Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Ataque em condomínio

Juíza do Rio de Janeiro é morta a tiros em Niterói

A juíza Patrícia Acioli, 47 anos, da 4ª Vara Criminal de São Gonçalo (RJ) foi morta a tiros no fim da noite da quinta-feira (11/8). Ela dirigia seu carro e se aproximava da entrada do condomínio onde morava, no Timbau, em Niterói, quando foi atacada. Ela estava sem seguranças. A Polícia acredita na hipótese de emboscada e crime encomendado. As informações são da Agência Estado.

Patrícia estava ao volante de seu Fiat Idea quando foi surpreendida por homens de toucas ninja, em duas motos e dois carros. Eles deram ao menos 15 tiros de pistolas calibre 40 e 45 contra a juíza, que morreu no local. A Polícia espera encontrar pistas em imagens gravadas pelas câmeras de segurança da portaria do condomínio.

Segundo o presidente do Tribunal de Justiça do Rio, desembargador Manoel Alberto Rebelo dos Santos, que foi ao local do crime, a juíza já havia recebido várias ameaças de morte. O nome dela estava em uma “lista negra” feita pelo criminoso Wanderson Silva Tavares, o Gordinho, preso no Espírito Santo em janeiro deste ano. Ele chefiava uma quadrilha de extermínio que atuava em São Gonçalo e que teria matado pelo menos 15 pessoas em três anos.

Entre as decisões de Patrícia está a prisão de policiais militares de São Gonçalo que sequestravam traficantes e, mesmo depois de matá-los, entravam em contato com familiares e comparsas exigindo dinheiro para soltura. A juíza Patrícia também decretou a prisão preventiva de PMs acusados de forjar confrontos com bandidos, mortos durante a abordagem.

O carro da juíza foi transferido para perícia para a Divisão de Homicídios (DH) da Polícia Civil da Barra da Tijuca, zona oeste da capital. Niterói também conta com uma DH, mas a transferência para o Rio foi pedida pela chefe da Polícia Civil, Martha Rocha. A perícia já foi feita na manhã desta sexta-feira (12/8).

A casa onde Patrícia morava é monitorada por câmeras, e um computador onde as imagens ficam armazenadas também já foi levado à DH para análise.

Revista Consultor Jurídico, 12 de agosto de 2011, 11h14

Comentários de leitores

7 comentários

Fato gravíssimo e que alguns tentam minimizar

Leitor - ASO (Outros)

Gostaria de expressar aqui o meu pesar pela morte covarde da combativa Juíza, que foi brutalmente assassinada.
Quanto aos que tentam minimizar o fato, talvez contaminados por velhos rancores, comparando-o com outros inúmeros assassinatos, gostaria de alertar que a Juíza foi morta POR COMBATER O CRIME.
Acho, inclusive, que este espaço está dando muito pouco destaque a esse gravíssimo fato.
Depois que se tem a ousadia de atacar um magistrado, POR ESTAR REALIZANDO O SEU TRABALHO DE COMBATE AO CRIME, ninguém mais pode se considerar seguro.
Acho que todos deviam refletir sobre isso.

É profundamente lamentável a morte da Digna Juíza

E. COELHO (Jornalista)

É profundamente lamentável a morte da Digna Juíza
Não há palavras que possamos dizer que sirvam para diminuir a dor da família, podemos apenas pedir que Deus dê a sua proteção e a sua benção para confortar os corações enlutados. Que a Digna Juíza descanse em paz!
.
Aproveito para manifestar minha indignação, como cidadão brasileiro, pela atual insegurança que vivem os brasileiros.
.
Senhores Legisladores, até quando?
.
Senhores "dos Direitos Humanos" até quando vão continuar considerando que a vida de um bandido vale mais do que a vida de um Humano Direito?
.
É revoltante ver nossas autoridades acuadas, com medo, ameaçadas e mortas!!!
.
PQP que país é esse????
.
É revoltante ver nosso povo sendo vítima dessa criminalidade totalmente absurda!

Dar razão a lunáticos

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Raciocínio semelhante ao do Juarez Araujo Pavão (Delegado de Polícia Federal) foi feito por Bush há uma década. Sob o pretexto do combate ao terror (na verdade Bush queria é o petróleo) os EUA destruíram cada tijolo do Iraque, assassinando cruelmente milhares de pessoas que sequer sabiam do que se tratava. Um jornalista que acompanhou Sadam em seus último dias relatou que sequer o temido Ditador, pintado como sendo um ardiloso "sabotador" do sistema de vida americano, sabia exatamente a geografia americana ou os aspectos culturais do país. O resultado foi muita destruição, ódios plantados por muitas décadas, e os EUA mergulhados em uma crise que parece que nunca mais será superada. Todos sabiam que Bush era um lunático, mas na comoção não pensaram duas vezes em lhe dar razão. Deu no que deu.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 20/08/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.