Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Bons negócios

Baker & McKenzie tem o melhor rendimento desde a crise

Por 

A Baker & McKenzie, maior banca de advocacia dos Estados Unidos e a segunda maior em número de advogados no mundo, anunciou que sua receita bruta e o lucro médio por sócio voltaram a crescer no ano fiscal de 2011. É a primeira vez, desde a crise financeira global de 2008, que a empresa aumentou os rendimentos de forma tão significativa.

O brasileiro Eduardo Cerqueira Leite, presidente do Comitê Executivo da Baker Mackenzie nos Estados Unidos, afirmou, em entrevista ao boletim diário do portal da revista The American Lawyer, o The Am Law Daily, que foi o aumento na procura pelos serviços da banca e não o corte de custos o responsável pelo aumento no faturamento da companhia. Superior a 8% se comparada com os resultados de 2010, a receita bruta da Baker & McKenzie em 2011 bateu o recorde de US$ 2,27 bilhões. O lucro médio por sócio cresceu 7%, levando ao resultado de US$ 1,2 milhão. No ano fiscal de 2010, o aumento de 13% no lucro médio por sócio foi fruto direto da redução de gastos enquanto que o rendimento bruto caiu para 0,4%.

Ainda ao The Am Law Daily, Eduardo Leite explicou que o crescimento dos números foi sustentado por transações na área de recursos naturais, tanto em países emergentes quanto desenvolvidos. Formado pela Universidade de São Paulo (USP) e atuando para a Baker & McKenzie desde 1975, Leite, que assumiu a presidência do Comitê Executivo ano passado, atribui à plataforma global da banca o bom resultado dos números no último ano fiscal. É fora dos EUA que a banca busca negócios para superar os maus resultados no mercado doméstico.

"Nos beneficiamos da presença de longa data em mercados emergentes como o Brasil, China e o Golfo Pérsico e em economias de países desenvolvidos, ricos em recursos naturais, como a Austrália e Canadá", disse Leite. Em 2011, mais de dois terços do faturamento da banca vieram de honorários por serviços prestados na Ásia, Europa e Oriente Médio. O mercado doméstico e a atuação na América do Sul correspondem ao outro terço.

Ainda de acordo com o presidente do Comitê Executivo da Baker Mackenzie, consultorias relacionadas às áreas tributária e financeira, como administração de riquezas, colaboraram para puxar os números para cima. O ano fiscal de 2011 também foi de abertura de novos postos pelo mundo e contratações. A firma inaugurou escritórios em Luxemburgo, Catar e Doha. Na lista de novos nomes, o ex-promotor federal Marc Litt, conhecido por liderar a acusação no processo contra o investidor Bernard Maddof, é o que tem mais destaque entre os novos contratados.

 é correspondente da revista Consultor Jurídico nos Estados Unidos.

Revista Consultor Jurídico, 20 de agosto de 2011, 8h25

Comentários de leitores

1 comentário

Uma pena

Wagner Göpfert (Advogado Autônomo)

“Bons negócios”, “receita bruta e o lucro médio por sócio”, “a empresa aumentou os rendimentos” , “O lucro médio por sócio cresceu 7%”...
Pena que no Brasil isso não seja legal. Pelo menos esse é o entendimento da 10ª CV/SP, no Ac.na APELAÇÃO CÍVEL n° 428 112-4/7, com relatoria do dês. MAURICIO VIDIGAL, participação dos Desembargadores OCTÁVIO HELENE (Presidente sem voto), JOÃO CARLOS SALETTI e CARVALHO VIANA, para quem:
“Conferir a escritório de advocacia ou a sociedade de advogados o caráter de estabelecimento lucrativo é absurdo, pois depende da admissão de que eles são estabelecimentos com o objetivo de lucro. “Não faça de sua banca balcão”, disse Ruy há quase um século. O conseilio continua atual e a ética profissional pune quem assim age. A dignidade da nobre classe impede que se aceite a qualificação de comércio aos seus atos profissionais, única que pode justificar a formação de “estabelecimento”, se’a ele classificado como civil ou comercial. Na hipótese contrária, se falecidos os dois sócios sem deixar herdeiros advogados, teríamos de admitir que herdeiros pudessem vender a sociedade incluindo em seus ativos a cIintela e os serviços prometidos a ela. O art.16 do Estatuto da Advocacia é claro ao impedir que sociedade de advogados tome a feição mercantil. “http://wagnergopfert.blogspot.com/ - wgopfert@adv.oabsp.org.br

Comentários encerrados em 28/08/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.