Consultor Jurídico

Colunas

Coluna do LFG

Justiça tende a responsabilizar escolas pelo bullying

Por 

Luiz Flávio Gomes - Coluna - Spacca - Spacca

** O bullying, objeto de recentes discussões diante da tragédia ocorrida no Realengo (Rio de Janeiro, 7 de abril de 2011), é conceito usado para definir o desejo (e a ação) consciente e deliberado de maltratar outra pessoa; o termo abrange comportamentos agressivos e antissociais, principalmente no que tange à violência escolar (Cleo Fante, citado por Lélio Braga in Portal LFG).

Em junho de 2010, comentamos decisão de primeira instância de Belo Horizonte que condenava um estudante de 7ª série a indenizar sua colega de classe em R$ 8 mil pela prática do bullying.

Ocupamo-nos novamente do assunto, desta vez para questionar a responsabilidade da escola na prática do bullying.

De acordo com a Constituição Federal (artigo 227), é dever da família, da sociedade e do Estado assegurar à criança e ao adolescente os direitos essenciais ao seu bom desenvolvimento e colocá-los a salvo de toda forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão. O dispositivo foi reproduzido pelo ECA (artigos 4º e 5º), diploma legal que regulamentou a norma constitucional.

O bullying retrata hipótese em que ambos os envolvidos devem ser objeto de atitudes da família, da sociedade e do Estado. Isso porque, de acordo com os estudos, aquele que pratica o bullying de alguma forma está sofrendo pela deficitária atuação familiar. Por outro lado, a vítima do bullying pode sofrer irreparáveis danos psíquicos (a exemplo do que, provavelmente, aconteceu com Wellington Menezes de Oliveira, o causador da tragédia no Rio de Janeiro).

Tomando-se em conta a orientação constitucional de que é dever da família, da sociedade e do Estado assegurar à criança e ao adolescente os direitos essenciais ao seu bom desenvolvimento, questiona-se qual seria a responsabilidade do Estado aqui representado pela escola.

Uma pesquisa jurisprudencial aponta para uma leve tendência em se afirmar que a responsabilidade da escola diante da prática do bullying é objetiva. Vejamos.

A responsabilidade no âmbito civil é espécie de responsabilidade jurídica e deriva da transgressão de uma norma civil pré-existente, com a consequente imposição, ao causador do dano, do dever de indenizar: Código Civil: Art. 927. Aquele que, por ato ilícito (arts. 186 e 187), causar dano a outrem, fica obrigado a repará-lo.

Esta responsabilidade civil pode ser: a) objetiva (baseada no risco), b) subjetiva (baseada na culpa), c) contratual e d) aquiliana (ou extracontratual). Basicamente, a responsabilidade civil subjetiva exige a comprovação (além dos elementos caracterizadores da responsabilidade que são a conduta humana, o nexo de causalidade e o dano ou prejuízo), a comprovação da culpa.

A responsabilidade objetiva, por outro lado, baseia-se na teoria do risco. Para facilitar a compreensão do assunto no tema em questão, transcrevemos trecho da conclusão do RE 109.615/RJ, relatado pelo ministro Celso de Mello, que versa sobre um acidente com um aluno (mas que poderia eventualmente iluminar a questão aqui discutida): "o Poder Público, ao receber o estudante em qualquer dos estabelecimentos da rede oficial de ensino, assume o grave compromisso de velar pela preservação de sua integridade física, devendo empregar todos os meios necessários ao integral desempenho desse encargo jurídico, sob pena de incidir em responsabilidade civil pelos eventos lesivos ocasionados ao aluno".

Aqui se constata a teoria do risco, ou seja, a parte assume o dever de evitar a lesão, logo, na sua ocorrência ela deve ser indenizada, independente da constatação da culpa.

Neste sentido, encontramos nos Tribunais de Justiça do Rio de Janeiro e do Distrito Federal decisões condenando escolas a indenizar as vítimas de bullying:

No Acórdão de número 317.276, julgado em 9 de julho de 2008, pela 2ª Turma Cível do TJ-DF, o relator Waldir Leôncio Lopes Júnior, concluiu haver responsabilidade objetiva da escola, diante da ocorrência de danos morais por abalos psicológicos decorrentes de violência escolar. Em suas palavras: “é certo que tais agressões, por si só, configuram dano moral cuja responsabilidade de indenização seria do colégio em razão de sua responsabilidade objetiva”.

No julgamento proferido pelo tribunal carioca (Apelação 0003372-37.2005.8.19.0208, julgado em 2 de fevereiro de 2011, pela 13ª Câmara Cível e relatada pelo desembargador Ademir Pimentel), a conclusão foi a mesma: havendo falha na prestação de serviço por estabelecimento de ensino, a responsabilidade é objetiva diante do reconhecimento de dano moral advindo da prática de bullying. Neste julgamento em específico, o estabelecimento educacional era prestador de serviço, incidindo na espécie normas do Código de Defesa do Consumidor (“Trata-se de relação de consumo e a responsabilidade da ré, como prestadora de serviços educacionais é objetiva, bastando a simples comprovação do nexo causal e do dano”).

A jurisprudência está se inclinando para a responsabilização objetiva (pura e simples) das escolas. Pensamos que o tema deva ser melhor equacionado, tudo dependendo do que a escola tem feito em termos de programas preventivos da prática do bullying. Esse é um dado que não poderia ser ignorado (de acordo com nossa opinião).

** Colaborou Áurea Maria Ferraz de Sousa, advogada pós-graduada em Direito Constitucional, Direito Penal e Processual Penal, e pesquisadora.

Topo da página

 é doutor em Direito penal pela Universidade Complutense de Madri e mestre em Direito Penal pela USP. Foi Promotor de Justiça (1980 a 1983), juiz de Direito (1983 a 1998) e advogado (1999 a 2001). É autor do Blog do Professor Luiz Flávio Gomes.

Revista Consultor Jurídico, 9 de junho de 2011, 12h49

Comentários de leitores

3 comentários

Disse tudo!

Vitor Guglinski (Advogado Autônomo - Consumidor)

Simplesmente insuperável e irretocável o comentário do Dr. Fernando José Gonçalves! Também passei por isso tudo, e só vim a conhecer o termo "bullying" há alguns anos. Também conservo boa parte dos meus amigos "bullynger's". Só não tenho mais contato com aqueles que se mudaram para longe em razão de aprovação em concursos etc. É inegável que as brincadeiras de outrora ganharam alguns "requintes" hodiernamente. Contudo, penso, sinceramente, que a mídia faz muito estardalhaço em torno da coisa, sendo que a questão do bullying, nos moldes como é praticado hoje, é muito mais decorrência de mazelas familiares, isto é, de falta de educação mesmo.

TENDER, NÃO, OBRIGAR, SIM!

Deusarino de Melo (Consultor)

A nossa justiça parece mesmo bastante fraca. Numa situação destas do BULLYING, apenas tende...
As escolas, sejam particulares ou públicas, abrigam crianças e jovens que MERECEM estar alí em SEGURANÇA!
Os diretores, os professores, os serventes, os vigias etc., também!!!

ERA DA BOLHA HIPERBÁRICA

Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório)

No meu tempo de escola, 'grupo escolar'; 'ginásio', etc., José era Zé; afro descendente era 'neguinho'; obeso era 'pelota', baixo era 'envelope'; magro era 'palito';ruivo era 'foguinho'; estudioso era 'c.d.f' e os mais fracos, fisicamente falando, eram 'escalados' pelos mais fortes para embates corporais depois da aula, na rua, formando-se uma roda de alunos, onde um esticava o braço entre os 'contendores' e os mandavam 'cuspir', momento em que este "denominado carrasco", encolhia o braço fazendo com que um fosse atingido pela cuspida do outro. Alguns sopapos depois e todos iam juntos jogar bola de gude, empinar pipas, bater uma pelada, lançar peão na cela, fazer 'guerra' de mamona (quem já foi atingido por uma no rosto sabe o que bom), para tudo reiniciar no dia seguinte, na mesma escola, na mesma sala na mesma saída e, depois, com as mesmas brincadeiras, descalços ou de 'alpargatas', de calção (n/existia bermuda)e , se calor, sem camisa. De todos esses meus amigos, "bullynger's" nenhum se tornou bandido, nenhum precisou fazer terapia, nenhum virou vagabundo e dos que ainda restam, quando possível, fazem questão de se falarem, combinarem um churrasco com as famílias (todos já são pais e até avôs).Traumas? Sequelas ? Mágoas ? Rancores ? Ora, acho que não sabíamos o significado disso tudo; apenas curtimos a infância; as travessuras,os apelidos, as 'pimbas na orelha' e o que se entendia como absolutamente 'normal'. Sem que nos déssemos conta,isso também fez parte do ensinamento para a vida, da qual, entre mortos e feridos, salvaram-se todos, com muita sensatez, equilíbrio e exemplo para passar aos filhos.

Comentários encerrados em 17/06/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.