Consultor Jurídico

Artigos

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Nível intelectual

Indicação de Fux para o STF é boa para o tribunal

Por 

Antes ele foi promotor de Justiça no Rio de Janeiro, por concurso, depois juiz de Direito, primeiro lugar no concurso e foi nessa época que eu o conheci como um dos garotos prodígios que o Sálvio, ministro Sálvio Figueiredo, descobria para os seminários e congressos jurídicos da Escola Nacional da Magistratura.

O Sálvio tinha esse lado Midas. Quem sobre cujo ombro ele botasse a mão teria futuro venturoso.

As duas secretárias que o Sálvio levou para sua escolinha foram indicadas por notório saber jurídico e ilibada reputação para o Superior Tribunal de Justiça – a Eliana, ministra Eliana Calmon e a Nancy, ministra Nancy Andrigüi. Ambas eram desembargadoras, uma federal do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, a outra do Tribunal de Justiça do Distrito Federal.

Ele ainda fez campanha no STJ para a Ellen, ministra Ellen Gracie, então desembargadora federal do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, mas ela apesar de aprovada na lista do STJ foi preterida por razões politicas, o que foi melhor para o Supremo Tribunal Federal, porque o Nelson, ministro Nelson Jobim, depois a tomou pelo braço e a levou ao Alvorada apresentando-a ao Fernando Henrique e à dona Ruth Cardoso, quando fervilhava a ideia uma mulher no STF.

O Sálvio daria certo agora em que há muito mais espaços para as mulheres na República. Começou a levar aos eventos de grande densidade a Cármen, professora Cármen Lúcia, uma fera do direito constitucional em Minas Gerais, sua conterrânea. A saúde frágil não lhe deu chance de sair recomendando o nome da Cármen para ministra do Supremo, onde ela hoje atua com grandes brio e brilho.

O Fux, o ministro Luiz Fux, foi guindado por merecimento ao cargo de desembargador, no qual demorou pouco porque logo o Sálvio lembrou para nós o nome daquele rapaz brilhante, monstro do direito processual civil, juiz moderno, estudioso, que não perdera a humanidade tocando guitarra, e bem, e cantando nos nossos eventos intra-muros.

Quando juiz, muito jovem, o Luizinho ainda ostentou extensas melenas como muitos garotos que, como eu, amavam os Beatles e os Rolling Stones.

Agora a Dilma começa seu governo dando excelente contribuição ao nível intelectual e moral, e à disposição para o trabalho, do Supremo Tribunal Federal, ao indicar o Ministro do STJ Luiz Fux para 11ª vaga aberta há mais de seis meses com a aposentadoria do Eros.

O novo ministro do STF tem 57 anos de idade, é professor de Direito na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), faixa preta em jiu-jitsu. Seu pai é um imigrante da Romênia, Mendel Wolf Fux. Sua mãe é uma brasileira, Eliene Fux.

Não vem ao caso lembrar aqui as mutretas que lá bem atrás armaram contra o Fux para ele não ser, na época, indicado Ministro do STF. O tempo agora lhe faz justiça.

 é advogado em São Paulo. Foi presidente do Superior Tribunal de Justiça e ministro do Tribunal Superior Eleitoral.

Revista Consultor Jurídico, 2 de fevereiro de 2011, 11h09

Comentários de leitores

6 comentários

"Mãos no ombro"?!

Armando do Prado (Professor)

Pobre república que precisa de "mãos no ombro". Lamentável.

STF e eleições

Beterraba ()

Concordo com o colega que não parece nada republicano tanto burburinho nos bastidores. Mas não é só para galgar cargo no STF que há tamanha maquinação. Em todos os Poderes, subir é sempre "subir puxado por alguém".
Reconheço que é difícil a possibilidade de "vislumbrar" possíveis candidatos quando se defere o poderde escolha a 1 só pessoa (o Presidente da República). Aí nem rpecisa ser mal intencionado para indicar sempre alguém com "relações partidárias", ou alguém negará tantas estrelinhas vermelhas sob as todas dos eminentes Min. do STF?
Mas não consigo ver as eleições como um mecanismo que solucionaria tal vício. Todos sabemos como eleições também são passíveis de influências não republicanas, mormente quando não há uma sociedade civil organizadas, e entidades de classe brigando internamente pelo poder, verdadeiras facções, quando deveriam ser todos pelo bem comum da mesma.

Chacrinha

Ricardo A Fronczak (Advogado Sócio de Escritório - Empresarial)

Como cantaria o velho guerreiro: "o cordão dos puxa-sacos cada vez aumenta mais".....

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 10/02/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.