Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Novas instalações

Defensoria atende em novo endereço em Osório, no RS

A Defensoria Pública do Rio Grande do Sul inaugurou oficialmente, na última sexta-feira (6/1), a nova sede da instituição na Comarca de Osório, município do litoral norte do estado. As instalações estão localizadas na Rua Bento Gonçalves, 1.036, sala 203, Centro, e são fruto de uma parceria com a prefeitura local. Até então, a instituição atendia nas dependências do Fórum.

De acordo com o coordenador da Regional II, Miguel Seadi Jr., a nova sede oferece privacidade no atendimento dos defensores públicos aos assistidos — na sede anterior, o atendimento era realizado em um único local. Além disso, o local tem sala de espera com guichê, banheiros privativos, serviço de segurança e limpeza próprios. “Além desse ganho, talvez a questão mais importante seja a conquista da independência institucional”, analisa Seadi Jr. Atuam na Comarca os defensores públicos Estevam Krieger Bento da Silva, Fábio Luís Mariani de Souza e Irvan Antunes Vieira Fialho.

A Regional realiza uma média mensal de 520 atendimentos, principalmente nas áreas Cível, Família, Infância e Juventude e Criminal (presos e familiares da Penitenciária de Osório). Na área Cível, as ações relativas à saúde são as de maior demanda da população da Comarca; na área Criminal e Infância e Juventude, são questões de saúde de adolescentes e abrigamento de crianças e prisões por tráfico de drogas. Já na área das Execuções Criminais os atendimentos aos familiares de presos e junto ao sistema prisional (progressões de regime, saídas temporárias, entre outras). Com informações da Assessoria de Imprensa da DPE-RS.

Revista Consultor Jurídico, 9 de janeiro de 2012, 9h49

Comentários de leitores

2 comentários

Concordo

Cidadã (Procurador do Trabalho de 1ª. Instância)

Concordo totalmente.

ideal é que cada Município tivesse o seu órgão de assistênci

analucia (Bacharel - Família)

ideal é que cada Município tivesse o seu próprio órgão de assistência jurídica, pois seriam quase mais seis mil órgãos de assistência jurídica e nos bairros distantes nas grandes cidades.

Comentários encerrados em 17/01/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.