Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Defensor no Legislativo

Suplicy lê carta de Battisti no Senado e o defende

Suplicy lê artigo de Dalmo Dallari sobre caso Cesare Battisti - Agência SenadoO senador Eduardo Suplicy (PT-SP) leu, no o Senado, carta escrita pelo italiano Cesare Battisti. Ele se manifestou em favor da libertação imediata do ex-ativista. No documento, lido na tarde desta quinta-feira (3/2), Battisti nega ter cometido os assassinatos pelos quais o governo italiano o condenou. As informações são do UOL Notícias.

Suplicy recebeu a carta do italiano durante visita feita no Complexo Penitenciário da Papuda, em Brasília, onde Battisti está preso. Ele aconselhou seus colegas a visitarem o italiano para se convencerem de sua inocência. Para o senador, a condenação de Battisti foi baseada em “delação premiada e produzida em ambiente político conturbado”.

Em resposta, o senador Demóstenes Torres (DEM-GO) alegou que “a Justiça brasileira não tem competência para rever a decisão tomada em um país democrático”, como é o caso da Itália.

Leia a carta de Battisti na íntegra:
“Aos senhores e às senhoras senadoras e senadores, deputados e deputadas federais e ao povo brasileiro,

De forma humilde, desejo transmitir aos representantes do povo brasileiro no Congresso Nacional um apelo para que possam me compreender à luz dos fatos que aconteceram na Itália desde os anos 70, nos quais eu estive envolvido.

É fato que nos anos 70 eu, como milhares de italianos, diante de tantas injustiças que caracterizavam a vida em nosso país, também participei de inúmeras ações de protesto e, como tal, participei dos proletários armados pelo comunismo. Nestas ações, quero lhes assegurar que nunca provoquei ferimentos ou a morte de qualquer ser humano.

Até agora, nunca qualquer autoridade policial ou qualquer juiz me perguntou se eu cometi um assassinato. Durante a instrução do processo e o julgamento onde fui condenado à prisão perpétua, eu me encontrava exilado no México e não tive a oportunidade de me defender.

Durante os últimos 30 anos, no México, na França e no Brasil, dediquei-me a escrever livros e as atividades de solidariedade às comunidades carentes com quais convivi.

Os quase 20 livros e documentários que produzi são todos relacionados a como melhorar a vida das pessoas carentes, e como realizar justiça social, sempre enfatizando que, o uso da violência compromete os propósitos maiores que precisamos atingir. Desejo muito colaborar com estes objetivos de construção de uma sociedade justa, no Brasil, por meios pacíficos, durante o resto de minha vida.

CESARE BATTISTI

Papuda, 03/02/11"

Revista Consultor Jurídico, 3 de fevereiro de 2011, 18h22

Comentários de leitores

17 comentários

SUPLICY DIZ QWUE BATISTI É INOCENTE

Joel Geraldo Coimbra (Advogado Autônomo)

É uma vergonha defender BATISTI. O Senador Suplicy não pode afirmar que ele é inocente, porque não conhece o processo que o condenou. Se o ilustre senador que fazer justiça, deve ter coragem de defender a soltura dos presos políticos de Cuba, Irã,Venezuela e outras ditaduras!Batisti já foi julgado e condenado em processo regular, com direito de defesa, agora precisa cumprir a pena pelos crimes bárbaros que cometeu. O Supremo Tribunal Federal precisa corrigir com urgência o erro do Lula e mandar esse bandido de volta pro seu lugar: o cárcere italiano.Já temos bandidos demais aqui.

Senador Suplicy é cada vez mais um ser limitado?

Antonio de Assis Nogueira Júnior (Serventuário)

São Paulo, 04 de fevereiro de 2011.
Senhor Diretor:
infelizmente o Senador Suplicy encontra-se em adiantado estado de senilidade e ninguém tem coragem para dizer isso para ele. É o Senador, sem dúvida, uma pessoa justa, defendendo o que não se pode defender. Com a idade ele parece-me cada vez mais LIMITADO como intelectual, isto é, buscou a vida toda ser intelectual de verdade e nunca o conseguiu. Sejamos justos: ele tentou para valer. Vamos perdoá-lo por mais este ato (não sei se é infantil, ou senil, ou...)na tribuna do Senado.
Pela Justiça italiana ele está condenado. Repito: ele perdeu a Guerra. O Capitalismo venceu! E, ele como perdedor, foi condenado não só pela história. Este assunto está cada vez mais repetitivo, inócuo e estéril. O Sr. Battisti deveria encerrar este assunto e voluntariamente voltar para a Italia. A coragem do passado bem que poderia se manifestar agora no presente. Vamos enfrentar para valer o Poder Judiciário italiano (Revisão Criminal etc.). Do jeito como está, ele só está agravando a sua situação. Luzes de inteligência e de bom senso. Encerrem este assunto de uma vez por todas Senhor Battisti! Coragem!
Respeitosamente,
Antonio de Assis Nogueira Júnior
Servidor Publico

MATOU O PAI E A MÃE COITADO TENHAM DÓ DE UM POBRE ÓRFÃO.

PEREIRA (Advogado Autônomo)

O processo correu a revelia porque Batistti estava exilado no México, ao invés de voltar para sua terra defender-se. Fugiu do processo para escapar a prisão e agora argumenta que não pode se defender.
O cara parece um gênio, tem tanta coisa para fazer em prol dos necessitados, motivo pelo qual deveria ser extraditado para ajudar o País dele e os familiares que perderam seus filhos quando o crime ocorreu.
Deem a ele a oportunidade de defender-se, na marra, porque se soltar e foge, no País dele, o Brasil já tem condenados demais para cuidar, e não pode dar o mal exemplo de deixar um condenado a prisão perpetua ficar solto. Já chega os colarinhos brancos daqui.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 11/02/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.