Consultor Jurídico

Notícias

Tempo de Discussão

Senadores sugerem proibir propaganda de bebidas

Para tentar combater a disseminação das drogas lícitas no país, o relatório final da subcomissão sobre drogas, criada no âmbito da Comissão de Assuntos Sociais do Senado, sugere a proibição da propaganda de bebidas alcoólicas, a restrição da comercialização do produto, o aumento de impostos e também a integração entre os diversos níveis de governo.

Criada há sete meses, a subcomissão ouviu diversos especialistas sobre assunto, representantes de entidades que atuam na recuperação de viciados e pessoas que conseguiram deixar o vício. O relatório final, elaborado pela senadora Ana Amélia (PP-RS), será votado na próxima terça-feira (6/12). Além de sugerir diversas medidas a serem adotadas pela União, estado e municípios, o documento propõe diversas alterações na atual legislação.

“Estamos recomendando a proibição da propaganda de drogas. Qualquer bebida alcoólica acima de 5 graus [Gay-Lussac (GL)] é considerada prejudicial à saúde. Não quer dizer que vamos proibir, mas não podemos estimular, incentivar. Imagine uma propaganda para o consumo de maconha ou de cocaína. Todos achariam um absurdo. Mas acham natural o estímulo a outras drogas”, disse o presidente da subcomissão, Wellington Dias (PT-PI).

Segundo ele, apesar do aumento do consumo das drogas consideradas ilegais, o abuso do álcool é ainda mais preocupante. “A própria Organização Mundial da Saúde (OMS) aponta que álcool é o mais grave dos problemas relacionado às drogas em todo o mundo, e recomenda que todos os países possam adotar, até 2012, políticas para redução do consumo”.

De acordo com o presidente da subcomissão, aproximadamente 1% da população brasileira está envolvida com drogas ilícitas, como maconha, cocaína e crack, enquanto um percentual muito maior, cerca 10%, fazem uso sistemático do álcool.

Além disso, de acordo com Dias, a OMS estima que o Brasil tenha um prejuízo anual aproximado de R$ 30 bilhões devido à falta de uma política adequada de combate às as drogas. “Se adotarmos uma medida eficaz e reduzirmos pelo menos 20% [do prejuízo], teremos um lucro equivalente ao que se deve investir. Acredito que é o momento de agir porque as drogas interferem na economia, na família e na qualidade de vida da população”.

Segundo Wellington Dias, são necessários cerca de R$ 3 bilhões para desenvolver no país uma rede de enfrentamento às drogas e de tratamento aos dependentes. A ideia, de acordo com o petista, é obter esse recurso da própria venda das drogas consideradas legais, como álcool e cigarro.

“Defendo que se tire do que já se arrecada com os impostos sobre bebida e cigarro ou, como outros países fizeram, se amplie a taxação”, disse o senador. Segundo ele, atualmente as bebidas alcoólicas no país são taxadas em aproximadamente 35% e o cigarro em 70%. “Na Europa uma cerveja vale, em média, 14 euros, cerca de R$ 40, enquanto no Brasil não passa de R$ 3. Há um espaço grande para que o país tenha a receita sem jogar nas costas da sociedade esse ônus”, declarou.

Além de sugestões, segundo Dias, o relatório vai propor diversas mudanças na legislação. “Para que a gente possa proibir a propaganda, a exigência de uma licença especial para venda de bebidas e cigarros, teremos que alterar a lei. Portanto, haverá um conjunto de regras que depende de lei. Outras dependem apenas de vontade política, e é isso que vamos cobrar”, disse. “Tem que ter um tratamento especial. Para vender remédios, que é uma droga, temos todo o controle, a exigência de farmacêuticos. A mesma coisa precisa ser feita em relação ao álcool”, completou.

Conforme o senador petista, o relatório aponta ainda para a necessidade de o Brasil lidar com o tema das drogas de forma integrada, inclusive com os países da América Latina. “Estamos propondo a criação do Conselho das Américas de Políticas Sobre Drogas, como foi criado o Conselho da Comunidade Europeia, o Conselho da Comunidade Asiática, entre outros, para que a América, dentro da sua particularidade, consiga enfrentar o problema.”

Assuntos relacionados ao consumo de álcool no Brasil também serão discutidos pelo Supremo Tribunal Federal, que decidiu convocar um audiência pública sobre o tema com previsão para acontecer no primeiro semestre de 2012. Interessados em participar das audiências públicas sobre a Lei Seca têm até as 20h do dia 9 de dezembro para se inscrever. O requerimento deve ser encaminhado exclusivamente para o e-mail gabineteluizfux@stf.jus.br. A convocação de audiência pública foi feita pelo ministro Luiz Fux e será realizada no primeiro semestre de 2012.

Em Ação Direta de Inconstitucionalidade, a Associação Brasileira de Restaurantes e Empresas de Entretenimento (Abrasel) questiona dispositivos que proíbem a venda de bebidas alcoólicas à beira das rodovias federais ou em terrenos contíguos à faixa de domínio com acesso direto à rodovia. A Lei 11.705 foi publicada em 19 de junho de 2008 e, já no início de julho, a Abrasel pediu ao Supremo a declaração de inconstitucionalidade dos seus artigos 2º, 4º e 5º, incisos III, IV e VIII.

No artigo 2º e seus parágrafos, a lei proíbe a venda de bebidas alcoólicas à beira das rodovias federais ou em terrenos contíguos à faixa de domínio com acesso direto à rodovia. E pune os infratores com multa de R$ 1.500 mil, valor este que é dobrado em caso de reincidência, a qual implica, também, para o estabelecimento comercial, a suspensão da autorização de acesso à rodovia, pelo prazo de um ano. Estão excetuados da proibição os estabelecimentos comerciais localizados em área urbana.

O artigo 4º e seus parágrafos dispõem sobre a fiscalização do cumprimento da lei pela Polícia Rodoviária Federal e por estados, pelo Distrito Federal e pelos municípios. Já o artigo 5º altera, em seus incisos III, IV e VIII, o Código de Trânsito Brasileiro (CTB): primeiramente, para estabelecer limite máximo de concentração de álcool no organismo e para delegar competência para que agentes de trânsito caracterizem a embriaguez; em 2º lugar, para estabelecer punição daquele que se nega a produzir prova contra si, estabelecendo-lhe a mesma punição que a um condutor em embriaguez extrema; e, por último, para aumentar a pena por condução de veículo sob influência de álcool ou substância de efeitos análogos.

Audiências
: O ministro Luiz Fux decidiu convocar as audiências públicas por entender que a temática versada na ADI "reclama apreciação que ultrapassa os limites do estritamente jurídico, porquanto demanda abordagem técnica e interdisciplinar da matéria". Segundo ele, "há inúmeros estudos e pesquisas acerca dos efeitos da incidência de uma legislação mais rigorosa a quem conduz alcoolizado um veículo, mormente quando o objetivo da norma é a redução de acidentes em rodovias".

"Reputa-se, assim, valiosa e necessária a realização de audiências públicas sobre diversos temas controvertidos nestes autos, não só para que esta Corte possa ser municiada de informação imprescindível para o deslinde do feito, como, também, para que a legitimidade democrática do futuro pronunciamento judicial seja, sobremaneira, incrementada", observou ainda o relator da matéria.

Nas audiências, o ministro pretende esclarecer os seguintes tópicos: os efeitos da bebida alcoólica na condução de veículos; os efeitos no aumento do número de acidentes em rodovias por conta da venda de bebidas alcoólicas nas proximidades de rodovias; se a Lei 11.705 (Lei Seca) já trouxe benefícios concretos para a população brasileira; meios científicos, invasivos e não invasivos, para se apurar com segurança a embriaguez incapacitante para a condução de veículos; e números de prisões e autuações administrativas efetuadas após o surgimento da Lei Seca, em razão da condução de veículos em estado de embriaguez. Com informações da Assessoria de Imprensa do STF e da Agência Brasil. 

Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 4 de dezembro de 2011, 17:09

Comentários de leitores

4 comentários

Senador desinformado

leafb (Advogado Associado a Escritório - Civil)

Não conheço a Europa a que se refere o senador. Na Europa que eu visitei, a cerveja custa em torno de 1,50 euro a garrafa de 500ml. Isso significa que 350ml custam R$2,52 (um pouco mais caro que aqui). É muito triste ver legisladores se utilizando de informações falsas para fazer aprovar o projeto que lhes interessam. Seria mais interessante se verificassem que a coibição do consumo através de ações do Estado não é eficaz e que os indivíduos possuem capacidade de se conscientizar. É só o Estado largar o porrete, sair da frente e abrir caminho para isso.
Enquanto o Estado não assumir que não é capaz de controlar os indivíduos e que estes não devem ser tratados como bebês, como parece pensar o senador, as milhares mortes de trânsito recairão sobre suas costas.

FINALMENTE FEZ-SE A LUZ!

J.A.Tabajara (Advogado Autônomo)

As bocas que fumam e as bocas que bebem MATAM; com uma diferença: O fumo mata o usuário, mas o álcool mata o usuário e dezenas de inocentes nos acidentes de trânsito!
No entanto, a propaganda do cigarro é proibida há anos, enquanto a televisão mostra a todo momento mesas cheias da "melhor ceva do mundo", em ambiente festivo, com jovens felizes e cercados por belas "gatas"! Naturalmente os quadros seguintes não são mostrados: As tragédias nas estradas e o afrouxamento do estado de consciência, abrindo as portas para experimentar estimulantes ainda MELHORES! Minha filha Psicóloga concluiu trabalho de pós-graduação, provando com dados colhidos no meio social que é ínfimo o percentual de ingresso no mundo das drogas entre pessoas no pleno uso de suas percepções, mas é alarmante o percentual de novos mergulhos no mundo dos escravos do vício, a partir do enfraquecimento da vigilância em prol da auto preservação. Meu aplauso entusiástico à Senadora Ana Amélia Lemos, um dos maiores investimentos que fiz
ao votar em seu nome!

E vai apertar mais

Alexsandro Percy (Outros)

Para tudo existe uma justificativa de proibir ou limitar. Por isso imaginei que daqui há 30 anos teremos a campanha para regular o consumo de leite e a proibição de sua propaganda. Usarão o argumento de que o ser humano é o unico animal que consome leite mesmo na vida adulta, que não digerimos a proteina adequadamente e blablabla. Ficarei muito triste, mas não tão triste quanto 10 anos depois, ja que provavelmente precisarei tirar licença pra fazer churrasco. E é melhor me calar por aqui, antes que acabe incentivando algumas de nossas "brilhantes" mentes do Planalto.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 12/12/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.