Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Estudo nos EUA

Jurados não sabem diferenciar crime doloso e culposo

Por 

A New York University Law Review, publicação da Escola de Direito da Universidade de Nova York, trouxe, em sua edição de fim de ano, o resultado de um estudo que pode por em xeque uma das bases do tribunal de júri no país: a ideia de que jurados sabem compreender as diferenças entre os tipos de crimes dolosos e culposos.

Tanto não sabem como também cometem erros constantes quando têm de discernir sobre conceitos relativos à conduta e ao grau de responsabilidade dos réus. É o que dizem, pelo menos, os autores de artigo que avalia o resultado do estudo coordenado por professores de Direito e psicólogos forenses nos Estados Unidos.

Jurados são, na maioria das vezes, incapazes de entender alguns conceitos que diferenciam crimes premeditados, dos cometidos por imprudência, tais como são definidos pelo Código Penal dos EUA, o Model Penal Code. O MPC é o estatuto de 1962 que serve de referência para os legisladores locais estabelecerem as leis penais. A matéria é de responsabilidade dos estados, mas as leis penais estaduais não podem entrar em choque com leis federais, e o documento que rege essa relação é o MPC.

Tribunais de júri nos EUA, quando julgam crimes, são organizados, em nível federal e local, de acordo com as bases do Model Penal Code. O código, adotado pelos estados, exige que o júri classifique os réus considerados culpados em quatro tipos de conduta: proposital, consciente, imprudente e negligente. O código parte da premissa que o cidadão médio é capaz de compreender os conceitos e, portanto, distinguir entre os quatro padrões.

No cotidiano dos tribunais, a questão não é tão simples. Nem sempre o corpo de jurados conseque entender com clareza suficiente a diferença entre os quatro tipos de responsabilidade criminal. A conduta proposital (purposeful) se dá quando o réu premeditou, planejou e executou o crime simplesmente. A conduta consciente ( knowing) ocorre quando o réu sabe o que estava fazendo, embora não tenha planejado fazer. Já a diferença entre imprudente (reckless) e negligente (negligent) é ainda mais sutil, atribuindo ao primeiro tipo de infração maior gravidade e responsabilidade e, portanto, penas maiores.

“Um réu considerado culpado de ‘homicídio consciente’ no estado do Colorado seria condenado a uma sentença entre 16 e 48 anos. Se o mesmo réu fosse julgado como responsável por um “homicídio por imprudência” a pena seria de apenas entre dois e seis anos na prisão”, explica a jornalista Karen Sloan, do The National Journal, ao comentar o estudo.

Apesar dos conceitos parecerem confusos, estudos anteriores demonstraram que a maioria dos americanos consegue distinguir entre os quatro tipos. Porém, desta vez, ao conduzirem uma série de testes onde avaliavam quão bem sucedidos os jurados se saem ao reconhecer conceitualmente os padrões de conduta e assim relacioná-los à punição adequada, os estudiosos se surpreenderam com os resultados. “Nossos resultados prévios sugeriam amplamente que as pessoas são muito boas nisso, sobretudo com a parte primária do Código Penal [isto é, ao diferenciar a conduta proposital da consciente]”, declarou Owen Jones, professor de biologia voltada para o Direito da Universidade Vanderbilt e diretor da Fundação John D. and Catherine T. MacArthur para a Pesquisa entre Leis e Neurociência. "Porém, fomos pegos de surpresa com a aparente dificuldade que demonstraram ter ao distinguir entre 'consciente' e 'imprudente'".

O resultado dos estudos foi publicado na edição de fim de ano da New York University Law Review. Além de Owen Jones, participaram acadêmicos de Direito, juízes e pesquisadores da área de psicologia e neurociências da Universidade Tulane, do Colorado, e da Universidade Harvard.

O estudo teve 1.326 participantes. Eles tiveram que avaliar situações hipotéticas, com variações em relação ao dano causado à vítima e o grau de responsabilidade do réu. Ao participante cabia determinar o tipo de pena adequada com base nos tipos de condutas previstas pelo Código Penal. A maior quantidade de erros foi justamente cometida quando os candidatos tinham de diferenciar entre infrações cometidas por conduta consciente e imprudente.

“Se jurados não conseguem de fato diferenciar essas duas categorias, então, na pior das hipóteses, estamos submetendo alguns dos réus de homicídio — com o mesmo histórico e situação — a vereditos divergentes, com base nos caprichos de uma distinção sem sentido”, avaliaram os autores.

De acordo com o The National Law Journal, estudos anteriores haviam demonstrado que os seres humanos são bem sucedidos ao avaliar os estados mentais e condutas de terceiros. O estudo publicado pela New York University Law Review foi o primeiro, contudo, a avaliar essa capacidade de acordo com o Model Penal Code e em um experimento controlado. Ainda de acordo como NLJ, outros estudos já tinham tentado estimar a capacidade de jurados de entender os graus de culpabilidade com base no MPC, mas, por conta de problemas metodológicos, os resultados obtidos foram contraditórios e acabaram sendo desconsiderados.

Owen Jones, que coordenou a pesquisa, atribui as falhas e equívocos desse tipo, ocorridos no cotidiano do tribunal de júri, ao fato de temas como este serem pouco estudados. “Ficamos surpresos com o quanto os registros empíricos sobre questões como essa são raros. Eu só posso especular que, em parte, isso ocorre porque abordagens empíricas para questões jurídicas como esta ainda são um fenômeno relativamente recente”, ponderou.

 é correspondente da revista Consultor Jurídico nos Estados Unidos.

Revista Consultor Jurídico, 8 de janeiro de 2012, 9h45

Comentários de leitores

2 comentários

Júri é isso

Dali (Outros)

Creio que o Júri, por ser julgamento do povo, prescinda dessa diferenciação.

Lúcio Gama, leitor comum. Explicação para a dificuldade.

Jeová é a Lei Maior (Outros)

Uma das razões prováveis da dificuldade do povo comum fazer essa distinção pode ser ilustrado por como foi explicada a diferença, no quinto parágrafo do artigo. Observa-se que houve clareza na explicação do que vem a ser "conduta proposital" e "conduta consciente". Mas, não houve clareza na explicação da diferença entre "conduta imprudente" e "conduta negligente". Com a expressão "o primeiro", parece claro que o redator se referiu ao "primeiro tipo de conduta citado: a "imprudente". No entanto, na mente do leitor comum, resta a dúvida se ele não estaria se referindo ao segundo tipo, que é o "primeiro" mais perto da alusão. Isto talvez ocorra porque é comum a utilização dos pronomes demonstrativos "este" e "aquele" (em vez de "o primeiro" e "o segundo"), sendo que "este" se refere ao elemento mais próximo da alusão, ou seja, o "segundo").Desse modo, a dúvida na mente do leitor comum inviabiliza a retenção até que a dúvida seja dirimida. Observe-se que o exemplo considerado no parágrafo sexto parece negar que o redator tenha se referido realmente ao "primeiro" tipo "citado", pois a comparação por contraste subentende que ele se refira ao primeiro tipo a partir da alusão (ou seja, o segundo tipo), e não na ordem de citação. Como leitor comum, informo não ter ficado clara para mim (o que talvez fosse a intenção do título do artigo) a diferença entre crime "doloso" e "culposo", assunto de discussão entre mim e um amigo meu ontem à noite.

Comentários encerrados em 16/01/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.