Consultor Jurídico

Notícias

Comunicação privada

PGR quer improcedência de ação contra lei de TVs pagas

O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, apresentou parecer ao Supremo Tribunal Federal na Ação Direta de Inconstitucionalidade ajuizada pelo partido Democratas (DEM) contra a Lei 12.485/2011, que regulamenta o serviço de TVs por assinatura. O ministro Luiz Fux é o relator da ADI.

O partido argumenta que a norma transformou a Agência Nacional do Cinema (Ancine) em uma espécie de regulador absoluto das atividades de comunicação privadas não sujeitas a outorgas públicas, restringindo arbitrariamente liberdades individuais. Ainda de acordo com o DEM, a lei cria discriminação à atividade econômica de cidadãos vindos de outros países e restrição ao investimento de capital estrangeiro não previsto na Constituição Federal.

Mas, de acordo com a Procuradoria-Geral da República, as alegações de que a lei contraria o texto constitucional, ao menos em apreciação preliminar, não têm fundamento. Gurgel entendeu que a Ancine não tem poderes absolutos na regulação de atividades de comunicação privadas. Segundo ele, assim como ocorre em relação a qualquer agência reguladora, a norma que criou a Ancine (Medida Provisória 2.228/2001) delimitou seus objetivos (artigo 6º) e competências (artigo 7º), que consistem em “balizas intransponíveis para a sua atuação”. 

A PGR considerou que não procede o argumento de que haveria suposta intervenção desproporcional do Estado nas liberdades de expressão, de iniciativa e de concorrência, caracterizada por restrição arbitrária à liberdade do indivíduo. Pelo contrário: as normas legais impugnadas estão alinhadas à disciplina constitucional sobre a regulação estatal dos serviços públicos de telecomunicações. Com informações da Assessoria de Imprensa do STF.

ADI 4.679

Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 12 de abril de 2012, 17h35

Comentários de leitores

2 comentários

Plenamente de acordo com o PGR

Frankil (Agente da Polícia Federal)

Concordo plenamente com o Parecer da PGR. O resto é choradeira de quem queria monopolizar o setor de TV por Assinatura no Brasil.

Discordo.

Diogo Duarte Valverde (Advogado Associado a Escritório)

Discordo totalmente do parecer da Procuradoria Geral da República. Creio que não há como, de forma minimamente lógica, afirmar que a lei não restringe arbitrariamente liberdades individuais, a livre iniciatia e a livre concorrência. Até mesmo uma análise superficial da lei possibilita a clara constatação de restrições arbitrárias e inconstitucionais.
A Lei 12.485 trata-se de uma verdadeira demonstração de autoritarismo e nacionalismo terceiro-mundista, que em nada irá contribuir para a sociedade. Quem ganhará com esta lei são somente alguns lobbistas, sendo que a sociedade será a grande perdedora, pois perderá muito de seu direito de escolha.
Sim, é verdade que o serviço de televisão por assinatura está sujeito á regulação estatal, pois os serviços de telecomunicações têm natureza pública. Entretanto, isto não concede ao Estado o direito de legislar sobre o conteúdo televisivo de forma arbitrária, criando verdadeiras imposições. Regular é diferente de impor conteúdo "na marra".
Espero que a ação seja julgada procedente ao final. Entretanto, infelizmente, o parecer da PGR não me oferece muitas esperanças.

Comentários encerrados em 20/04/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.