Consultor Jurídico

Notícias

Direito de manifestação

Marcha da Maconha entra na pauta do Supremo

Comentários de leitores

13 comentários

Um parâmetro - errata

Sargento Brasil (Policial Militar)

Onde se lê ...já perderam tudo na tenativa de torná-lo um ser normal perante a sociedade, sobe a liberação, o correto é ''sobre'' a liberação.

Um parâmetro

Sargento Brasil (Policial Militar)

O consumo de drogas não é crime, assim como a tentativa de suicídio não o é, por que? Por que o auto flagelo não é punível pelas nossas leis. Logo estão tentando descriminalizar o tráfico. Contudo, a indução ao suicídio é crime. Imaginem um movimento induzindo ou incitanto o suicídio como um ato normal. Todos sabem que as drogas ''não são salutares'', portanto, são nocivas à saúde alterando o sistema nervoso central, o que causa dano à saúde física e psicológica, principalmente as fumadas como a cannabis-sativa,em suas versões de maconha ou skank,em forma de cigarros, a cocaína transformada em crak, oxi ou hulk,fumada em cachimbos chamdados de maricas, o ópio fumado em cachimbos, com maior uso nos países asiáticos e o ecstase em comprimidos como ''animadores de festas'' alterador da corrente sanguínea,consequentemente o coração, o alucinógeno LSD (Lisergic Saure Dietilameid) consumido em micropontos equivalente à uma gotícula na ponta de um alfinete, a Heroína injetada, etc. (O nome maconha é o anagrama usado para o tráfico de cânhamo, no início do século passado). Finalizando, façam a pergunta aos familiares de quem é inveterado dependente de drogas e já perderam tudo na tentativa de torná-lo um ser normal perante sociedade, sobe a liberação. Em último caso, um plebiscito consultando a sociedade se concorda ou não. O que não pode permitir que empurrem goela abaixo a posição de uma minoria, que não é em benefício de todos, ao contrário.

Que o STF tenha bom senso!

Igor M. (Outros)

Fico feliz que o STF vá julgar logo a questão da Marcha da Maconha. E espero que siga o bom senso de reconhecer que é o mero exercício da liberdade de se protestar pela descriminalização e/ou pela legalização do entorpecente em questão, contrariando a o esdrúxulo argumento de que seria “apologia ao crime” – que, a meu ver, constitui em erro primário!

O resto é só juízo particular de valor...

A ATITUDE DE HOJE PODE SIGNIFICAR UM TIRO NO PÉ, AMANHÃ !

Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório)

Só espero que os simpatizantes da liberação nunca tenham que presenciar um filho(a) viciado(a), quer em maconha, quer em, qualquer outra droga, mais pesada, para a qual a 'canabis' serve de escada rumo a uma escalada mortal.

Condicionamentos mentais

acs (Advogado Assalariado)

Fomos ensinados que MÁconha é má.O Juízo de valor já integra o próprio substantivo.Abrir mão do que nos ensinaram é tão odiavel como quando disseram que a terra não gira em torno do sol.Não nos disseram que a maconha é utilizada beneficamente pelo homem a mais de seis mil anos e tem apenas quarenta anos que os imperialistas resolveram classificas-la como má e nos impor esse conceito que ,atualmente, já arraigado, nos é tão caro e parece ter sido parido nas nossas proprias cabeças.Não nos disseram que não adianta criminalizar uma conduta que vem a atender uma inexoravel necessidade do homem,tanto assim que todas as culturas humanas,sem exceção utilizavam drogas,em varios sentidos,como uma coisa positiva.Como é que agora querem dizer que DROGA não é veneno,que a diferença entre veneno e remedio é só a dose?LIBERA JAH.

SÓ QUERO SABER...

Fafá-sempre alerta (Outros)

COMO OS TRAFICANTES IRÃO SOBREVIVER ,SE ALGUMA DROGA FOR LIBERADA...MAIS ATAQUES A RESIDENCIA? ROUBOS A CAIXAS ELETRONICO? TRABALHAR PARA GANHAR POUCO É QUE NINGUEM VAI.

Dizer o óbvio!!!

Ronaldo dos Santos Costa (Advogado Sócio de Escritório)

Prezados comentaristas que me antecederam: não se trata de o STF autorizar ou deixar de autorizar! Ele apenas vai dizer o óbvio, ou seja, interpretar as leis ordinárias (Código Penal, lei 11.343 etc) à luz da Constituição da República! Nossa Constituição é muito jovem, mas tem muito a ensinar aos nossos Vetustos Códigos! Qualquer repressão à liberdade de expressão deve ser reprimida, com veemência. E não venham os arautos da moralidade apregoar que a passeata caracteriza apologia ao crime, pois não estão os seus integrantes incentivando o consumo de entorpecentes, mas sim pleiteando que os usuários não sejam penalmente punidos. Entre uma e outra conduta existe um abismo de dimensões gigantescas. Todos temos o direito de discordar da passeata, ao ponto de marcar, para a mesma data e horário, outra manifestação -igualmente pacífica- para contrapor seus argumentos. O que não se pode admitir é que o Judiciário proiba manifestações pacíficas e lícitas -já que, indiscutivelmente, não caracterizam crime-, sob o pálido argumento de que se subsomem aos tipos penais de apologia e incitação ao crime (seja o do CP, seja o da lei de drogas)! Como já questionou o Professor Salo de Carvalho, "qual será o próximo passo? Prender as mulheres que lutam pela descriminalização do aborto?" Sombrios os dias em que vivemos, em que não se admitem idéis contrárias às nossas, onde a tolerância é palavra a cada dia mais desconhecida de todos! Concordemos ou não, aceitemos ou não, precisamos TOLERAR IDÉIAS CONTRÁRIAS ÀS NOSSAS! Não é tão difícil! Só precisamos de um pouco de treinamento!

Drogas

Sargento Brasil (Policial Militar)

Todos sabem o mal que as drogas fazem. com referencia à maconha (cannabis sativa) devem levar em conta que essa erva já teve mudanças genéticas formando o skank, com princípios ativos e efeitos pelo menos sete vezes mais potentes, (já comentam que há até 20 vezes) sendo um arbusto bem menor que a anterior (normal). Quanto a liberação, por ser um ato que vai mudar o uso e o costume de uma sociedade, tenho a opinião que se deve fazer um plebiscito para verificar a vontade do povo, se deve ou não. Já foi feito um até na tentativa de mudar o sistema de governo para uma monarquia (coisa que o povo não demonstrou interesse em momento algum, nem fez passeata para tal), por que não fazê-lo já que tantos se manifestam favorável? Tem de ser de interesse de todos, não somente uma minoria.

Eu acho que o povo e eu, estamos de acordo com a procuradora

Deusarino de Melo (Consultor)

Liberdade de expressão é o que utilizamos, aqui e agora, para nosa identificarmos e nos solidarizarmos com as pessoas de bom senso, amigas do bem da humanidade e zelozas pelos melhores propósitos para o gênero humano.
Qualquer marcha, no afã de minorar os efeitos das drogas não só na mente dos viciados, mas na sociedade mundial, é uma MARCHA-À-RÉ.

Liberdade!

andreluizg (Advogado Autônomo - Tributária)

A despeito dos comentários que querem a proibição da marcha da maconha, e apesar de não usar qualquer tipo de droga ilícita, sou totalmente favorável à liberdade de expressão. A liberdade é um dos pilares da nossa constituição e da própria democracia. Vou além inclusive, acredito que toda punição ao usuário de drogas é uma aberração jurídica e social. Nenhuma lei, nem ninguém pode controlar meus pensamentos e minhas vontades quando estes não prejudicam diretamente outras pessoas. Ora, se quero prostituir, usar crack, cometer suicídio, problema é meu ou seu. Agora, quando tais atitudes indiretamente atacam o corpo social (violência e destruição da família pelas drogas, por exemplo), devem ser repelidas. Assim, tráfico deve ser combatido, mas se o cidadão quiser usar heroína até morrer em casa, problema é dele, pois nem todos os viciados querem ser curados. Assim, desde que nao se use em público, e não se trafique, é uma ótima idéia liberar as drogas mais leves.

PENSEM NAS CRIANÇAS

Ana Só (Outros)

Faço um apelo ao STF para que não aprove a MARCHA DA MORTE POR DROGAS. Que pensem nos meninos, meninas e adolescentes, já que estes, pela precária Educação que recebem - e cuja geração de seus pais também mal recebeu - não têm discernimento suficiente para decidir por si mesmos. Concordo com a Senhora que se manifestou abaixo. Curioso é que proíbem o cigarro, pois eu vejo, no Centro da cidade, todo mundo policiando o fumante, ao mesmo tempo que passam por nós, impunemente, pessoas portando cigarros de maconha, gente seminua e até sexo nas ruas do Centro à noite, sem falar no tráfico. Tem coisas muito mais importante por marchar: por prefeituras limpas e decentes, saúde, educação e o de sempre.

PENSEM NAS CRIANÇAS

Ana Só (Outros)

Faço um apelo ao STF para que não aprove a MARCHA DA MORTE POR DROGAS. Que pensem nos meninos, meninas e adolescentes, já que estes, pela precária Educação que recebem - e cuja geração de seus pais também mal recebeu - não têm discernimento suficiente para decidir por si mesmos. Concordo com a Senhora que se manifestou abaixo. Curioso é que proíbem o cigarro, pois eu vejo, no Centro da cidade, todo mundo policiando o fumante, ao mesmo tempo que passam por nós, impunemente, pessoas portando cigarros de maconha, gente seminua e até sexo nas ruas do Centro à noite, sem falar no tráfico. Tem coisas muito mais importante por marchar: por prefeituras limpas e decentes, saúde, educação e o de sempre.

!!!!!!!!

Neli (Procurador do Município)

Se o STF julgar favorável,amanhã quando tiver a Marcha da Cocaína,a Marcha do Craque,a Marcha do Oxi,ninguém poderá reprimir.Interessante essa gente:apedreja quem fuma cigarro e paparica quem fuma maconha.O cigarro pode causar,e se causar,problema para o fumante;já a maconha trás alteração.Quero a liberação da única droga que um dia usei,licitamente,num carnaval lá na minha infância:o lança perfume.
Não sei aonde vai parar o Brasil,ainda bem que sou velha e não tenho muito tempo de vida neste triste país.É cansativo.Ah,enquanto os pseudos intelectuais atiram pedradas em quem fuma cigarro lícito,a propaganda(sob o olhar obsequioso de autoridades dos três poderes),de cerveja continua na mídia diuturnamente.Tenho pressentimento de que as autoridades querem que o povo fique cada vez mais entorpecido,para não perceber a impunidade que ronda esse país.Viva Battisti! Viva quem matou o menino na USP.Pobre Brasil!

Comentar

Comentários encerrados em 18/06/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.