Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Protesto na web

Site de reclamação contra montadora deve sair do ar

A 1ª Vara Cível de Concórdia, em Santa Catarina, determinou que seja retirado do ar o site meucarrofalha.com.br em 48 horas a partir desta segunda-feira (14/3), sob pena de multa diária de R$ 100. O site foi aberto para protestar contra a montadora Renault, e o juiz Renato Mauricio Basso entendeu que a consumidora cometeu abuso de direito. As informações são do jornal Folha de S. Paulo.

Segundo Basso, ao conceder o pedido de tutela antecipada, o fundado receio de dano irreparável foi caracterizado "tendo em vista que as fotos, vídeos e sítios estão veiculado às rede mundial de computadores, poderá atingir diariatemnte gama de consumidores, prejudicando, paulatinamente, a imagem da autora".

O site foi criado por Daniely Argenton, que também criou perfis em redes sociais e um vídeo no YouTube. Ela diz que comprou o modelo Mégane Sedan 2.0 há pouco mais de três anos, com dois anos de garantia, e que o veículo apresentou defeito já nos primeiros dias, que perdurou após a expiração da garantia. Segundo ela, desde a compra o carro apresentou problemas que até hoje não foram resolvidos. O carro encontra-se parado na sua garagem.

Segundo a Assessoria de Imprensa da Renault, Argenton não era a primeira proprietária do veículo, e que o objetivo da empresa era resolver a questão judicialmente, mas que foi “surpreendida” pela ação da consumidora na internet. 

Em seu perfil no serviço de microblogs Twitter, Argenton disse que vai retirar as páginas do ar. A Renault ligou para ela para marcar uma tentativa de reconciliação nessa terça-feira (15/3). “Vou escutar o que a empresa tem a dizer, pois o que queria era realmente ser ouvida. Espero que resolvam meu problema e se comprometam a respeitar seus clientes, de maneira que nunca fui respeitada”, afirmou a consumidora.

O caso se assemelha a um vídeo postado na internet em que um cliente reclamava da Brastemp e foi um dos assuntos mais comentados no Twitter. Diferentemente do site sobre a Renault, com essa repercussão, a empresa resolveu o problema que se arrastava por três meses.

Revista Consultor Jurídico, 15 de março de 2011, 0h12

Comentários de leitores

13 comentários

Me desculpem!

Justiceiro do Judiciário (Outros)

Quem com o juízo perfeito vai até uma loja e compra um Renault? Temos toyota e honda no mercado com preços não tão superior e a pessoa vai e pega um Renault? Os carros além de serem horrorosos, com especial destaque ao Logan, Pandero (Sandero) e o Clio... e todos os outros, são muito mal fabricados, péssimo acabamento, mecânica que deixa a desejar. Da mesma forma que não consigo e entender as pessoas que compram Hyundai com toda a fama do passado. Acreditam em propaganda? Esses carros depois de 5 anos de uso estão desmanchando! É a mesma coisa que acreditar que a CCE mudou! para vai! Slogan: "Renault o 'Mico' dos carros"

Muito Certo

JCláudio (Funcionário público)

A Sra. Daniely está mais do que certa em reclamar desta forma. Estas empresas montam as suas fabricas aqui, e nos trata como se fôssemos um bando de imbecis. O pior nesta história, é um juiz adotar a postura de censor. Censurou uma reclamação justa da consumidora. Pelo visto, fica parecendo que alguém está comprometido com a montadora. Esta decisão deste juizinho é de uma incompetência impressionante. Portanto, vamos copiar o vídeo e colocar em outros site para conseguirmos exorcizar esta cretinice da Renaut de vez do Brasil.

Responder lá

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Vejo que uma boa solução para o caso seria levar os fatos ao conhecimento da sede da empresa, na França. Isso soaria como uma bomba já que na Europa, em geral, as empresas respondem severamente pelos danos causados em outros países, nos termos da legislação vigente nos países.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 23/03/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.