Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Extensão de direitos

União homoafetiva entra na pauta do Supremo

Os julgamentos de dois processos que tratam da união homoafetiva devem acontecer, nesta quarta-feira (4/5), no Plenário do Supremo Tribunal Federal. Tratam-se de uma Ação Direta de Inconstitucionalidade e de uma Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental — ambas sob a relatoria do ministro Ayres Britto.

A ADI foi ajuizada pela Procuradoria-Geral da República e tem dois objetivos: declarar de reconhecimento da união entre pessoas do mesmo sexo como entidade familiar e estender os mesmos direitos dos companheiros de uniões estáveis aos companheiros nas uniões entre pessoas do mesmo sexo.

Segundo a PGR, “se deve extrair diretamente da Constituição de 1988, notadamente dos princípios da dignidade da pessoa humana (artigo 1º, inciso III), da igualdade (artigo 5º, caput), da vedação de discriminações odiosas (artigo 3º, inciso IV), da liberdade (artigo 5º, caput) e da proteção à segurança jurídica, a obrigatoriedade do reconhecimento da união entre pessoas do mesmo sexo como entidade familiar”.

O argumento principal da ADPF, por sua vez, proposta pelo estado do Rio de Janeiro, é o de que o não reconhecimento da união homoafetiva contraria preceitos fundamentais constitucionais como igualdade e liberdade e o princípio da dignidade da pessoa humana.

A ADPF pede que o STF aplique o regime jurídico das uniões estáveis, previsto no artigo 1.723 do Código Civil, às uniões homoafetivas de funcionários públicos civis do estado. A intenção é fazer com que os dispositivos do Estatuto dos Servidores Públicos Civis do Estado do Rio de Janeiro, que tratam sobre concessão de licença, previdência e assistência, também alcancem os homossexuais. Com informações da Assessoria de Comunicação do STF.

ADI: 4277
ADPF: 132

Revista Consultor Jurídico, 2 de maio de 2011, 17h02

Comentários de leitores

1 comentário

Torço por um final satisfatório...

Edwiges C. Pires (Estagiário)

Pois é meus caros....
Hoje é dia de STF decidir questão polêmica.....se o Estado reconhece ou não a união homoafetiva como união estável......
Bem, vou ser muito sincera....
Nosso conceito de família está mudando......e isto é bom....afinal, princípios constitucionais como o direito à igualdade e à liberdade e o princípio da dignidade da pessoa humana devem ser ampliados....
Pensemos também, antes de apontarmos nosso dedo hipócrita, em perguntar a uma criança que está jogada no orfanato se ela prefere ficar por lá ou ser adotada por uma “casal” que foge ao padrão tido como “normal”.
Não precisa nem dizer o que ela vai escolher, não é?????
Torço para que o STF afirme estas questões e que os casais homossexuais de todo o país tenham mais alguns direitos assegurados, entre eles a herança e a adoção.

Comentários encerrados em 10/05/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.