Consultor Jurídico

Artigos

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Treze minutos de horror

Prova colhida no caso da escrivã nua é ilícita

Por 

O filme está no YouTube: “Escrivã de polícia deixada nua na delegacia e presa”. Seus 13 minutos de duração estão entre as coisas mais chocantes que se pode ver.

Uma diligência policial foi planejada para prender em flagrante a escrivã, que teria recebido propina de alguém. Uma comitiva de policiais civis, mais pelo menos uma PM, invade a sala e dizem que vão revistar a escrivã e tirar-lhe a roupa.

O artigo 249 do Código de Processo Penal é claro: “A busca em mulher será feita por outra mulher, se não importar retardamento ou prejuízo da diligência”. As exceções não ocorrem, pois a diligência foi planejada, até com o uso de câmara de vídeo e, além disso, havia uma policial presente. A escrivã postulou seu direito inequívoco: “Não vou ficar pelada na frente de homem”. Pediu que chamassem mulheres da Corregedoria. Nada. Abusando ostensivamente de sua autoridade um policial diz que não vai acatar o que é direito dela. Indo ao máximo da “reificação” (transformação de pessoa em coisa) diz: “você não tem que querer”.

Em reiteração do abuso, grita que vai prendê-la em flagrante por desobediência e resistência, dois delitos — ele sabia perfeitamente — que de modo algum estavam ocorrendo. A ordem para tirar a roupa não era legal (como se vê do dispositivo acima) e a escrivã, de maneira recatada e respeitosa, apenas postulava o que a lei lhe concede, sem resistência alguma.

Aí vieram as algemas. A Súmula Vinculante 11 do STF diz que “só é lícito o uso de algemas em casos de resistência e de fundado receio de fuga ou de perigo à integridade física própria ou alheia, por parte do preso ou de terceiros, justificada a excepcionalidade por escrito, sob pena de responsabilidade disciplinar, civil e penal do agente ou da autoridade e de nulidade da prisão ou do ato processual a que se refere, sem prejuízo da responsabilidade civil do Estado”.

Nada disso ocorria, mas a escrivã foi algemada com as mãos para trás, para outros fins: não para coibir a inexistente resistência ou uma impossível fuga, mas para que lhe fosse infligida dor física (a isso se chama tortura), reduzindo sua capacidade de reivindicar o que lhe era de direito.

Em cenas típicas de um estupro, policiais deitam a escrivã algemada no chão e arrancam-lhe calças e calcinhas, expondo-a em toda a sua intimidade não só àqueles homens como à objetiva.

Para maior humilhação, toda a filmagem foi parar — adivinhem por obra de quem — na internet.

Isso só não escandaliza quem perdeu a capacidade de se indignar diante da prepotência e da violência, do abuso de autoridade, do excesso policialesco típico da ditadura militar da qual pensávamos ter nos livrado.

Mulheres e homens que assistiram ao vídeo ficaram absolutamente chocados com o grau de brutalidade gratuita, exibida com empáfia e certeza de impunidade.

A ilegalidade do que foi feito é a mais flagrante possível. Foi deliberada e abertamente violada a determinação legal de não expor a mulher à manipulação por homem. A vítima foi até longe demais ao dizer “se quiser me passar a mão, passa, mas eu não vou ficar pelada na frente de homem”; pior, ao se ver desgraçada, acedeu à abusiva e ilegal imposição do beleguim, desde que os outros homens e a câmera saíssem da sala. Tudo em vão, pois o que valia era degradar a vítima e bravatear na internet. Grandes machos, valentes, bravos, quando se juntam em bando conseguem submeter uma solitária mulher à sua vontade.

As forças armadas tiveram “heróis” que se orgulhavam de bater em pessoas amarradas. Há autoridades que algemam para dar-se ao heroico gesto de agredir gente incapacitada de reação e submetida a dor física. Os que o fazem são tão burros que não enxergam sequer a lição da História, a mostrar que os torturadores da polícia jamais chegaram à classe especial (como os das forças armadas jamais atingiram o generalato) por uma razão muito simples: quem manda fazer o serviço sujo despreza não só o serviço (do contrário fá-lo-ia), como despreza quem aceita prestá-lo; por isso os valentes de agredir gente algemada jamais subiram na carreira.

Não há a menor dúvida quando à ilicitude da prova colhida da maneira exibida no vídeo, o que a torna inadmissível no processo, como diz o inciso LVI do artigo 5º da Constituição. Ou seja, além de desrespeitar ilegalmente uma pessoa, os policiais envolvidos na operação anularam a prova que, se obtida por meios lícitos, poderia levar à condenação da servidora.

Está aí uma boa oportunidade para as autoridades do Poder Executivo e o Ministério Público mostrarem ao povo compromisso com a legalidade, os direitos humanos e o respeito à dignidade da mulher. É deles o papel de promover, na forma da lei, a responsabilização criminal, civil e disciplinar dos partícipes dessa brutalidade, não só pelo que fizeram, mas também pelo prejuízo da prova que tão arrogantemente invalidaram.

Ninguém pode se deixar envolver pelo discurso de que esse é o preço para limpar a Polícia porque, se o for, melhor que fique suja.

Fosse esse o preço, não se deveria pagá-lo, mas sim adotar atitude que faria cada servidor pensar duas vezes antes de dar vazão a uma barbaridade como essa.

 é advogado criminalista e presidente do Conselho Deliberativo do Instituto de Defesa do Direito de Defesa.

Revista Consultor Jurídico, 23 de fevereiro de 2011, 11h26

Comentários de leitores

39 comentários

OS COVARDES E SEUS DEFENSORES!

Antonio de Assis Nogueira Júnior (Serventuário)

São Paulo, 26 de fevereiro de 2011.
Senhor Diretor: Os Comentadores que não se identificam com o nome completo são COVARDES. O anonimato é o esconderijo perfeito para os covardes. Houve ilícito, sim; crime da Senhora Escrivã, também houve; aliás, pequeno diante e dentro das ilicitudes e dos crimes que ocorrem nesta Terra Tropical... Repito: Punição exemplar para os COVARDES torturadores da Escrivã, não vamos nos esquecer que é ela MULHER, se ocorrer, será sempre refresco! (A nossa Legislação não permite punição exemplar - PUNIR EXEMPLARMENTE AOS COVARDES TORTURADORES só "extraditando-os" para os EUA ou outro país civilizado que acerta mais em fazer JUSTIÇA do que injustiça).O Brasil está condenado à barbárie e as coisas vão piorar muito, muitíssimo nos próximos quatro anos. A nossa Polícia com salário baixo ou alto ou digno continuará sendo a mesma: Violenta, covarde e que realiza na sua plenitude a PENA DE MORTE (Proibida pela Constituição Cidadã); assim, sem custos para o Estado (a Lei Maior NÃO permite a pena de prisão perpétua nem a pena de morte - exceto em tempos de guerra -, então a PENA DE MORTE é realizada tanto pelos Agentes do Estado como por particulares raivosos ou não, quase sem despesa. Processo judicial exige ampla defesa etc. e é ele caro). Polícia "burra" e com setores que vivem da corrupção de forma contumaz (Basta verificar o patrimônio de filhos, esposa, pais, avós, sem esquecer os "laranjas") como a brasileira acho que nem na África há! Por outro lado, há um diminuto e, quase insignificante, Setor Policial(Federal, Estadual e Municipal) decente e honestíssimo, que, podemos afirmar, sem exagero, que está entre as melhores do mundo civilizado. No resto, é lixo.Respeitosamente,Antonio de Assis Nogueira Júnior-Servidor Público
An

...

Fabrício (Advogado Autônomo)

Quanta ignorância, e, pior, vinda de quem se diz profissional do direito. O que antecede à filmagem do dinheiro, até então tratado como fruto de propina? Resposta óbvia e elementar: a busca, estúpido!!! Se não tivesse havido abuso de autoridade e constrangimento ilegal durante a busca, não haveria se constituído a possível prova da propina. A revista é que foi ilegal, portanto, a prova (dinheiro) foi obtida por meio ilícito (abuso de autoridade). isso é tão elementar, que é difícil crer que profissionais - um que se diz juiz, inclusive - não consigam entender algo tão primário. A tempo: que diferença faz se a revista foi filmada ou só tivesse sido testemunhada? Por acaso a filmagem legitimou a busca? Tenham paciência.

Poupe-me, Sandro Couto

Directus (Advogado Associado a Escritório)

Então o senhor acha que é possível a alguém cometer um crime, bastando o agente responsável cometer outro crime para que o primeiro delito seja desconsiderado?
E eu sou o errado?
Um crime pode anular outro, é?
Ora, poupe-me de sua estreiteza.
Eu jamais defendi o abuso de autoridade. Repudio veementemente esse tipo de prática.
A minha diferença para com o senhor é que eu não FINJO que o delito anterior não existiu.
Acho que o senhor não leu meu comentário até o fim. Se fosse um filho seu sequestrado, e a polícia estourasse o cativeiro sem mandado, DUVIDO que o senhor teria a coragem de pregar a impunidade do sequestrador.
Veja bem quem é que está com falácias por aqui...

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 03/03/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.