baiano não seja recíproco com os novos advogados.
Com certeza Dr. Jailton, ainda sairão muitas "Elianas Calmon" daqui.
Grande abraço,
Adilson Sobrinho

Fervor acadêmico

JailtonFederal (Procurador Federal)

Parabéns aos baianos. Tomara que daí saiam várias Elianas Calmon. Para o terror dos patrimonialistas.
Mas não é só a Bahia. O nordeste inteiro se destaca na área do direito. Basta dar uma olhada em qualquer concurso jurídico federal, para notar que os nordestinos são a maioria.

A inteligencia dos Baianos.

Museusp (Consultor)

Então está posta uma evidencia de que aquele docente da universidade baiana estava errado ao afirmar que os baianos são burros porque só aprendem a tocar berimbau porque tem só uma corda!!! kkkkk

Comentários encerrados em 24/01/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.