Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Vai e vem

PM Djalma Beltrami é solto pela segunda vez

Depois de ser preso pela segunda vez, o coronel da Polícia Militar Djalma Beltrami, ex-comandante do 7º Batalhão da Polícia Militar (São Gonçalo – RJ), foi solto novamente. A decisão judicial foi cumprida nesta sexta-feira (13/12), 24 horas depois da prisão do PM. Beltrami passou a noite no Quartel General da PM, no centro do Rio de Janeiro, noticiou o jornal O Globo.

No dia em que Beltrami foi solto novamente, a polícia disse ter novas provas contra o coronel. Segundo o Ministério Público, numa das conversas interceptadas, o coronel "fala com um subordinado sobre a retirada de qualquer material errado nas viaturas, como touca ninja, munições não permitidas e armamento, pois não queria ter problemas com eventual fiscalização da corregedoria".

Assim como da primeira vez, a soltura do ex-comandante se deu pela falta de provas substanciais. O desembargador Antonio Carlos dos Santos Bitencourt, que concedeu Habeas Corpus ao acusado de participar de um esquema de propinas do tráfico, afirma que as provas apresentadas "continuam no perigoso terreno da suspeita".

O perigo já havia sido alertado pelo desembargador Paulo Rangel, que concedeu o primeiro Habeas Corpus ao PM. A decisão de Rangel classificou como "lamentável" a prisão de Beltrami."Estão brincando de investigar. Só que esta brincadeira recai, no Direito Penal, nas costas de um homem que, até então, é sério, tem histórico na polícia de bons trabalhos prestados e vive honestamente", afirma Rangel.

O juiz Marcio da Costa Dantas, da 2ª Vara de São Pedro da Aldeia (RJ), que decretou a segunda prisão preventiva do PM, na última terça-feira (10/1), afirmou que "a custódia cautelar dos Policiais Militares se justifica para preservação da ordem pública e por conveniência da instrução criminal".

Revista Consultor Jurídico, 14 de janeiro de 2012, 15h31

Comentários de leitores

2 comentários

Parabens ao TJ-RJ!!!

Flávio (Funcionário público)

Pelo que estou vendo o TJ carioca apoia o trafico de drogas, com esse monte de provas e ainda soltam esse marginal, esperar o quê de um país como esse.

Prova não tão fraca

Oziel (Funcionário público)

Também pode-se alegar que o cel. não quisesse se indispor com o subordinado descessariamente, uma vez que falando o que disse de qualquer maneira poderia parecer uma acusação sem provas contra os policiais. Algo como: "querida, a mamãe vai visitar a gente e você sabe que ela é cricri; dá uma geral na casa e se tiver algo de errado deixa tudo certo pra não termos que ouvir besteira".
Mas, parabéns, investigadores. Juntando provas assim, daqui uns 50 anos os senhores terão um processo contra o ex-árbitro da FIFA.

Comentários encerrados em 22/01/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.