Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Ato isolado

CNJ não abrirá processo contra presidente do TRE-RJ

O Conselho Nacional de Justiça decidiu, nesta terça-feira (15/2), por oito votos a sete, rejeitar a abertura de processo administrativo disciplinar contra o ex-presidente do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro e atual presidente do Tribunal Regional Eleitoral do estado, desembargador Luiz Zveiter. O processo foi aberto pelo próprio CNJ, depois de receber uma reclamação contra o desembargador.

No Pedido de Providências analisado pelo Conselho, o desembargador era acusado de infração disciplinar por ter aparecido em vídeo, durante as últimas eleições, apoiando a candidatura do irmão, Sérgio Zveiter (PDT), eleito deputado federal. A defesa de Zveiter, comandada pelo advogado Márcio Thomaz Bastos, afirma que o desembargador não autorizou a exibição do vídeo na televisão. E que o relato não passou de um depoimento, no qual ele não pede votos.

No julgamento, venceu a divergência aberta pelo conselheiro Milton Nobre, com o entendimento de que a participação de Luiz Zveiter em vídeo, onde presta depoimento em favor do irmão, consistiria num ato isolado e, por isso, não poderia ser considerado como atuação político partidária.

Votaram com a divergência aberta por Milton Nobre, os conselheiros Leomar Barros Amorim, Nelson Tomaz Braga, Paulo Tamburini, Walter Nunes da Silva Jr, Morgana Richa, Marcelo Nobre e Cezar Peluso (presidente do CNJ e do Supremo Tribunal Federal).

Para o presidente do CNJ, o fato que suscitou o Pedido de Providências é atípico e não está ligado a nenhum tipo de incompatibilidade entre a atuação do desembargador e uma possível atividade político partidária. Peluso ressaltou, ainda, que a instauração de um processo contra Zveiter lhe pareceria atitude excessiva, além de representar um constrangimento. E destacou que, para um magistrado que se preze, “ter contra si instaurado, após uma sessão pública, a pendência de um procedimento que lhe é absolutamente desconhecido já representa uma pena”.

Já a relatora do pedido de providências, ministra Eliana Calmon, votou pela instauração de processo disciplinar contra o desembargador e propôs o afastamento dele de suas atividades junto ao TRE do Rio de Janeiro. A ministra afirmou ser possível concluir que a participação de um presidente de Tribunal de Justiça em vídeo de cunho nitidamente profissional, junto a manifestações do governador do estado e do prefeito do Rio de Janeiro, em favor da candidatura de Sérgio Zveiter, comprova uma atuação político-partidária.

A ministra ressaltou que o TJ-RJ, então presidido pelo desembargador Luiz Zveiter, tem participação na escolha de seis dos sete juízes do Tribunal Regional Eleitoral, bem como que os juízes eleitorais são juízes estaduais que atuam cumulativamente na Justiça Eleitoral, tudo a demonstrar que a obrigação do representado era de manter conduta exemplar. Votaram com a corregedora os conselheiros Ives Gandra Martins Filho, José Adonis Callou de Araújo Sá, Jefferson Kravchychyn, Jorge Hélio Chaves de Oliveira, Marcelo Neves e Felipe Locke Cavalcanti. Com informações da Agência de Notícias do CNJ.

PP 0005478-67.2010.2.00.0000

Revista Consultor Jurídico, 15 de fevereiro de 2011, 14h35

Comentários de leitores

4 comentários

Consitência dos votos vencidos???!!!

Gilberto Serodio Silva (Bacharel - Civil)

Consistência que conheço é de bolo. Quem quer saber de voto vencido era embargo de infringentes. Quero saber da solidez dos votos vencedores.
E o julgamento do bargador Roberto Wider no CNJ quando será? CPI da Alerj concluir que ele tinha esquema com um lobista que segundo uma juiza de direito assediada moralmente pelo banqueiro condenado e apenado, Daniel Dantas, lustrava os sapatos nos tapetes vermemlhos da corte, isso é claro, antes da administração Zveiter. Os cães ladram a caravana passa....Até delegacias de polícia o presidente Luiz Zveiter construi com dinheiro do Fundo Especial.

Quem elegeu Sérgio Zveiter pelo PDT?

Gilberto Serodio Silva (Bacharel - Civil)

Os votos do deputado Wagner Montes formando a maior bancada na ALERJ. O que a matéria não esclarece é que a materialide, o tal vídeo, foi em Abril de 2010 quando da tragédia que matou 200 pessoas no Morro do Bumba aqui em Niteroi.
Quem forneceu mobilizou recursos humanos e pricipalmente transporte para donativos e volutários, foi o TJ-RJ, que mora e sempre morou em Niterói, diferente do prefeito que mora em Miami.
Aliás, é sempre possível encontra-lo nas ruas, comércio e restaurantes de Icaraí nos fins de semana, sem nenhuma segurança.
O TJ-RJ tem dois momentos, antes e depois de Luiz Zveiter, e me considero uma pessoa insuspeita para fazer esse juízo de valor e comentários.
Inveja é uma m.....

A CONSISTÊNCIA dos VOTOS VENCIDOS, NOS FAZ PENSAR MUITO ....

Citoyen (Advogado Sócio de Escritório - Empresarial)

Pois é.....
Leram e analisaram a consistência dos VOTOS VENCIDOS?
Se o fizerem, verão que o CONTEÚDO POLÍTICO dos VOTOS VENCEDORES é TÃO INTENSO que, realmente, se estivéssemos vivendo a ERA da RECONSTRUÇÃO da ÉTICA, os VOTOS VENCIDOS SERIAM os VENCEDORES!
Mas, já que estamos vivendo a ERA da DESCONSTITUIÇÃO da ÉTICA, os VOTOS VENCEDORES, por estarem na ERA do GELO, continuam a seguir seu destino, isto é, arquivar os processos contra os que os conseguem!
Mas estou com os VOTOS VENCIDOS e "não abro", eles contribuem para DIGNIFICAR o que resta de ÉTICA nesse PAÍS, no meio da MAGISTRATURA!

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 23/02/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.