Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Sociedade Fraternal

MP do Distrito Federal denuncia dirigente da maçonaria

O Ministério Público do Distrito Federal denunciou a ex-presidente da Fundação de Apoio à Pesquisa (FAP) Maria Amélia Teles por irregularidades em licitações. Segundo informações do Correio Braziliense, além dela, também são alvo de ação penal na 1ª Vara Criminal de Brasília o ex-chefe da Procuradoria da FAP, José Silveira Teixeira, e os ex-presidentes da Gonçalves Lêdo, Wellington de Queiroz e Manoel Tavares dos Santos – ambos foram posteriormente, em 2016, inocentados pelo Superior Tribunal de Justiça

De acordo com a denúncia, a FAP violou a Lei de Licitações em contratos com a Gonçalves Lêdo, instituição ligada à Maçonaria, para o projeto DF Digital, da Secretaria de Ciência e Tecnologia do governo da capital. O MP aponta que os desvios tenham custado R$ 9 milhões aos cofres públicos — o valor foi calculado pelo Tribunal de Contas da União.

Manoel Tavares dos Santos, que foi nomeado esta semana para presidir a Corretora de Seguros do Banco de Brasília, é também presidente da Grande Oriente do Distrito Federal (clique aqui para acesso o site). A nomeação provocou reações no mercado segurador, já que Tavares dos Santos jamais atuou na área. Oriundo do Banco Central, o novo dirigente da Corretora do BRB chegou a ser alvo de uma ação por improbidade administrativa movida pelo Bacen e pelo Ministério Público Federal (clique aqui para conferir o andamento processual) que foi arquivada.

O DF Digital é um programa do governo para capacitação profissional. Empresas na área de informática são terceirizadas pela Fundação Gonçalves Lêdo para dar cursos e coordenar centros de inclusão digital. A fundação, por sua vez, administra um contrato de gestão. Esse modelo ficou conhecido em Brasília com o Instituto Candango de Solidariedade (ICS). Por meio dele, a entidade privada pode escolher livremente no mercado empresas de informática para prestar serviços.

Entre abril de 2009, quando o negócio começou, e o ano passado, a empresa recebeu R$ 56,6 milhões. Antes disso, o DF Digital, lançado em 2007, já funcionava por meio de contrato da Gonçalves Lêdo com a Universidade de Brasília (UnB). Este, no entanto, foi rescindido por suspeita de irregularidades.

Maria Amélia Teles, da FAP, vai responder por ter contratado a Gonçalves Lêdo sem licitação e autorizado aditivos nesse contrato. Ela chegou ao cargo por indicação do deputado federal Izalci Lucas (PR-DF), ex-secretário de Ciência e Tecnologia do Distrito Federal.

Na denúncia contra Maria Amélia, a Promotoria de Fundações, do MP-DF, sustenta que não havia justificativa legal para a contratação da Gonçalves Lêdo, já que a entidade não presta qualquer atividade relevante ou específica. Portanto, não detém expertise para iniciar um contrato que abrange montantes tão grandes de recursos públicos.

Em vigor
O contrato com a Fundação já havia sido considerado ilegal pelo Tribunal de Contas do DF, que determinou o fim do repasse de verbas públicas para a companhia. O governo, entretanto, mantém os pagamentos, pois a Gonçalves Lêdo conseguiu sua continuidade no Tribunal de Justiça do DF. O Ministério Público tenta anular o contrato, mas o processo ainda tramita na Justiça.

O próprio governo de Brasília reconhece irregularidades no DF Digital. Relatório elaborado pela Secretaria de Transparência, de 18 maio, apontou ilegalidades como superfaturamento, serviços não prestados e alterações não previstas no contrato. O relatório foi anexado pelo MP à denúncia contra Maria Amélia Teles. De acordo com a ação penal, o procurador-chefe da FAP, José Silveira Teixeira, na ocasião da assinatura do contrato com a Gonçalves Lêdo, havia recomendado pregão para a escolha da empresa responsável. Mas mudou de opinião em outro parecer, e dispensou a instauração do processo licitatório.

*Texto alterado no dia 21 de dezembro e 2016 para acréscimo de informações. 

Revista Consultor Jurídico, 9 de agosto de 2011, 20h01

Comentários de leitores

2 comentários

Falta de Critério

Carlos Ribas - Consultor (Consultor)

Concordo com o comentário do João Mário. Qual foi o objetivo do autor em dar este título a matéria. É necessário o mínimo de critério para dar um t´tulo correto a uma matéria.

A manchete não corresponde à matéria!

João Mário (Assessor Técnico)

O que fazem para serem lidos... A irresponsabilidade de certos articulistas, infelizmente, acaba maculando, inclusive, o crédito de veículos de comunicação como este, que têm conquistado nossa confiança com anos de boas notícias... Sou um leitor assíduo da Conjur e fico muito triste quando vejo manchetes como esta, que tem o único intuito de causar estarrecimento àqueles que leem somente manchetes... O que a Maçonaria tem a ver com o fato?! O denunciado poderia ser, também, sócio/dirigente de um Clube Rotary? de um Clube Lions? de um clube desportivo qualquer? E a manchete então seria: Dirigente do "Clube de Regatas Fulano" é acusado de desviar dinheiro público! ohhhhh!! Se o acusado, de fato, praticou tal crime, este não teve nenhuma relação com a maçonaria, que é uma instituição social que não possui nenhuma atuação/gestão com/do dinheiro público. A atuação individual ilícita de um homem, maçom ou não, não pode ser atribuida, sequer imolar, o sistema do qual pertence, que, no caso, é composto por milhares de homens de boa reputação. Portanto, lamentável e infeliz a manchete que acabamos de ler...

Comentários encerrados em 17/08/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.