Consultor Jurídico

Artigos

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Nível da advocacia

Exame protege o cidadão que precisa de advogado

Por  e 

Pesquisa realizada pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) junto aos bacharéis em Direito que realizaram a primeira fase do mais recente Exame de Ordem traz revelações importantes para a compreensão de quem realmente se opõe ao certame de ingresso na Advocacia e a quem interesse a controvérsia criada em torno do tema.

Nada menos do que 83% dos entrevistados consideram o Exame importante ou muito importante para manter o bom nível da Advocacia. Nitidamente favoráveis à realização do Exame correspondem a 82%, enquanto 86% preferem o modelo unificado em todo o país, como o que vem sendo adotado pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). Sua utilidade é reconhecida por 75% dos bacharéis, 62% consideraram acertada a contratação da FGV para a aplicação das provas, e 57% apontam como causas para o elevado índice de reprovação tanto o fraco desempenho de qualidade das faculdades quanto o próprio despreparo dos alunos. Apenas 26% consideram ruim ou péssimo o atual formato do certame.

A pesquisa, realizada pela FGV Projetos, na qual foram ouvidos 1.500 bacharéis de Direito em todas as regiões do país, expõe a majoritária aceitação do Exame de Ordem pelos próprios examinados. Registre-se que entre os entrevistados, 80% já tinham se submetido a um ou mais Exame. Trata-se de um público composto por pessoas que foram reprovadas em pelo menos um teste. Se tal pesquisa fosse aplicada entre os que lograram êxito no Exame, tal índice seria de quase completa aprovação.

A questão a ser posta, então, é saber quem são os reais oponentes do Exame e os verdadeiros interessados nesta polêmica. Tal resposta pode ser buscada em outro dado estatístico, referente ao índice de aprovação no Exame por instituição de ensino superior. As Universidades Federais possuem uma média de aprovação superior a 60%. A Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), para ficar apenas em um exemplo, aprovou 72% de seus alunos no último Exame de Ordem. Algumas faculdades particulares, conhecidas por sua excelência de ensino, também alcançam uma expressiva aprovação.

Entretanto, um número significativo de faculdades não conseguem ultrapassar o percentual de 5% de aprovação. Não é de hoje, a Comissão de Ensino Jurídico da OAB vem denunciando essa situação, alertando para a necessidade de uma fiscalização mais efetiva junto a essas instituições e até mesmo propondo o fechamento daquelas que se revelam como meras fábricas de diplomas, sem nenhum comprometimento com a qualidade de ensino. Mesmo assim, não tem sido suficiente para assegurar a moralização do setor, que abriga o gigantesco número de mais de mil faculdades em funcionamento do país.

Conforme os números demonstram, as faculdades particulares que investem em seus quadros profissionais e em infraestrutura constituem exemplos notáveis de desempenho, ao lado das tradicionais instituições públicas, sendo os cursos de ocasião, cujo objetivo é exclusivamente mercantil, aqueles que mais se opõem e lançam críticas ao Exame. Com isso, não apenas prestam um desserviço à sociedade, como se mostram incompetentes ao não reconhecer na qualidade de ensino um atrativo aos estudantes que buscam uma carreira de sucesso no Direito.

Infelizmente, alguns bacharéis menos avisados tornam-se presas fáceis dos artifícios montados pelos opositores do Exame e buscam a todo custo forçar uma situação que lhes permitam ingressar na carreira, incorrendo prematuramente no grave delito de burlar a legislação federal (Lei 8.906), segundo a qual a Exame é necessário para o exercício da Advocacia.

O Exame, afinal, protege o cidadão que necessita da Advocacia, mais ainda de uma Advocacia de qualidade, devidamente aparelhada para a defesa de sua liberdade e de seus bens. No sistema jurídico, não basta possuir direito; imprescindível se faz a defesa adequada, sob pena de seu perecimento.

Se a OAB usasse da mesma lógica mercantil que move as “fábricas de diploma”, o ingresso de três milhões de novos advogados em seus quadros quadruplicaria, ou quintuplicaria, a arrecadação por meio das anuidades que lhes são cobradas. Entretanto, não somente estaria contribuindo para o mais escandaloso quadro de estelionato educacional, como negando sua própria origem e compromisso com a grandeza de nossa cultura jurídica. Os 80 anos da entidade são testemunhos da opção preferencial da OAB pela defesa da sociedade brasileira.

Marcus Vinicius Furtado Coêlho é Secretário-Geral do Conselho Federal da OAB.

Ophir Cavalcante Júnior é presidente do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil.

Revista Consultor Jurídico, 3 de fevereiro de 2011, 18h21

Comentários de leitores

35 comentários

As Perguntas que não querem calar

JAV (Advogado Autônomo)

A OAB garante ao cidadão que necessita da advocacia, se este contratar um Advogado aprovado no exame de ordem, que:
.
1-O Advogado usará os instrumentos mais adequados?
2-O Advogado nunca perderá um prazo?
3-O Advogado jamais agirá de má fé contra quem o contratou?
.
e a mais importante:
.
Ela irá ressarcir ao cidadão caso o advogado, aprovado no exame de ordem, incorra em uma das três situações acima??
.
Se a resposta da última pergunta for SIM, então "VIVA O EXAME DE ORDEM"
.
Caso contrário, protegerá DE QUE???????????????

A raposa como guardiã do galinheiro 2

José Carlos Guimarães (Jornalista)

Tenho a impressão que os profissionais que defendem o Exame de Ordem não conhecem suas irregularidades e mazelas - arrogantemente ignoradas pela banca,pela OAB e pelos presidentes dos conselhos.
Sem entrar no mérito do exame ( que condeno),diversas questões são mal formuladas, muitas vezes com erros materiais NO ENUNCIADO e nem por isso anuladas, pois a banca se faz de morta. Pior: MUDA TEXTO DE LEIS e de modo cínico alega no recurso que "a resposta é consoante o art tal" - quando na verdade o texto da lei é diferente. Várias têm duas respostas aceitáveis e nem por isso anuladas.
E por fim vale ponderar que um exame onde há 88% de reprovação, alguma coisa deve estar errada - e não, necessariamente nos examinandos. Para avaliar o que defendem, os profissionais deveriam baixar as provas na internet e TENTAR passar no exame. Como bem comentou o advogado Junior Brasil muitos não conseguiram metade dos acertos - e nem ao menos estavam submetidos a responder em 32 segundos cada uma das 500 questões enunciadas.

A REALIDADE É DURA!

Roselane (Advogado Autônomo - Família)

ENGANO!
TODO ESTUDANTE DE DIREITO TEM O DEVER EM SABER QUE:
1)PARA ADVOGAR SERÁ NECESSÁRIO O EXAME DA ORDEM.
2)PARA SER DELEGADO, JUIZ ETC SERÁ NECESSÁRIO O CONCURSO PÚBLICO.
ORA,QUEM CONCLUI O CURSO É BACHAREL EM CIÊNCIAS JURÍDICAS E SOCIAIS E NÃO ADVOGADO.
PENSO QUE MUITAS FACULDADES ESTÃO PASSANDO UM CONCEITO ERRADO AOS SEUS ALUNOS.
NA SEMANA PASSADA CONVERSANDO COM UM AMIGO, QUE É MESTRE EM ODONTOLOGIA E ESTUDANTE DE DIREITO DE UMA FACULDADE "MEDÍOCRE" DE SP, ELE FOI CATEGÓRICO EM ASSUMIR SER CONTRA O EXAME DA ORDEM. ENTENDEU? ALEGOU SER RESERVA DE MERCADO.
NO ENTANTO, EU DISCORDO E SEMPRE AFIRMEI O QUE CONSTA NO ARTIGO DE QUE PARA A OAB SERIA MAIS VANTAJOSO RECEBER A ANUIDADE(CARÍSSIMA!!!!).
MAS A TODOS OS BACHARÉIS DESEJO BOA SORTE, NÃO DESANIMEM QUE UMA HORA DARÁ CERTO !!!!
ABÇS
ROSELANE

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 11/02/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.